rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Lidar com calamidades no Brasil preparou médica paulista a dirigir hospital no Iêmen

Por Maria Emilia Alencar

A guerra no Iêmen já deixou mais de 10 mil mortos, 53 mil feridos e mergulha a população do país em uma situação miserável. Mais de dois milhões de pessoas já foram obrigadas a deixar suas casas. A brasileira Cecília Hirata Terra é diretora do hospital de traumas da Médicos Sem Fronteiras (MSF), em Áden, e fala sobre as dificuldades de se trabalhar em um país em guerra.

O conflito divide o país desde 2014. Depois de anos de caos e violência, os rebeldes xiitas, chamados houthis, tomaram a capital Sanaa, forçando o governo a se mudar para a cidade portuária de Áden, no sul.

Os iemenitas tentam fugir do norte, alvo de ataques constantes da coalizão liderada pela Arábia Saudita, em direção a Áden. A cidade está saturada e a pobreza que toma conta do local é endêmica. Os serviços básicos são fornecidos pelas poucas ONGs presentes no local.

Há dois meses em Áden, Cecília Hirata Terra, de 35 anos, dirige o hospital para feridos de guerra da MSF em Áden. Ela integrou a ONG em 2014 e trabalhou antes na Etiópia e no Sudão do Sul.

Natural de Campinas e formada pela Universidade de São Paulo (USP), a médica já havia atuado em programas do Sistema Único de Saúde (SUS), como o Saúde da Família, em regiões afastadas do Nordeste.

Nesta entrevista à RFI, ela explica a importância de sua experiência no Brasil para atuar em uma organização humanitária em zona de guerra.

RFI – O fato de ter sido formada no Brasil e trabalhado no SUS e no Nordeste, em contato com a violência e bolsões de miséria e doenças endêmicas, isso ajudou o seu trabalho no Iêmen?

Cecília Hirata Terra - Ninguém nunca está preparado para uma situação de guerra. Você vai aprendendo a conviver com o que vê. Eu me formei no Brasil, estudei no Hospital das Clínicas, em São Paulo, que recebe diariamente muitos feridos por armas de fogo, e também alguns anos no Nordeste, com populações carentes. Tecnicamente foi um preparo importante.

RFI – A senhora trabalha perto das frentes de combate. Quais as principais dificuldades para se lidar com isso, são problemas materiais ou psicológicos?

CHT – Estamos em um hospital de traumas, em Áden, que é uma cidade grande, com recursos, não há falta de materiais, a qualidade de vida é boa. Talvez no interior os acessos sejam mais difíceis, mas aqui não há problemas de suprimentos. Mas o fato de termos uma mobilidade restrita, de ser um hospital muito movimentado, acabamos ficando muito tempo no local, trabalhando muitas horas, e isso muda muito a sua rotina. A nossa casa é um pedaço dentro do hospital. Isso faz com que estejamos o tempo todo conectados com o hospital, para qualquer emergência. É difícil lidar com isso também.

RFI – E a comunicação com os pacientes, se eles não falam inglês, por exemplo?

Eu sou a diretora do hospital, mas a equipe é toda nacional – médicos, enfermeiros e cirurgiões. A maioria fala muito bem inglês e eles acabam agindo como tradutores quando é preciso conversar com os pacientes. Mas também temos tradutores para períodos mais longos ou para documentos. Claro que sempre se perde um pouco com a tradução, mas no final, conseguimos um contato próximo com os pacientes, apesar de não falarmos árabe.

RFI – Além da guerra civil, existe a ameaça de epidemias, como o cólera?

CHT – No ano passado, teve uma epidemia de cólera, que é sazonal. Ou seja, ela não se arrasta pelo ano todo. Ao mesmo tempo, existe o risco que ela volte no verão. Estamos aqui no começo da primavera e não descartamos o risco de doenças como o cólera aparecer ou voltar.

RFI – E existe uma estrutura para lidar com uma eventual epidemia?

CHT – Temos espaço e condições para montar um centro de tratamento de cólera, se necessário. A MSF tem um projeto de emergência também, apesar de sermos um grupo de trauma, num hospital de trauma. Temos as medicações necessárias, se preciso. Temos estoque e material pelo menos para iniciar uma primeira resposta no caso de epidemia.

RFI – A sua equipe em Áden é composta por quantas pessoas?

CHT – Temos uma equipe médica, logística e administrativa. Ao todo, são entre 250 a 300 funcionários. Nem todos estão sob minha supervisão, pois eu dirijo a equipe médica.

RFI – Dra Cecília, nessa situação de guerra civil, a senhora teme pela sua vida?

CHT – Em qualquer país em guerra, essa condição é inerente. Mas não estamos tão perto das frentes de combate, que estão a cerca de três horas de Áden, que não é, portanto, uma cidade em guerra. Áden está na verdade em um pós-guerra, se reconstruindo. Mas a organização MSF tem uma aceitação muito grande da população, por oferecermos cuidados médicos gratuitos, independente de grupo político, raça, etnia. Mesmo em casos de violência entre grupos rivais, o hospital é geralmente poupado. Eles sabem que no hospital estão famílias de diferentes grupos, nenhum paciente precisa pagar por serviços médicos ou cirurgias. A nossa grande proteção é o serviço que a gente presta.

Na Itália, jovens de Ribeirão Preto usam a hipnose como arte e experimento social

“É melhor ser negro na Rússia do que no Brasil”, diz músico que trocou São Paulo por Kazan

Cultura brasileira é mais valorizada na Europa do que no Brasil, diz fotógrafa italiana que viveu dez anos ao lado de mãe de santo

Brasileira ajuda a criar novo sistema de navegação por satélite mais preciso

Belo Horizonte é destaque em conferência sobre desenvolvimento sustentável na Suécia

Engenheiro brasileiro desenvolve "personalidade" de robôs de companhia na Califórnia

Guias russos aprendem português para receber torcedores brasileiros na Copa do Mundo

Brasileira gere comunicação de fábrica de drones em Shenzhen, Vale do Silício chinês