rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Feminismo é um projeto nacional de sociedade”, diz filósofa Djamila Ribeiro

Por Márcia Bechara

O RFI Convida nesta quinta-feira, 8 de março, a filósofa e mestra em Filosofia Política pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Djamila Ribeiro. Autora do livro “O que é Lugar de Fala”, lançado no fim de 2017 pelo Grupo Editorial Livramento, Djamila se tornou nos últimos anos uma das principais vozes do movimento feminista brasileiro, multiplicando análises e participações em programas de TV. Ela falou sobre as conquistas do movimento feminista, e sobre a violência e a desigualdade contra mulheres no Brasil.

*Clique na imagem acima para ouvir a entrevista na íntegra

A quinta-feira na França é marcada por uma greve geral convocada pelas mulheres para protestar contra a diferença salarial de 25% entre homens e mulheres no país. Será que existem motivos para comemorar o Dia Internacional [de Luta pelos Direitos] da Mulher? Djamila Ribeiro acredita que “ainda temos muito trabalho pela frente, sobretudo no período de retrocesso em que a gente vive, não só no Brasil, mas também na América Latina e outros países do mundo”.

“O 8 de março ainda precisa ser lembrado como uma data de luta, não uma data só para homenagear as mulheres de maneira simplista. Ser mulher numa sociedade machista ainda significa receber menos. Em média, no Brasil, mulheres brancas recebem 30% a menos do que os homens, uma porcentagem que chega a 70% no caso de mulheres negras”, avalia a filósofa.

Os números da violência contra mulheres no Brasil

Djamila discorre também sobre os impressionantes números da violência contra mulheres no país. “Aqui no Brasil a cada 11 minutos uma mulher é estuprada, a cada cinco uma mulher é agredida pelo companheiro. Infelizmente, não temos muito o que comemorar. É um momento de conscientização, de trabalhar, como temos feito historicamente, de conscientizar as mulheres a pressionar o poder público para considerar as mulheres como sujeitos de direitos de fato”, lembra.

Autora do livro “O que é Lugar de Fala”, a filósofa explica o conceito, aplicado à realidade feminina. “Quando a gente aborda o lugar de fala, estamos nos referindo sobretudo ao lugar que as mulheres ocupam na sociedade. O fato de sermos mulheres no Brasil faz a gente ser colocada em lugar de vulnerabilidade, e combinam-se opressões: se é mulher negra, se é mulher lésbica. São opressões históricas que criam desigualdades e criam barreiras estruturais para que a gente possa existir em determinados espaços”, explica.

“Tivemos políticas importantes nos últimos governos, na área da Educação, sobretudo, para que pudéssemos adentrar determinados espaços. Mas, no atual momento de retrocesso brasileiro, vemos essas conquistas serem minadas”, analisa.

Perspectivas do feminismo contemporâneo

“O movimento de luta não é um movimento homogêneo”, recorda a filósofa. O feminismo é um movimento muito diverso, com várias vertentes e correntes de pensamento. “Não necessariamente as feministas devem concordar entre si o tempo todo, muito pelo contrário. Tudo depende da perspectiva ideológica. Nos últimos anos vem crescendo cada vez mais uma corrente de pensar intersecções, que mulheres não são blocos únicos, mulheres combinam e entrecruzam opressões, e que pensar feminismo é um projeto nacional de fato", afirma.

“Quando pensamos em questões estruturais como raça, classe, gênero, entre outras, estamos discutindo um projeto de sociedade. Nenhum tipo de opressão pode ser validado. Quando pensamos num projeto, pensamos num projeto para todos e todas, não só necessariamente para as mulheres”, aponta Djamila Ribeiro.

“Quando eu discuto raça, eu necessariamente englobo os homens dentro dessa questão. Não dá para lutar contra uma opressão e reforçar outra, porque isso significaria alimentar as mesmas estruturas”, afirma. “Vejo com muita alegria a conclusão dessa nova geração de feministas que reafirma a necessidade de pensar um projeto de fato e parar com a lógica de validar opressões quando convém, ou só lutar contra aquelas que te atingem, pensando de uma maneira mais ampla, de fato”, conclui a filósofa.

“Em tempos de segregação no Brasil, jovens são os mais atacados”, diz professor em Paris

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris