rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Após ser acusado de pedofilia no Brasil, Wagner Schwartz apresenta “La Bête” em Paris

Por Silvano Mendes

Em setembro de 2017, Wagner Schwartz ficou conhecido no Brasil inteiro após o escândalo envolvendo uma de suas performances, que foi acusada de incitação à pedofilia. Seis meses depois, “La Bête” é apresentada novamente, mas desta vez em Paris. O artista comenta a recepção do público francês e conta como viveu as ameaças após o episódio.

A performance de Schwartz foi apresentada no início de abril como parte do programa da 4ª edição do festival Do Disturb, no Palais de Tokyo, um dos principais centros de arte contemporânea da capital francesa. “Ela foi tão bem acolhida pelo público francês como é acolhida pelo público brasileiro”, comenta o artista, que não faz diferença entre as plateias. “As pessoas que se comprometem em entrar em um museu ou uma galeria para ver uma performance como essa são sensíveis e curiosas do que está acontecendo ali, independentemente de onde vem.”

Schwartz não se recuperou do “linchamento virtual” que sofreu, com ataques violentos na internet e até ameaças de morte. “Eu ainda estou processando tudo o que aconteceu. Esse título de pedófilo se conectar à minha pessoa e ao meu trabalho ainda é muito agressivo”, comenta o artista.

Durante o espetáculo "La Bête", o público pode manipular o corpo do artista Wagner Schwartz Humberto Araújo/Divulgação

Porém, quando é questionado sobre uma possível onda de retrocesso no Brasil, o artista rebate: “Retroceder seria voltar ao passado. Mas no passado, eu, por exemplo, fui criado assistindo programas onde o nu era apresentado na televisão aberta. Isso é uma manifestação de agora, dos tempos de hoje. É uma manifestação política para atrair votos”, aponta.

Segundo ele, a questão da exposição do corpo deve ser analisada de forma mais profunda. “Que tipo de nu é um problema no Brasil? É o nu do corpo masculino, do corpo transexual ou de um corpo feminino? Será se se essa performance fosse feita por uma mulher, ela teria tido tantos problemas?”, questiona.

Pedidos de desculpas  

Schwartz disse que sentiu nos últimos meses uma mudança de comportamento das pessoas, inclusive da parte de quem o criticou após o trecho do vídeo do MAM ter viralizado. “Hoje, depois de ter aparecido na mídia e ter dado algumas entrevistas, já recebi mensagens de pessoas se desculpando pelo que elas fizeram, pois não tinham entendido o que estava acontecendo”. Apesar disso, o artista confessa que tem receio de apresentar novamente “La Bête” no Brasil e que teme por sua própria segurança.

Mesmo assim, Schwartz está preparando outro projeto, que deve ser apresentado no Rio de Janeiro, em junho. Intitulado “Domínio Público”, a obra reúne o carioca, mas também Maikon K, que ficou conhecido como "o homem nu da bolha", preso em Brasília durante uma performance; Renata Carvalho, travesti atacada ao interpretar Jesus em cena, e Elisabete Finger, mãe da menina envolvida do escândalo do MAM. Ela foi criticada por ter deixado sua filha encostar no tornozelo de Schwartz durante a apresentação em São Paulo.

Baseada nos “Bichos”, de Lygia Clark, obra que traz esculturas de alumínio que podem ser tocadas pelo público, “La Bête”, apresenta o artista, nu, que se deixa manipular pela plateia.

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum