rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tiros são ouvidos na estação central de Colônia na Alemanha; há um refém, segundo a polícia
RFI CONVIDA
rss itunes

"No Brasil, há um sentimento falso de reconciliação nacional", diz escritor Julián Fuks

Por Adriana Brandão

O processo de adoção do irmão em meio à fuga dos pais da ditadura militar argentina, bem como sua chegada no Brasil, são os temas centrais de "A Resistência", premiado livro de Julián Fuks, traduzido para o francês e lançado no Salão do Livro de Paris. 

O romance, reconhecido com o prêmio Jabuti em 2016 e o prêmio Saramago em 2017, é o quarto livro do autor e o primeiro a ser traduzido para o francês. Filho de pais argentinos, o jornalista, escritor e doutor em Literatura pela USP, diz que o livro explora diversos tipos de resistência, daí seu nome. "Eu tinha vontade de falar de muitas resistências, não só à ditadura militar, mas também ao convívio familiar por parte desse irmão adotivo que é o centro do livro e a resistência do narrador em contar esse história."

Fuks também explica que "Ni partir, ni rester" ("Nem ir, nem ficar"), no título em francês, está próximo da auto-ficção. "São elementos autobiográficos evidentes, mas a ficção se constrói mesmo assim. Na tentativa de recuperar essas histórias, o ato de reconstruir com palavras essas histórias é sempre uma deturpação, uma transformação. É impossível conceber esse livro como uma autobiografia,  também porque fala muito mais de outros do que de mim. A história é muito mais centrada na figura do meu irmão, como se fosse uma busca identitária dessa figura do irmão, da questão da adoção, desse passado que é preciso refletir, buscar, devassar."

Brasil e Argentina lidam de formas diferentes com a história

O livro também aborda a decisão dos pais de Fuks de fugir da ditadura militar na Argentina em 1976 e ir viver no Brasil, um país que, então, também vivia uma ditadura. Livros de ficção sobre esse período da história são cada vez mais populares, no entanto, o questionamento e a reação a essas obras não é igual nos dois países. Segundo Fuks, isso se deve ao fato de que Brasil e Argentina terem culturas muito distintas na forma de lidar com a memória e a história do país. 

"A Argentina faz uma análise minuciosa do seu passado, insiste em olhar para aquilo que passou e refletir. Os responsáveis pelos crimes da ditadura na Argentina foram julgados e presos. No Brasil, a situação é muito diversa. Temos o que, no seu momento, teve muita importância: a anistia ampla, geral e irrestrita, mas que depois se tornou algo completamente infame porque os crimes da ditadura ficaram impunes," diz Fuks.

O autor continua, criticando a forma com que o Brasil lida com os anos da ditadura. Segundo Fuks, há um sentimento falso de reconciliação nacional que acaba tendo consequências no momento que o país vive hoje. 

"Há uma proposta de que devemos nos conciliar com nosso passado do jeito que ele está e aceitar que as coisas foram assim e pronto. E isso acaba resultando na reverberação constante desse autoritarismo. Hoje a gente vê pessoas defendendo o retorno da ditadura militar, defendendo a intervenção militar, como vemos no Rio de Janeiro. A gente percebe que há uma falta de reflexão sobre esse passado," explica. 

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer