rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"No Brasil, há um sentimento falso de reconciliação nacional", diz escritor Julián Fuks

Por Adriana Brandão

O processo de adoção do irmão em meio à fuga dos pais da ditadura militar argentina, bem como sua chegada no Brasil, são os temas centrais de "A Resistência", premiado livro de Julián Fuks, traduzido para o francês e lançado no Salão do Livro de Paris. 

O romance, reconhecido com o prêmio Jabuti em 2016 e o prêmio Saramago em 2017, é o quarto livro do autor e o primeiro a ser traduzido para o francês. Filho de pais argentinos, o jornalista, escritor e doutor em Literatura pela USP, diz que o livro explora diversos tipos de resistência, daí seu nome. "Eu tinha vontade de falar de muitas resistências, não só à ditadura militar, mas também ao convívio familiar por parte desse irmão adotivo que é o centro do livro e a resistência do narrador em contar esse história."

Fuks também explica que "Ni partir, ni rester" ("Nem ir, nem ficar"), no título em francês, está próximo da auto-ficção. "São elementos autobiográficos evidentes, mas a ficção se constrói mesmo assim. Na tentativa de recuperar essas histórias, o ato de reconstruir com palavras essas histórias é sempre uma deturpação, uma transformação. É impossível conceber esse livro como uma autobiografia,  também porque fala muito mais de outros do que de mim. A história é muito mais centrada na figura do meu irmão, como se fosse uma busca identitária dessa figura do irmão, da questão da adoção, desse passado que é preciso refletir, buscar, devassar."

Brasil e Argentina lidam de formas diferentes com a história

O livro também aborda a decisão dos pais de Fuks de fugir da ditadura militar na Argentina em 1976 e ir viver no Brasil, um país que, então, também vivia uma ditadura. Livros de ficção sobre esse período da história são cada vez mais populares, no entanto, o questionamento e a reação a essas obras não é igual nos dois países. Segundo Fuks, isso se deve ao fato de que Brasil e Argentina terem culturas muito distintas na forma de lidar com a memória e a história do país. 

"A Argentina faz uma análise minuciosa do seu passado, insiste em olhar para aquilo que passou e refletir. Os responsáveis pelos crimes da ditadura na Argentina foram julgados e presos. No Brasil, a situação é muito diversa. Temos o que, no seu momento, teve muita importância: a anistia ampla, geral e irrestrita, mas que depois se tornou algo completamente infame porque os crimes da ditadura ficaram impunes," diz Fuks.

O autor continua, criticando a forma com que o Brasil lida com os anos da ditadura. Segundo Fuks, há um sentimento falso de reconciliação nacional que acaba tendo consequências no momento que o país vive hoje. 

"Há uma proposta de que devemos nos conciliar com nosso passado do jeito que ele está e aceitar que as coisas foram assim e pronto. E isso acaba resultando na reverberação constante desse autoritarismo. Hoje a gente vê pessoas defendendo o retorno da ditadura militar, defendendo a intervenção militar, como vemos no Rio de Janeiro. A gente percebe que há uma falta de reflexão sobre esse passado," explica. 

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista