rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Movimentos progressistas brasileiros subestimaram fenômeno evangélico", diz jornalista francesa

Por Márcia Bechara

Ela morou no Brasil durante 10 anos, entre 2007 e 2017, quando foi correspondente de diversos veículos de imprensa franceses, entre eles Le Figaro e Mediapart. Durante esse período, além das reportagens sobre o país, ela realizou uma grande pesquisa sobre um fenômeno religioso: o espetacular crescimento das igrejas evangélicas no Brasil. O RFI Convida nesta sexta-feira (30) a jornalista Lamia Oualalou, que lança o livro "Jésus t'aime, la déferlante évangelique" ("Jesus te ama, a onda evangélica", em português)

*Para assistir a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo

Para a jornalista francesa Lamia Oualalou, a multiplicação das igrejas evangélicas no Brasil sinaliza antes de tudo uma "ruptura". "O Brasil continua sendo o maior país católico do mundo, já depois de quatro séculos, e a partir dos anos 1970 algo começou a mudar. Algo como 92% dos brasileiros se diziam católicos, agora são 64% e, provavelmente em 2020 teremos uma nova realidade, mais ou menos por volta dos 50%", analisa.

A jornalista e escritora explica que a Igreja Católica perdeu muito terreno porque a Teologia da Libertação perde o direito de trabalhar como antes. "O Papa vai atrás desse movimento que considera esquerdista", relata. Por outro lado, "há uma mudança urbana muito importante, a Igreja Católica tem muita dificuldade para se pensar fora do centro da cidade. Quando são favelas, ou pequenas cidades da periferia, é muito difícil para a Igreja Católica ir, ao contrário da Evangélica, onde um pastor se torna pastor com apenas três meses de formação, e oficia com três cadeiras de plástico e um piano", afirma.

Religião fast-food?

fast-food para uma população que se encontra sem nada, porque é uma igreja oferece uma rede social, uma ajuda, sobretudo às mulheres, é um fenômeno muito feminino. São mulheres que trabalham como empregadas domésticas no centro da cidade, pegam três horas de ônibus para ir [ao trabalho] e três para voltar, não falam com ninguém, quando voltam em suas cidades ou favelas, não existe nenhum lugar de socialização, só bares. O resultado é que nessa igreja ela tem proteção, ajuda, seus filhos têm lazer", detalha Oualalou.

A autora conta que as igrejas evangélicas possuem uma "lógica de marketing". "Tem evangélico para todos os gostos. Para quel gosta de futebol, praia, para homossexuais, surfistas... Isso é a força e a fraqueza deles também, porque acaba sendo muito dividido, não existe um projeto evangélico, ao contrário da Igreja Católica, mas isso ajuda a difundir a cultura evangélica, que agora está em todo o Brasil, a música, o jeito de se vestir, e isso está mudando muito a cara do país", afirma.

A comunicação é um ponto-chave nesse projeto, segundo conta Lamia Oualalou. "Tem a ver com um trabalho de mídia, que eles entenderam muito melhor do que os outros. Basta lembrar que o segundo canal de TV no Brasil, a Record, é da Igreja Universal. Mas há também a internet, rádio, jornais, uma presença enorme", pontua.

Movimentos progressistas subestimaram o fenômeno

"Há também um grande erro dos movimentos e dos partidos políticos progressistas, que abandonaram essa população. Talvez porque o Partido dos Trabalhadores tinha uma relação forte com a Igreja Católica, e talvez também por ignorância, porque estas pessoas estão na periferia, não estão no centro", avalia a jornalista.

Segundo ela, quando a esquerda se afasta é a direita - "e a direita dura" - que se aproxima dessa população. "A partir do momento em que a esquerda pensa que temas como família são de direita, é estúpido, a família poderia ser também um valor de esquerda. Por um lado, [a igreja evangélica] é neoliberal, porque a ideia é ganhar muito dinheiro, ter bens materiais, mas ao mesmo tempo o que é muito importante entre os evangélicos é essa rede de solidariedade que ninguém oferece hoje no Brasil", afirma.

A presença evangélica na política brasileira

O livro "Jesus te ama, a onda evangélica", publicado pela editora Cerf, lembra que em 1982 havia apenas dois parlamentares evangélicos no Congresso brasileiro. Em 2014, esse número aumentou para 87. Qual seria o prognóstico para as eleições de 2018?

"Prognóstico político hoje [no Brasil] é bilhete da megasena", brinca a jornalista. "Eles desejam obter cerca de 180 deputados nas próximas eleições, porque, de fato, há menos deputados evangélicos do que eles são em termos de representatividade na população, hoje por volta de 30%", avalia.

Veja abaixo o vídeo da entrevista

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci