rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Paulo Sérgio Pinheiro critica desprezo de diversos países da ONU com a população síria

Por Taise Parente

Sete anos de guerra na Síria e a paz parece um sonho distante. Enquanto isso no Brasil, a violência alcança novos níveis e a crise política dificulta soluções. Paulo Sérgio Pinheiro, relator da ONU e membro do Centro para o Estudo da Violência da USP comenta as dificuldades vividas pelas sociedades Síria e Brasileira. Pinheiro esteve em Paris para participar de uma conferência sobre os atores do conflito sírio na quinta-feira (25).

Um dia após um novo ataque químico contra a população civil síria, representantes de mais de 20 países decidiram, na terça-feira (24), processar e sancionar os responsáveis pelo uso de armas químicas na Síria. O Conselho de Segurança da ONU, no entanto, não chegou a um consenso no que diz respeito à investigação dos incidentes, que somaram mais de 130 entre 2012 e 2017. O Secretário de Estado americano, Rex Tillerson, atribui grande, se não toda, a responsabilidade à Rússia, que continua protegendo o governo sírio e vetando resoluções na ONU. No entanto, segundo Paulo Sérgio Pinheiro, presidente da Comissão Independente Internacional de Investigação sobre a Síria, não é justo colocar toda a responsabilidade da continuidade do conflito na Rússia.

"Evidentemente que houve vetos por parte da Rússia e da China, mas eles não são campeões de vetos no Conselho de Segurança", diz o relator da ONU. "Eu acho que a divisão entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança é a expressão da complexidade, da multiplicidade de frentes no conflito. Hoje a Rússia tem desempenhado um papel positivo nas negociações. Eu acho que a responsabilidade pela continuidade desta guerra e o desprezo total pela proteção da população civil é uma joint venture de muitos Estados membros da ONU," completou. 

A guerra na Síria, agora em seu sétimo ano, sempre foi complicada. Entre o governo repressivo de Bashar al-Assad apoiado pela Rússia e pelo Irã, a incursão turca em território controlado pela milícia curda no norte do país, o terror provocado pelo grupo Estado Islâmico... são muitos atores e muitas fontes de conflito, o que, segundo Pinheiro, sempre foi um dos maiores obstáculos para a paz na Síria. 

O relator, no entanto, se mostra otimista. "A nossa comissão sempre espera que esse momento de negociação ocorra e eu acho que nós estamos vivendo esse momento,"  disse Pinheiro. 

Quanto ao futuro do país, ainda é cedo para falar. "Primeiro é preciso que efetivamente cessem os combates, depois os termos da negociação propriamente dita. E no final, como houve em muitas outras transições depois de conflitos, você tem a reconciliação nacional e o que não deve faltar é atender as expectativas da população em relação a alguns temas, como onde estão os desaparecidos, quantos são os que estão detidos. A população precisa saber disso."

Um homem machucado é carregado após um ataque aéreo na cidade de Arbin, perto da capital da Siria, Damasco, em 2 de janeiro 2018. ABDULMONAM EASSA / AFP

Violência no Brasil é fruto de sociedade desigual

Pinheiro, que também é membro do Centro para o Estudo da Violência da Universidade de São Paulo também deu sua opinião sobre a violência no Brasil. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os mais de 61 mil assassinatos cometidos em 2016 no Brasil equivalem, em números, às mortes provocadas pela explosão da bomba nuclear que dizimou a cidade de Nagasaki, em 1945, no Japão. 

Outro grande problema da segurança pública brasileira são os crimes envolvendo policiais. Segundo um relatório publicado pela Human Rights Watch na última quinta-feira (18), 453 policiais civis e militares foram vítimas de homicídio em 2016, um aumento de 23% comparado a 2015. Em contrapartida, a polícia matou pelo menos 4.224 pessoas - em sua maioria homens negros de até 29 anos - em 2016, cerca de 26% mais do que em 2015. Uma situação que segundo Pinheiro é fruto de uma sociedade profundamente desigual. 

"O problema é que nenhum dos governos democráticos, apesar de todos terem tidos alguma iniciativa, realmente assumiu essa questão. É como se o executivo não tivesse a responsabilidade de administrar o monopólio legítimo da violência. Enquanto isso não for quebrado a democracia não vai funcionar, no que diz respeito ao funcionamento das agências represivas."

Pinheiro afirma ainda que a situação dos direitos humanos no Brasil está pior que nunca, já que esta não é uma prioridade do governo Temer. Ele afirma, no entanto, que espera que a situação mude após as eleições presidenciais deste ano. 

Democracia não está consolidada no Brasil

A eleição presidencial é outra área complicada. Jair Bolsonaro e Lula têm liderado as últimas pesquisas de intenção de voto, o que pode mudar drasticamente se o ex-presidente for impedido de concorrer às eleições após sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo Pinheiro este é um quadro preocupante. 

"Evidentemente se esse quadro eleitoral se configurar sem a presença do ex-presidente Lula, certamente o futuro presidente não terá legitimidade para governar. É um problema que é percebido não só aqui na França, como no mundo todo, como uma situação extremamente preocupante para a democracia brasileira," diz Pinheiro. "Nós pensávamos que depois do retorno à democracia em 1975, com o governo civil, a democracia entrava em velocidade de cruzeiro para ser consolidada, mas nós estávamos enganados. Com o impeachment e com o atual governo ficou demonstrado que a democracia não está ainda consolidada no Brasil," completa.  
 

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Psicóloga brasileira publica na França livro sobre terapia sistêmica individual

“Desigualdade não diminuiu tanto assim nos anos 2000”, diz pesquisador do IPEA