rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Julgamento de Lula "tem base mais política do que judiciária", diz historiadora francesa

Por Daniella Franco

No RFI Convida desta terça-feira (23), conversamos com Juliette Dumont, professora de História do Instituto de Altos Estudos da América Latina (Iheal) e presidente da Associação para a Pesquisa sobre o Brasil na Europa (Arbre). Ela comenta como os brasilianistas franceses veem o julgamento em segunda instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorre na quarta-feira (24) em Porto Alegre.

Para Juliette Dumont, não há dúvidas: "há uma consciência de que esse julgamento tem uma base mais política do que judiciária". A professora e pesquisadora preside a Arbre, associação sediada em Paris que reúne brasilianistas de toda a Europa e promove a pesquisa em ciências humanas através de seminários e simpósios.

Segundo ela, a associação acompanha os acontecimentos políticos do Brasil "para tentar compreender essa crise que não é só política, mas também é econômica, social e moral". Um dos objetivos dos debates que promove é analisar o papel do Poder Judiciário no Brasil, que segundo ela, "teatralizou sua atuação". "Seu papel está sendo de um protagonismo muito forte. O Judiciário se tornou o poder que assumiu o destino do Brasil", reitera.

Por isso, para a historiadora, o combate à corrupção - bandeira assumida pelo Judiciário brasileiro -, mostra que também há um "lado obscuro". "Estamos tentando explicar que esse combate à corrupção não é algo exatamente positivo e reflete uma decomposição do sistema político brasileiro."

Semipresidencialismo é "semi-solução"

Juliette Dumont acredita que uma prova da necessidade de uma reforma “profunda” do sistema político brasileiro é, segundo ela, a tentativa de desviar a atenção da opinião pública em um delicado momento no país com propostas como a do semipresidencialismo. A ideia vem sendo defendida pelo presidente Michel Temer e pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes.

"O semipresidencialismo é uma semi-solução. É uma resposta do PMDB e da direita brasileira que, por enquanto, não têm um verdadeiro candidato [para as eleições de outubro]. Então seria uma maneira de conservar o poder, sem dizer que se está negando a democracia e as eleições presidenciais", afirma.

De acordo com a historiadora, a crise das democracias representativas, protagonizada por boa parte dos países ocidentais atualmente, dificulta as projeções dos brasilianistas para o futuro. "Mas como são dinâmicas globais, as soluções também vão emergir globalmente", prevê. Como exemplo de fenômenos vividos em conjunto, ela cita a ascensão nas Américas e na Europa de movimentos conservadores e da extrema-direita - no Brasil, representada pela figura de Jair Bolsonaro.

Juliette Dumont destaca os encontros promovidos por movimentos e lideranças da esquerda brasileira, latinoamericana, norte-americana e europeia. "É ampliando esse diálogo que poderemos avaliar de maneira global os desafios deste século 21, tanto politicamente como economicamente. Se há uma expectativa é a de diálogo, para podermos enxergar um futuro e sair deste impasse", finaliza.

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Psicóloga brasileira publica na França livro sobre terapia sistêmica individual

“Desigualdade não diminuiu tanto assim nos anos 2000”, diz pesquisador do IPEA