rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Era fundamental que ocorresse intervenção militar no Rio", diz presidente da Firjan

Por Márcia Bechara

Durante sua passagem por Paris, onde participa de um evento com empresários franceses na Câmara de Comércio do Brasil na França, o presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouveia Vieira, voltou a defender a intervenção militar no Rio de Janeiro e avaliou com otimismo a situação econômica do Brasil. O evento, que acontece na sede da Embaixada Brasileira, na capital francesa, visa estimular, durante três dias, parcerias comerciais estratégicas entre os dois países.

"No fundo, o que a Câmara procura, é mostrar aos investidores estrangeiros, especificamente os franceses, como está o Brasil", disse o empresário sobre a pauta do evento na capital francesa. "Não é fácil uma sociedade francesa que não tenha operações históricas no Brasil entender os nossos últimos anos, tanto na economia, quanto na questão política", relata.

Para Vieira, "é preciso mostrar que o Brasil tem um potencial de desenvolvimento muito maior do que a Europa, por exemplo. Poucos lugares do mundo têm esse potencial". "Nós tivemos um passivo de crescimento muito modesto, e um decréscimo em função de políticas equivocadas. Agora, o país voltou ao caminho correto", avalia.

"Os investidores encontram um país grande, de 200 milhões de consumidores, um país que não tem lutas internas, que não tem problemas de raça, problemas de religião, não temos terrorismo, temos outras mazelas", diz o empresário.

Desigualdades e intervenção militar

Perguntado sobre a violência interreligiosa e o racismo estrutural da sociedade brasileira, ele diz que "é verdade que os jovens pobres de cor são mais vulneráveis do que os jovens pobres brancos.Isso, em termos estatísticos. Nós temos uma desigualdade importante. Só podemos tentar neutralizar essa desigualdade se tivermos renda e emprego, não podemos continuar com essa taxa de mais de 12% de desemprego", contemporiza Vieira.

"A reforma do trabalho vai melhorar [essa situação]. Para crescer mais, precisamos da reforma da Previdência, que já está encaminhada para ser votada", analisa o presidente da Firjan.

Sobre a intervenção militar em curso no Rio de Janeiro, o empresário diz que prefere não entrar no mérito político que a motivou. "No entanto, era fundamental que ela ocorresse [a intervenção]. (...) Parte da equipe política que dirige o Rio está presa. É o mesmo grupo político que já dirigiu o Estado há alguns anos.O governo do Rio não tinha a menor moral de ir ao encontro dos anseios da sociedade no sentido de combater o crime", afirma.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo:

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa