rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Carnaval revela essência da sociedade brasileira, diz antropólogo Roberto DaMatta

Por Márcia Bechara

Ele é professor titular de Antropologia Social do Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e professor emérito da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos. O RFI Convida nesta segunda-feira (12) o antropólogo Roberto DaMatta, autor, entre outros, do livro “Carnavais, malandros e heróis”.

(Para ouvir a entrevista na íntegra com o antropólogo Roberto DaMatta, clique na foto acima)

“O carnaval de certo modo revela o fundo da sociedade brasileira”, diz o antropólogo Roberto DaMatta. "Ele inverte, traz o fundo do poço para cima, como virar uma bolsa de cabeça para baixo ou uma roupa do avesso”. Na sociedade brasileira, “onde tudo é proibido”, Roberto afirma que momentos de liberação sempre se fizeram necessários. “[O Brasil é] uma sociedade que teve também reis, imperadores, que teve uma aristocracia pesadíssima com escravidão negra, uma sociedade que é patronal, familística, e que, como em quase todas as sociedades tradicionais, estavam inscritos na dinâmica destas sociedades determinados momentos orgiásticos, onde se podia fazer tudo", diz.

"Evidentemente está acontecendo uma mudança, é popular. E popular no Brasil não tem a ver com cidadania, como no caso francês – foi o povo quem fez a Revolução Francesa", afirma. "Acho que nos últimos anos a ênfase na escola de samba diminuiu, e acho que vai diminuir mais, por causa do problema com a política, o populismo”, avalia o especialista.

“Não haverá mais dinheiro para distribuir para a escola de samba, e esse carnaval que aparece nos blocos, um carnaval atomizado como sempre foi – várias coisas acontecendo ao mesmo tempo – tira a centralidade das escolas de samba, o que é uma mudança razoável", diz o antropólogo.

A politização da avenida em 2018

“O que acontece neste carnaval, mais claro ainda que no ano passado, é que, com a expansão de uma ética igualitária e dos novos dilemas que se colocam em uma sociedade democrática, com liberdade conjugada com igualdade, aparece o chamado politicamente correto dentro desta nova ética, muito falado no Brasil”, analisa DaMatta.

“Existe hoje um controle das músicas e da própria propaganda do carnaval. A nudez feminina começa a ser controlada, pois não se pode mais mostrar a mulher como objeto sexual. E os elementos políticos de diversos matizes começam a aparecer também nos desfiles e nos enredos das escolas de samba, como apareciam de uma outra maneira durante o regime militar, onde então se mostrava uma sensualidade ou uma sexualidade mais explícita, que ofendia a moral da classe média daquela época, e sobretudo da direita brasileira que estava no governo”, pontua.

“Lagerfeld era o camaleão da moda”, lembra estilista brasileiro Gustavo Lins

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego