rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Viagens do surrealista francês Benjamin Péret pelo Brasil são tema de livro

Por Elcio Ramalho

O livro “As artes primitivas e populares do Brasil”, (Editions de Sandre), lançado recentemente na França, reúne imagens inéditas e textos realizados pelo escritor e poeta surrealista francês Benjamin Péret durante suas viagens por diversos estados brasileiros nos anos 1950.

De volta à França, o intelectual tinha um projeto de publicar os relatos de sua experiência e as inúmeras fotografias de manifestações populares e primitivas recolhidas em suas expedições a comunidades pelo interior do país e visitas a museus.

No entanto, dificuldades em encontrar um editor fizeram com que o autor, morto em 1959, não visse a obra publicada. Quase cinquenta anos depois, especialistas e estudiosos do percurso do polêmico artista do surrealismo reuniram o material e prestaram uma homenagem póstuma a Péret, considerado um dos maiores incentivadores da divulgação das artes que considerava expressões genuínas da cultura brasileira.  

“Benjamin Péret foi um dos pioneiros. Até os anos 50, não existia muita coisa. O [Claude] Lévy-Strauss tinha uma certa coleção de objetos indígenas que tinha trazido de suas expedições etnográficas dos anos 30. Elas existiam e estavam expostas, mas era apenas objetos indígenas. Na França, objetos pré-colombianos não existiam e objetos populares também não eram comuns. A elite não conhecia”, lembra a professora de Literatura Comparada Leonor Lourenço de Abreu, uma das responsáveis pela publicação do livro.

“A elite não tinha muita apetência para as artes populares. Péret era um poeta surrealista e os surrealistas buscaram nessa alteridade fora dos padrões ditos estéticos e morais, os modelos para sua arte poética e estética”, diz.

Autora do posfácio da obra, a especialista assina um texto em que relembra a forte relação que Péret estabeleceu com o Brasil.

Nascido na região de Nantes, oeste da França, Benjamin Péret se envolveu desde cedo com o movimento surrealista. Em Paris, se apaixonou e casou com a cantora brasileira Elsie Houston, cunhada do crítico de arte Mario Pedrosa, e foi introduzido no círculo intelectual do qual fazia parte, por exemplo, a pintora Tarsila de Amaral e o escritor Oswald de Andrade.

“Em 1929, Péret desembarcou pela primeira vez no Brasil com o objetivo de estudar os índios, viajar pela Amazônia e publicar filmes e até fazer filmes etnográficos, além de pesquisas étnico-musicológicas de índios e dos afro-brasileiros na Bahia”, recorda Leonor.

Os projetos da época não vingaram. O francês se separou da mulher e deixou um filho no país, que expulsou o simpatizante trotskista por suas atividades políticas vinculadas à Liga Comunista. Péret viveu exilado no México e  voltou no país natal antes de uma segunda temporada no Brasil a partir de 1955 para conhecer o filho e resgatar os projetos abortados.

Périplo pelo interior do país

Durante dois anos, lembra a professora Leonar Lourenço de Abreu, Péret percorreu a Amazônia e vários estados brasileiros, como Ceará, Bahia, Pernambuco e Minas Gerais em busca de contato com pontos de criação de arte popular e indígenas.

“Nos anos 50 houve grandes descobertas arqueológicas na região de Marajó e em Santarém. Péret ficou extremamente interessado por essas descobertas, que mostraram que no Brasil havia tido civilizações pré-colombianas”, lembra a especialista.

Em sua estada, Péret esteve com tribos indígenas amazônicas, conheceu coleções de arte particulares, conviveu com artistas populares do Norte e Nordeste.  

O fruto das inúmeras viagens deu origem a três artigos que publicou sobre as artes pré-colombianas do Brasil, e da cultura de Marajó e de Santarém, ilustrados com fotografias de peças.

No entanto, centenas de imagens de muitos objetos foram guardadas para o projeto de publicar o livro sobre artes primitivas e populares do Brasil, das quais excluía as artes sacras e monumentais.

“As fotografias ficaram inéditas”, lembra a professora ,que também integra a Associação dos Amigos de Benjamin Péret. A Associação, juntamente com o historiador de arte Jérôme Duwa e a editora Sandre conseguiram legendar e identificar as fotos para situar, segundo Leonor, “o valor antropológico e estético da obras de Péret”.

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos