rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“O Brasil tem o voto obrigatório, mas não tem o incentivo ao debate político”, diz jornalista

Por Paloma Varón

Maria Paula Carvalho é jornalista especializada em política, escritora, autora de dois livros, sendo que o mais recente “Brasil, a Reconstrução”, foi lançado em fevereiro em Paris. O livro, um grande trabalho de reportagem que nasceu de uma tese de mestrado na Universidade de Columbia, em Nova York, aborda a conjuntura atual do Brasil, a crise político-econômica e a busca por novas lideranças.

“O livro nasceu da minha inquietude como brasileira, como jornalista, de sempre ouvir dizer que o nosso país é o país do futuro, mas que nunca chega lá. Eu segui o meu faro de repórter, fui atrás de responder algumas questões que me intrigavam, por exemplo, na economia: por que os desafio econômico não havia sido resolvido, embora tenhamos tidos governos mais progressistas, ou mais conservadores, o debate econômico nunca foi resolvido”, conta.

Outras questões, como a manutenção da desigualdade, a fizeram entrar no tema de cabeça.

“Embora a gente tenha tido melhoras na redução da pobreza, o Brasil continua sendo um dos países com o maior índice de desigualdade do mundo. A população brasileira sofre enormemente. Qual é o tipo de crescimento que a gente quer para o nosso país? Quem são as pessoas que estão pensando o Brasil? A questão de um crescimento sustentável, a nossa responsabilidade com a natureza, que tipo de Brasil nós queremos construir?”, questiona.

Segundo Carvalho, a inspiração deste trabalho vem da afirmação de Joseph Pulitzer, de que o jornalismo é um serviço público, o jornalismo está voltado para a comunidade e explica a sociedade.

“Eu quis escrever alguma coisa para ajudar as pessoas a entenderem o momento em que o Brasil vive, afinal de contas a gente teve muitos motivos para acreditar no Brasil. Nós nos tornamos o B dos BRICS, nós começamos a combater pobreza e desigualdade, nós controlamos a inflação, a gente descobriu reservas grandiosas de petróleo que nos colocaram numa posição vantajosa em termos de energia… e mais uma vez veio uma decepção”, lamenta.

“O Brasil que crescia 7,5% em 2010 e que era um foguete, segundo a capa da revista The Economist, acabou caindo por terra como o mito de Ícaro, como escreveu o Matthew Taylor, que é um professor da American University na apresentação do meu livro”, observa.

Papel do jornalista

Para ela, o papel do jornalista é ser o watchdog (o cão de guarda) da sociedade, aquele que está de olho nos outros poderes para apurar o que há de errado e sugerir caminhos.

“O jornalista checa, identifica o que está errado, apresenta soluções. O meu livro não aponta que ‘o Brasil vai crescer se ele fizer exatamente isso’, ele aponta possibilidades, caminhos, a partir das pessoas que eu entrevistei”, conta ela, que diz ter batido de porta em porta para entrevistar os principais personagens do tecido político brasileiro “para saber por que não avançamos como gostaríamos nas áreas social e econômica”.

“Também me interessa muito saber como que a sociedade está disposta e se está disposta a trabalhar para realmente ter o país que ela busca, ter o país que ela deseja”, diz ela, sobre a responsabilidade de cada cidadão.

Grande mídia

Maria Paula Carvalho tem mais de 20 anos de experiência em reportagem de rua, na Rede Globo, na RBS, mas também na TVE, e acha que a mídia tem um papel extremamente importante, apesar de reconhecer o oligopólio da grande mídia brasileira.

“Eu acredito especialmente no papel do jornalista como um ator social importante para a sociedade. O jornalista não pode ser calado. A gente teve 30 anos de ditadura em que era muito difícil falar de política, em que você arriscava mesmo a sua vida se você fosse colocar os assuntos importantes em voga”.

“Felizmente, após 30 anos de democracia, a gente está num momento em que os jornalistas têm voz, em que a sociedade tem voz, em razão das mídias sociais, e quanto maior debate, melhor. O Brasil vive uma dicotomia em que você tem o voto obrigatório, mas não tem o incentivo ao debate político”, diz ela, comparando com a França, onde o debate acontece o tempo todo; em todas as esferas.

“O meu sonho é que o Brasil tenha mais debate político e é por isso que eu escrevi este livro”, conclui.

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci

Congresso será a maior dificuldade para aprovar medidas contra a corrupção, diz fundador da ONG Contas Abertas

“Brasil poderá crescer até 3,5% em 2019 se aprovar reformas”, afirma economista