rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Condenado, preso ou livre, Lula é fator mais relevante da eleição 2018”, diz cientista política

Por Márcia Bechara

O ano de 2017 foi politicamente conturbado no Brasil e 2018 promete ser ainda mais movimentado. Para fazer uma análise desse cenário, a RFI Convida a cientista política Mara Telles, professora e pesquisadora do Departamento de Política da UFMG.

(Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima)

Segundo ela, o que melhor caracterizou o Brasil e o mundo politicamente no ano que passou foi a perda da confiança na democracia. “Tanto o Brasil quanto outros países estão num processo de ‘des-democratização’. Tomava-se como certa a democracia e seus valores, eleições livres e competitivas, Estado de direito, direitos humanos e liberdades civis eram instituições consolidadas nas sociedades ocidentais e no Brasil, e que isso iria se expandir em 2016 e 2017. Depois do impeachment da presidente [Dilma Rousseff] não foi isso que aconteceu”, avalia Telles.

“Essa lógica de uma democracia liberal, nascida na década de 1980, está sendo colocada em xeque. Vemos no Brasil líderes de movimentos e partidos populistas de tendência antiliberal ganhando mais espaço na opinião pública e ocupando classificações importantes na corrida eleitoral prevista para 2018”, pontua a especialista.

Avanço do populismo: perspectivas para 2018

A professora observa que a geração nascida nos anos 1980 e 1990 demonstra menos apoio à democracia e parte deste público tem se deixado seduzir por candidatos de perfil populista autoritário, como é o caso de Jair Bolsonaro. “Bolsonaro ameaça a democracia porque desafia seus valores-chave, como o pluralismo, a tolerância social”, explica.

Condenação de Lula?

A pesquisadora observa que, neste contexto, a presença do ex-presidente Lula no pleito será "um fator importante nas eleições", sendo ele condenado ou não. “O ex-presidente Lula hoje tem um capital político muito forte. As últimas pesquisas do Ipsos apontam que ele seria quase eleito no primeiro turno. Se condenado, ele deve ter a possibilidade de transferir cerca de 40% dos seus eleitores para um outro candidato, ou seja, ele é ainda a principal variável, o principal fator eleitoral em 2018, seja condenado, preso ou livre. Ele é o elemento mais relevante da disputa de 2018”, ressalta a cientista política.

"Mas a condenação me parece ser o que está previsto em seu segundo julgamento em 24 de janeiro. Alguns juízes da 4ª TRF [Tribunal Regional Federal da 4ª Região] já disseram à imprensa que o prognóstico é que ele venha novamente a ser condenado e que saia do processo eleitoral, o que vai gerar muita incerteza”, analisa Telles.

A pesquisadora sublinha que o PT e PSDB estão bastante fragilizados perante a opinião pública - o PSDB não consegue sair dos 8% de aprovação e de intenção de voto. "Nesse sentido, o crescimento de um candidato antipolítica, de um outsider, de um empresário qualquer, ou de alguém com outro capital não político pode também aparecer e surgir nas eleições de 2018”, afirma.

Indulto de Natal de Temer, responsabilidade da mídia

O Brasil termina o ano com o indulto de Natal de um presidente impopular, uma medida muito criticada pela operação Lava-Jato. Como que fica para os brasileiros a leitura desse indulto, considerado um retrocesso no combate à corrupção? Para Mara Telles, “a confiança no Congresso é baixíssima, existe uma aversão à classe política brasileira em geral, produzida também em função do papel que a mídia vem exercendo de descaracterizar a classe política como um reino exclusivo da corrupção e, com esse indulto, dado por um presidente que poderia ser investigado, que não o foi, e que conseguiu maioria no Congresso, só aumenta a desconfiança no Congresso”.

 

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvón

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista