rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"No Brasil, há um sentimento falso de reconciliação nacional", diz escritor Julián Fuks

Por Adriana Brandão

O processo de adoção do irmão em meio à fuga dos pais da ditadura militar argentina, bem como sua chegada no Brasil, são os temas centrais de "A Resistência", premiado livro de Julián Fuks, traduzido para o francês e lançado no Salão do Livro de Paris. 

O romance, reconhecido com o prêmio Jabuti em 2016 e o prêmio Saramago em 2017, é o quarto livro do autor e o primeiro a ser traduzido para o francês. Filho de pais argentinos, o jornalista, escritor e doutor em Literatura pela USP, diz que o livro explora diversos tipos de resistência, daí seu nome. "Eu tinha vontade de falar de muitas resistências, não só à ditadura militar, mas também ao convívio familiar por parte desse irmão adotivo que é o centro do livro e a resistência do narrador em contar esse história."

Fuks também explica que "Ni partir, ni rester" ("Nem ir, nem ficar"), no título em francês, está próximo da auto-ficção. "São elementos autobiográficos evidentes, mas a ficção se constrói mesmo assim. Na tentativa de recuperar essas histórias, o ato de reconstruir com palavras essas histórias é sempre uma deturpação, uma transformação. É impossível conceber esse livro como uma autobiografia,  também porque fala muito mais de outros do que de mim. A história é muito mais centrada na figura do meu irmão, como se fosse uma busca identitária dessa figura do irmão, da questão da adoção, desse passado que é preciso refletir, buscar, devassar."

Brasil e Argentina lidam de formas diferentes com a história

O livro também aborda a decisão dos pais de Fuks de fugir da ditadura militar na Argentina em 1976 e ir viver no Brasil, um país que, então, também vivia uma ditadura. Livros de ficção sobre esse período da história são cada vez mais populares, no entanto, o questionamento e a reação a essas obras não é igual nos dois países. Segundo Fuks, isso se deve ao fato de que Brasil e Argentina terem culturas muito distintas na forma de lidar com a memória e a história do país. 

"A Argentina faz uma análise minuciosa do seu passado, insiste em olhar para aquilo que passou e refletir. Os responsáveis pelos crimes da ditadura na Argentina foram julgados e presos. No Brasil, a situação é muito diversa. Temos o que, no seu momento, teve muita importância: a anistia ampla, geral e irrestrita, mas que depois se tornou algo completamente infame porque os crimes da ditadura ficaram impunes," diz Fuks.

O autor continua, criticando a forma com que o Brasil lida com os anos da ditadura. Segundo Fuks, há um sentimento falso de reconciliação nacional que acaba tendo consequências no momento que o país vive hoje. 

"Há uma proposta de que devemos nos conciliar com nosso passado do jeito que ele está e aceitar que as coisas foram assim e pronto. E isso acaba resultando na reverberação constante desse autoritarismo. Hoje a gente vê pessoas defendendo o retorno da ditadura militar, defendendo a intervenção militar, como vemos no Rio de Janeiro. A gente percebe que há uma falta de reflexão sobre esse passado," explica. 

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna