rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Nossa dívida pública é alimentada por mecanismos fraudulentos", alerta ONG da Dívida

Por Maria Emilia Alencar

Desde o pagamento da indenização pela Independência até os dias de hoje, passando pela construção de Brasília e o suposto Milagre Econômico Brasileiro da ditadura militar, o Brasil deve. Deve muito, sem saber jamais quando poderá pagar. Na melhor das hipóteses, contratamos novos empréstimos para pagar os juros das dívidas interna e externa, enquanto continuamos a empurrar o passivo com a barriga. Esse eterno pagar de dívidas, em que passamos as décadas correndo para apagar o incêndio, tem um alto custo social à medida em que se deixa de investir na população para pagar aos bancos. Contra tudo isso, Maria Lúcia Fattorelli luta há 17 anos, como coordenadora nacional da ONG Auditoria Cidadã da Dívida.

“A nossa organização é um movimento social aberto à participação de todas as pessoas”, explica Fattorelli em entrevista à RFI. “99% do nosso pessoal é composto por voluntários e voluntárias, dentro e fora do Brasil. Nós nos dedicamos a decifrar a dívida pública brasileira. Porque essa dívida é paga por todos nós, de várias formas. Ela é paga através dos elevados tributos que pagamos, e também pela subtração de direitos sociais que são continuamente cortados para que sobre mais recursos para se pagar a dívida. Além disso, a dívida tem sido a desculpa, a justificativa, para contínuas privatizações do patrimônio público. Nós entregamos nossas riquezas, nossas empresas, com a desculpa de se pagar a dívida. Então, nós temos que saber que dívida é essa!”.

Taxas de juros no Brasil

“As taxas de juros praticadas no Brasil são, de longe, as mais elevadas do planeta. Esse é um os principais fatores de crescimento da própria dívida. Há 17 anos nós investigamos a dívida pública brasileira, interna e externa. Nós descobrimos que as dívidas têm sido geradas por mecanismos que não tem nada a ver com o que as pessoas pensam. Todos nós pensamos que uma dívida se cria a partir de um ingresso de recursos. Mas não é isso que acontece. A dívida tem sido gerada por mecanismos financeiros fraudulentos! E, depois de gerada, ela se multiplica por ela mesmo por causa das elevadíssimas taxas de juros. Nós contratamos novas dívidas para pagar dívidas anteriores, multiplicadas por elas mesmas em função dos juros abusivos”, conta Fattorelli.

O sistema financeiro

“Só justificaria contratar uma dívida pública se o recurso fosse aplicado em benefício da população. Não é isso o que vemos. Vemos dívidas surgindo de mecanismos que remuneram, no Brasil, diariamente, a sobra de caixa dos bancos. O lucro dos bancos no Brasil é incomparável com qualquer outro país no mundo. Atualmente, a quarta parte da chamada dívida interna, cerca de R$ 1,2 trilhão, é empregada em operações do Banco Central para justificar a sobra de caixa diária dos bancos”.

Próximos passos

“Por pressão nossa o Senado aprovou um requerimento ao Tribunal de Contas da União. Pela primeira vez o Tribunal de Contas da União está fazendo uma auditoria da dívida interna. Mas a nossa luta continua”, encerra Fattorelli.

Clique no box abaixo para assistir na íntegra à entrevista de Maria Lúcia Fattorelli.

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”