rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Maio de 68 no Brasil começou em março de 68”, diz historiadora

Por Adriana Moysés

O Instituto de Altos Estudos da América Latina (IHEAL), em Paris, organiza nesta quinta-feira (29), um colóquio a respeito do ano de 1968 na América Latina. O objetivo é debater se houve a influência do Maio de 68 francês na região.

Para a historiadora Angélica Müller, da Universidade Federal Fluminense, em Niterói, e professora convidada do IHEAL, o encontro vai justamente mostrar “que a América Latina tem conjuntura e causas próprias, levando à eclosão de diversos movimentos, que são inclusive encampados pela juventude, como nos casos argentino, chileno e brasileiro”.

“Existe uma visão muito francesa de que Maio de 68 influenciou o restante do mundo, quando na verdade, e o próprio caso brasileiro demonstra, o nosso maio não acontece em maio, o nosso maio acontece em março”, explica a historiadora. “A ditadura vinha desde 1964 colocando o movimento estudantil organizado na ilegalidade, os estudantes vinham demonstrando uma resistência ao governo militar, isso já cresce em 1967, mas é em março de 1968, com a morte de um estudante secundarista, Edson Luís, pela polícia, no restaurante Calabouço, no Rio, que vão começar as grandes manifestações do 68 brasileiro”, acrescenta Müller.

Desdobramentos

Para a professora da UFF, o contexto político na América Latina era muito mais grave do que que os detonadores da rebelião estudantil na França. “Os desdobramentos culturais vieram a posteriori. O evento abre uma certa perspectiva. No caso latino-americano, as guerras de libertação nacional têm muita importância, incluindo a interferência americana no Vietnã, mas principalmente o impacto da revolução cubana de 1959”, explica Angélica.

“A França tinha um contexto próprio. Em questão de libertação nacional, havia o caso da Argélia, que estava fervendo. Há leituras que colocam o maio francês muito mais para uma onda de mudanças culturais, o que não é verdade, pois havia toda uma questão da era gaullista que estava em jogo. Havia aumento do desemprego e os estudantes estavam insatisfeitos com a maneira como estavam sendo encaminhadas as questões universitárias. Havia sem dúvida uma questão pela liberdade, pela autogestão, que é a grande bandeira francesa”, opina a historiadora.

Calendário diferente

Para Angélica Müller, o “momento 68” na América Latina, sobretudo no Brasil, “veio de maneira diferente”. Ela fala também em “anos 68”, que extrapolam o ano calendário: “No Brasil, 1968 é um ano calendário com uma pauta extremamente politizada, por conta da ditadura. E o AI 5 termina 1968 impondo a censura, o fim do habeas corpus, provocando uma modificação das ideias de resistência que vinham se pensando até aquele momento”.

“A agenda cultural, ou de modos, como a questão do feminismo, dos novos movimentos sociais, não estavam necessariamente na pauta do movimento estudantil” no Brasil, relata Angélica. “Basta pensar em alguns grupos guerrilheiros, que eram machistas e homofóbicos – período que vai até o início dos anos 1970, quando entra em cena esses novos movimentos sociais e uma nova esquerda”, conclui.

 

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB