rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Era fundamental que ocorresse intervenção militar no Rio", diz presidente da Firjan

Por Márcia Bechara

Durante sua passagem por Paris, onde participa de um evento com empresários franceses na Câmara de Comércio do Brasil na França, o presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouveia Vieira, voltou a defender a intervenção militar no Rio de Janeiro e avaliou com otimismo a situação econômica do Brasil. O evento, que acontece na sede da Embaixada Brasileira, na capital francesa, visa estimular, durante três dias, parcerias comerciais estratégicas entre os dois países.

"No fundo, o que a Câmara procura, é mostrar aos investidores estrangeiros, especificamente os franceses, como está o Brasil", disse o empresário sobre a pauta do evento na capital francesa. "Não é fácil uma sociedade francesa que não tenha operações históricas no Brasil entender os nossos últimos anos, tanto na economia, quanto na questão política", relata.

Para Vieira, "é preciso mostrar que o Brasil tem um potencial de desenvolvimento muito maior do que a Europa, por exemplo. Poucos lugares do mundo têm esse potencial". "Nós tivemos um passivo de crescimento muito modesto, e um decréscimo em função de políticas equivocadas. Agora, o país voltou ao caminho correto", avalia.

"Os investidores encontram um país grande, de 200 milhões de consumidores, um país que não tem lutas internas, que não tem problemas de raça, problemas de religião, não temos terrorismo, temos outras mazelas", diz o empresário.

Desigualdades e intervenção militar

Perguntado sobre a violência interreligiosa e o racismo estrutural da sociedade brasileira, ele diz que "é verdade que os jovens pobres de cor são mais vulneráveis do que os jovens pobres brancos.Isso, em termos estatísticos. Nós temos uma desigualdade importante. Só podemos tentar neutralizar essa desigualdade se tivermos renda e emprego, não podemos continuar com essa taxa de mais de 12% de desemprego", contemporiza Vieira.

"A reforma do trabalho vai melhorar [essa situação]. Para crescer mais, precisamos da reforma da Previdência, que já está encaminhada para ser votada", analisa o presidente da Firjan.

Sobre a intervenção militar em curso no Rio de Janeiro, o empresário diz que prefere não entrar no mérito político que a motivou. "No entanto, era fundamental que ela ocorresse [a intervenção]. (...) Parte da equipe política que dirige o Rio está presa. É o mesmo grupo político que já dirigiu o Estado há alguns anos.O governo do Rio não tinha a menor moral de ir ao encontro dos anseios da sociedade no sentido de combater o crime", afirma.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo:

“Em tempos de segregação no Brasil, jovens são os mais atacados”, diz professor em Paris

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris