rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Maio de 68 no Brasil começou em março de 68”, diz historiadora

Por Adriana Moysés

O Instituto de Altos Estudos da América Latina (IHEAL), em Paris, organiza nesta quinta-feira (29), um colóquio a respeito do ano de 1968 na América Latina. O objetivo é debater se houve a influência do Maio de 68 francês na região.

Para a historiadora Angélica Müller, da Universidade Federal Fluminense, em Niterói, e professora convidada do IHEAL, o encontro vai justamente mostrar “que a América Latina tem conjuntura e causas próprias, levando à eclosão de diversos movimentos, que são inclusive encampados pela juventude, como nos casos argentino, chileno e brasileiro”.

“Existe uma visão muito francesa de que Maio de 68 influenciou o restante do mundo, quando na verdade, e o próprio caso brasileiro demonstra, o nosso maio não acontece em maio, o nosso maio acontece em março”, explica a historiadora. “A ditadura vinha desde 1964 colocando o movimento estudantil organizado na ilegalidade, os estudantes vinham demonstrando uma resistência ao governo militar, isso já cresce em 1967, mas é em março de 1968, com a morte de um estudante secundarista, Edson Luís, pela polícia, no restaurante Calabouço, no Rio, que vão começar as grandes manifestações do 68 brasileiro”, acrescenta Müller.

Desdobramentos

Para a professora da UFF, o contexto político na América Latina era muito mais grave do que que os detonadores da rebelião estudantil na França. “Os desdobramentos culturais vieram a posteriori. O evento abre uma certa perspectiva. No caso latino-americano, as guerras de libertação nacional têm muita importância, incluindo a interferência americana no Vietnã, mas principalmente o impacto da revolução cubana de 1959”, explica Angélica.

“A França tinha um contexto próprio. Em questão de libertação nacional, havia o caso da Argélia, que estava fervendo. Há leituras que colocam o maio francês muito mais para uma onda de mudanças culturais, o que não é verdade, pois havia toda uma questão da era gaullista que estava em jogo. Havia aumento do desemprego e os estudantes estavam insatisfeitos com a maneira como estavam sendo encaminhadas as questões universitárias. Havia sem dúvida uma questão pela liberdade, pela autogestão, que é a grande bandeira francesa”, opina a historiadora.

Calendário diferente

Para Angélica Müller, o “momento 68” na América Latina, sobretudo no Brasil, “veio de maneira diferente”. Ela fala também em “anos 68”, que extrapolam o ano calendário: “No Brasil, 1968 é um ano calendário com uma pauta extremamente politizada, por conta da ditadura. E o AI 5 termina 1968 impondo a censura, o fim do habeas corpus, provocando uma modificação das ideias de resistência que vinham se pensando até aquele momento”.

“A agenda cultural, ou de modos, como a questão do feminismo, dos novos movimentos sociais, não estavam necessariamente na pauta do movimento estudantil” no Brasil, relata Angélica. “Basta pensar em alguns grupos guerrilheiros, que eram machistas e homofóbicos – período que vai até o início dos anos 1970, quando entra em cena esses novos movimentos sociais e uma nova esquerda”, conclui.

 

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra