rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Maio de 68 no Brasil começou em março de 68”, diz historiadora

Por Adriana Moysés

O Instituto de Altos Estudos da América Latina (IHEAL), em Paris, organiza nesta quinta-feira (29), um colóquio a respeito do ano de 1968 na América Latina. O objetivo é debater se houve a influência do Maio de 68 francês na região.

Para a historiadora Angélica Müller, da Universidade Federal Fluminense, em Niterói, e professora convidada do IHEAL, o encontro vai justamente mostrar “que a América Latina tem conjuntura e causas próprias, levando à eclosão de diversos movimentos, que são inclusive encampados pela juventude, como nos casos argentino, chileno e brasileiro”.

“Existe uma visão muito francesa de que Maio de 68 influenciou o restante do mundo, quando na verdade, e o próprio caso brasileiro demonstra, o nosso maio não acontece em maio, o nosso maio acontece em março”, explica a historiadora. “A ditadura vinha desde 1964 colocando o movimento estudantil organizado na ilegalidade, os estudantes vinham demonstrando uma resistência ao governo militar, isso já cresce em 1967, mas é em março de 1968, com a morte de um estudante secundarista, Edson Luís, pela polícia, no restaurante Calabouço, no Rio, que vão começar as grandes manifestações do 68 brasileiro”, acrescenta Müller.

Desdobramentos

Para a professora da UFF, o contexto político na América Latina era muito mais grave do que que os detonadores da rebelião estudantil na França. “Os desdobramentos culturais vieram a posteriori. O evento abre uma certa perspectiva. No caso latino-americano, as guerras de libertação nacional têm muita importância, incluindo a interferência americana no Vietnã, mas principalmente o impacto da revolução cubana de 1959”, explica Angélica.

“A França tinha um contexto próprio. Em questão de libertação nacional, havia o caso da Argélia, que estava fervendo. Há leituras que colocam o maio francês muito mais para uma onda de mudanças culturais, o que não é verdade, pois havia toda uma questão da era gaullista que estava em jogo. Havia aumento do desemprego e os estudantes estavam insatisfeitos com a maneira como estavam sendo encaminhadas as questões universitárias. Havia sem dúvida uma questão pela liberdade, pela autogestão, que é a grande bandeira francesa”, opina a historiadora.

Calendário diferente

Para Angélica Müller, o “momento 68” na América Latina, sobretudo no Brasil, “veio de maneira diferente”. Ela fala também em “anos 68”, que extrapolam o ano calendário: “No Brasil, 1968 é um ano calendário com uma pauta extremamente politizada, por conta da ditadura. E o AI 5 termina 1968 impondo a censura, o fim do habeas corpus, provocando uma modificação das ideias de resistência que vinham se pensando até aquele momento”.

“A agenda cultural, ou de modos, como a questão do feminismo, dos novos movimentos sociais, não estavam necessariamente na pauta do movimento estudantil” no Brasil, relata Angélica. “Basta pensar em alguns grupos guerrilheiros, que eram machistas e homofóbicos – período que vai até o início dos anos 1970, quando entra em cena esses novos movimentos sociais e uma nova esquerda”, conclui.

 

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país