rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Transformamos a China de concorrente a mercado para nossos calçados", conta Roberta Ramos

Por Paloma Varón

Roberta Ramos, gestora de projetos da Abicalçados (Associação Brasileira da Indústria de Calçados), está em missão na França e conta sobre o mercado internacional de calçados brasileiros, a febre mundial de Havaianas e a mudança de estratégia dos exportadores face à concorrência chinesa.

“A Abicalçados tem um projeto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil), desde 2000, de promoção das exportações de calçados. A cada dois anos nós fazemos um exercício para escolha de mercados-alvo. A França entrou na lista de mercados-alvo para este biênio e nós trabalhamos uma metodologia de abertura de mercado para entender as oportunidades para o mercado brasileiro de calçados”, explicou.

Segundo Ramos, a missão consiste em “entender o mercado, buscar insights, buscar informações e daí definir uma estratégia de promoção comercial para o próximo ano”

Ela explica que o mercado internacional é muito diverso. “Mesmo aqui na Europa, há muitas diferenças entre os países em questão de estilo. Hoje, a França é o quarto maior destino dos calçados brasileiros e o que exportamos para cá, e é um produto diferente daquilo que se coloca como estereótipo do Brasil, que é aquele calçado de saltos altos, mais sensual, com muitas cores.”

“Aqui pra França é um calçado mais casual, como as francesas as francesas caminham muito, então aqui é com menos saltos, menos plataformas, um calçado mais flex”, disse.

Principais países compradores

Roberta Ramos conta que os Estados Unidos estão na origem da indústria brasileira de calçados. “Historicamente os Estados Unidos são o nosso principal mercado, é o país que fundou a indústria calçadista brasileira, pois começou querendo produzir suas marcas no Brasil, então a indústria brasileira já nasceu exportadora.”

Depois dos Estados Unidos vem a Argentina, pais vizinho. “De vez em quando a gente sofre com algumas barreiras impostas pelo país, mas ele vem se mantendo na segunda posição. A terceira e a quarta posição variam: neste momento temos o Paraguai em terceiro e a França em quarto, quase empatada com a Bolívia”, contou.

Foco em marcas

“A indústria calçadista brasileira sempre foi fornecedora de calçados, mas não muito focada em marcas. Quando a China decidiu entrar neste jogo; o Brasil precisou se reestruturar, redesenhar sua estratégia”, explicou.

“Em 2000 nós fundamos o Brazilian Footwear, um programa de promoção das exportações de marcas de calçados brasileiros, uma parceria entre a Abicalçados e a Apex Brasil, com o objetivo de, ao invés de simplesmente fornecer a manufatura, começar a inserir marcas de calçados brasileiros em outros países. E nós temos alguns cases, como Melissa, Havaianas, Schultz… são marcas que nos dão muito orgulho por mostrar que este trabalho faz sentido”, acrescentou

Ela confirma que os chinelos, notadamente as Havaianas, são os calçados brasileiros mais exportados. “É a nossa marca registrada, porque o Brasil tem essa imagem de verão, de moda praia, então os chinelos são, sim, o maior volume, aqui pra França também. Mas a gente percebeu ao longo dos anos, uma mudança, uma variação de preço médio de exportação de 6,60 para 10 dólares, o que mostra que isso também vem mudando”, mencionou.

Segundo ela, o valor agregado das exportações aumentou. “Está aumentando a exportação de tipos de calçados mais caros: calçados de couro, com adereços mais custosos.”

China: de concorrente à oportunidade de mercado

De acordo com Ramos, a concorrência chinesa ainda assusta, mas as coisas estão ficando mais caras na China, então é um mercado que está deixando de ser tão competitivo.

“Por outro lado, nós passamos a enxergar a China como uma grande oportunidade de mercado. Nós estamos desde 2008 fazendo um trabalho na China com resultados bastante interessantes”, contou.

Sobre as previsões para 2018, Ramos comenta: “Nós temos uma perspectiva de crescimento, a nossa produção este ano já deve aumentar um pouco, na casa dos 3%, as exportações também, no acumulado do ano; então a expectativa é de que a gente continue nesta curva”.

"Você não pode entender o Brasil sem entender a nossa violência", diz Patrícia Melo

“Toda tradução é uma traição”, diz tradutora dos clássicos de Perrault

Conheça Matthieu Doat, o “francês do samba”, que lança em Paris novo projeto musical entre França e Brasil

“O melhor urbanismo incentiva as relações sociais, criando uma vida de bairro”, diz Elizabeth de Portzamparc

Karim Aïnouz conta na Berlinale a vida de refugiados em aeroporto alemão

Aplicativo brasileiro de reciclagem que conecta catadores e população é premiado em Paris

“A emoção do rádio é impagável”, diz o narrador esportivo José Silvério

Carnaval revela essência da sociedade brasileira, diz antropólogo Roberto DaMatta

Internet ajudou a criar manifestações de revolta sem líderes, diz psicanalista Ana Costa

“Paul Bocuse adorava o Brasil,” diz chef de cozinha Laurent Suaudeau

“Quem precisa ser pacificada no Rio é a própria polícia”, afirma especialista em favelas

Opinião: Analistas e imprensa europeia têm visão “deformada” do “mito Lula”

“Brasil atual lembra momentos sombrios da história do país”, diz escritor Godofredo de Oliveira Neto

“Incompetência intercultural dificulta relações franco-brasileiras”, alerta linguista francês