rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Julgamento de Lula "tem base mais política do que judiciária", diz historiadora francesa

Por Daniella Franco

No RFI Convida desta terça-feira (23), conversamos com Juliette Dumont, professora de História do Instituto de Altos Estudos da América Latina (Iheal) e presidente da Associação para a Pesquisa sobre o Brasil na Europa (Arbre). Ela comenta como os brasilianistas franceses veem o julgamento em segunda instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorre na quarta-feira (24) em Porto Alegre.

Para Juliette Dumont, não há dúvidas: "há uma consciência de que esse julgamento tem uma base mais política do que judiciária". A professora e pesquisadora preside a Arbre, associação sediada em Paris que reúne brasilianistas de toda a Europa e promove a pesquisa em ciências humanas através de seminários e simpósios.

Segundo ela, a associação acompanha os acontecimentos políticos do Brasil "para tentar compreender essa crise que não é só política, mas também é econômica, social e moral". Um dos objetivos dos debates que promove é analisar o papel do Poder Judiciário no Brasil, que segundo ela, "teatralizou sua atuação". "Seu papel está sendo de um protagonismo muito forte. O Judiciário se tornou o poder que assumiu o destino do Brasil", reitera.

Por isso, para a historiadora, o combate à corrupção - bandeira assumida pelo Judiciário brasileiro -, mostra que também há um "lado obscuro". "Estamos tentando explicar que esse combate à corrupção não é algo exatamente positivo e reflete uma decomposição do sistema político brasileiro."

Semipresidencialismo é "semi-solução"

Juliette Dumont acredita que uma prova da necessidade de uma reforma “profunda” do sistema político brasileiro é, segundo ela, a tentativa de desviar a atenção da opinião pública em um delicado momento no país com propostas como a do semipresidencialismo. A ideia vem sendo defendida pelo presidente Michel Temer e pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes.

"O semipresidencialismo é uma semi-solução. É uma resposta do PMDB e da direita brasileira que, por enquanto, não têm um verdadeiro candidato [para as eleições de outubro]. Então seria uma maneira de conservar o poder, sem dizer que se está negando a democracia e as eleições presidenciais", afirma.

De acordo com a historiadora, a crise das democracias representativas, protagonizada por boa parte dos países ocidentais atualmente, dificulta as projeções dos brasilianistas para o futuro. "Mas como são dinâmicas globais, as soluções também vão emergir globalmente", prevê. Como exemplo de fenômenos vividos em conjunto, ela cita a ascensão nas Américas e na Europa de movimentos conservadores e da extrema-direita - no Brasil, representada pela figura de Jair Bolsonaro.

Juliette Dumont destaca os encontros promovidos por movimentos e lideranças da esquerda brasileira, latinoamericana, norte-americana e europeia. "É ampliando esse diálogo que poderemos avaliar de maneira global os desafios deste século 21, tanto politicamente como economicamente. Se há uma expectativa é a de diálogo, para podermos enxergar um futuro e sair deste impasse", finaliza.

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum