rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Carnaval revela essência da sociedade brasileira, diz antropólogo Roberto DaMatta

Por Márcia Bechara

Ele é professor titular de Antropologia Social do Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e professor emérito da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos. O RFI Convida nesta segunda-feira (12) o antropólogo Roberto DaMatta, autor, entre outros, do livro “Carnavais, malandros e heróis”.

(Para ouvir a entrevista na íntegra com o antropólogo Roberto DaMatta, clique na foto acima)

“O carnaval de certo modo revela o fundo da sociedade brasileira”, diz o antropólogo Roberto DaMatta. "Ele inverte, traz o fundo do poço para cima, como virar uma bolsa de cabeça para baixo ou uma roupa do avesso”. Na sociedade brasileira, “onde tudo é proibido”, Roberto afirma que momentos de liberação sempre se fizeram necessários. “[O Brasil é] uma sociedade que teve também reis, imperadores, que teve uma aristocracia pesadíssima com escravidão negra, uma sociedade que é patronal, familística, e que, como em quase todas as sociedades tradicionais, estavam inscritos na dinâmica destas sociedades determinados momentos orgiásticos, onde se podia fazer tudo", diz.

"Evidentemente está acontecendo uma mudança, é popular. E popular no Brasil não tem a ver com cidadania, como no caso francês – foi o povo quem fez a Revolução Francesa", afirma. "Acho que nos últimos anos a ênfase na escola de samba diminuiu, e acho que vai diminuir mais, por causa do problema com a política, o populismo”, avalia o especialista.

“Não haverá mais dinheiro para distribuir para a escola de samba, e esse carnaval que aparece nos blocos, um carnaval atomizado como sempre foi – várias coisas acontecendo ao mesmo tempo – tira a centralidade das escolas de samba, o que é uma mudança razoável", diz o antropólogo.

A politização da avenida em 2018

“O que acontece neste carnaval, mais claro ainda que no ano passado, é que, com a expansão de uma ética igualitária e dos novos dilemas que se colocam em uma sociedade democrática, com liberdade conjugada com igualdade, aparece o chamado politicamente correto dentro desta nova ética, muito falado no Brasil”, analisa DaMatta.

“Existe hoje um controle das músicas e da própria propaganda do carnaval. A nudez feminina começa a ser controlada, pois não se pode mais mostrar a mulher como objeto sexual. E os elementos políticos de diversos matizes começam a aparecer também nos desfiles e nos enredos das escolas de samba, como apareciam de uma outra maneira durante o regime militar, onde então se mostrava uma sensualidade ou uma sexualidade mais explícita, que ofendia a moral da classe média daquela época, e sobretudo da direita brasileira que estava no governo”, pontua.

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país