rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Após ser acusado de pedofilia no Brasil, Wagner Schwartz apresenta “La Bête” em Paris

Por Silvano Mendes

Em setembro de 2017, Wagner Schwartz ficou conhecido no Brasil inteiro após o escândalo envolvendo uma de suas performances, que foi acusada de incitação à pedofilia. Seis meses depois, “La Bête” é apresentada novamente, mas desta vez em Paris. O artista comenta a recepção do público francês e conta como viveu as ameaças após o episódio.

A performance de Schwartz foi apresentada no início de abril como parte do programa da 4ª edição do festival Do Disturb, no Palais de Tokyo, um dos principais centros de arte contemporânea da capital francesa. “Ela foi tão bem acolhida pelo público francês como é acolhida pelo público brasileiro”, comenta o artista, que não faz diferença entre as plateias. “As pessoas que se comprometem em entrar em um museu ou uma galeria para ver uma performance como essa são sensíveis e curiosas do que está acontecendo ali, independentemente de onde vem.”

Schwartz não se recuperou do “linchamento virtual” que sofreu, com ataques violentos na internet e até ameaças de morte. “Eu ainda estou processando tudo o que aconteceu. Esse título de pedófilo se conectar à minha pessoa e ao meu trabalho ainda é muito agressivo”, comenta o artista.

Durante o espetáculo "La Bête", o público pode manipular o corpo do artista Wagner Schwartz Humberto Araújo/Divulgação

Porém, quando é questionado sobre uma possível onda de retrocesso no Brasil, o artista rebate: “Retroceder seria voltar ao passado. Mas no passado, eu, por exemplo, fui criado assistindo programas onde o nu era apresentado na televisão aberta. Isso é uma manifestação de agora, dos tempos de hoje. É uma manifestação política para atrair votos”, aponta.

Segundo ele, a questão da exposição do corpo deve ser analisada de forma mais profunda. “Que tipo de nu é um problema no Brasil? É o nu do corpo masculino, do corpo transexual ou de um corpo feminino? Será se se essa performance fosse feita por uma mulher, ela teria tido tantos problemas?”, questiona.

Pedidos de desculpas  

Schwartz disse que sentiu nos últimos meses uma mudança de comportamento das pessoas, inclusive da parte de quem o criticou após o trecho do vídeo do MAM ter viralizado. “Hoje, depois de ter aparecido na mídia e ter dado algumas entrevistas, já recebi mensagens de pessoas se desculpando pelo que elas fizeram, pois não tinham entendido o que estava acontecendo”. Apesar disso, o artista confessa que tem receio de apresentar novamente “La Bête” no Brasil e que teme por sua própria segurança.

Mesmo assim, Schwartz está preparando outro projeto, que deve ser apresentado no Rio de Janeiro, em junho. Intitulado “Domínio Público”, a obra reúne o carioca, mas também Maikon K, que ficou conhecido como "o homem nu da bolha", preso em Brasília durante uma performance; Renata Carvalho, travesti atacada ao interpretar Jesus em cena, e Elisabete Finger, mãe da menina envolvida do escândalo do MAM. Ela foi criticada por ter deixado sua filha encostar no tornozelo de Schwartz durante a apresentação em São Paulo.

Baseada nos “Bichos”, de Lygia Clark, obra que traz esculturas de alumínio que podem ser tocadas pelo público, “La Bête”, apresenta o artista, nu, que se deixa manipular pela plateia.

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja

"Ataques a povos indígenas é suicídio cultural”, diz geógrafo francês

Dependência brasileira ao minério de ferro é um dos disfuncionamentos que explicam catástrofe ambiental, diz especialista

Após sucesso na estreia, Grupo Sociedade Recreativa lança segundo álbum na França