rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Brasil tem política de asilo para refugiados mais progressista do continente", diz pesquisadora

Por Márcia Bechara

Ela é pesquisadora na área de Ciência Política e esteve em Paris onde ministrou uma conferência na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS) sobre a recente onda de migração síria no Brasil. O RFI Convida nesta quarta-feira (21) a cientista política Cecilia Baeza.

O Brasil possui uma das políticas de asilo mais progressivas no da América do Sul - com instituições fortes que asseguram uma série de direitos, como o direito de trabalhar a partir da simples reivindicação de refugiado ou o direito ao reagrupamento familiar. sem condições.

"É importante ressaltar que o Brasil, entre os países em desenvolvimento, é aquele que produziu justamente uma das políticas mais avançadas em termos de políticas de asilo", relata Cecilia Baeza. "Isso consiste em dar uma importante quantidade de direitos: sociais, de trabalho. Em particular, considero o direito do refugiado ao trabalho uma das coisas mais avançadas, a maioria dos países do mundo, como a França, quando uma pessoa solicita refúgio ela tem que aguardar a resposta definitiva da entidade que outorga esse refúgio para poder trabalhar", explica.

"No Brasil, basta o protocolo do pedido de asilo para que o migrante possa começar a trabalhar", expões Baeza. Fora do Oriente Médio, o país acolheu o maior número de refugiados sírios fugindo da guerra entre Bashar Al-Assad, rebeldes e coalizão internacional: graças a um programa especial criado em setembro de 2013, cerca de 10 mil vistos humanitários foram emitidos para pessoas afetadas pelo conflito.

"A possibilidade de ter um visto para viajar de forma legal é uma proteção imensa. Em 2013, tivemos essa decisão do ministério da Justiça brasileiro que permitiu que os sírios em particular pudessem pedir esse visto humanitário, que contemplou milhares de pessoas", afirma a cientista.

Brasil nunca foi o primeiro destino de refugiados sírios

"Tenho que dizer, no entanto, que o Brasil nunca foi o primeiro destino sonhados destes refugiados. A maioria deles tenta desesperadamente ir para qualquer lugar para países onde já existe uma estrutura de acolhimento, seja pela existência de redes sociais, ou onde já têm família", afirma Cecilia Baeza.

A maioria tenta ir primeiro para o Líbano, para a Turquia. Depois, muitos tentam ir para a Europa.Brasil não é a primeira escolha desses refugiados, é a última", precisa a especialista.

Para assistir a entrevista completa, clique no vídeo abaixo:

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar