rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

STF vai julgar em maio novo pedido de liberdade de Lula

Por RFI

Petistas apostam que o resultado na segunda turma pode ser favorável ao ex-presidente. Esse mesmo colegiado havia retirado a delação da Odebrecht contra o petista das mãos de Sérgio Moro.

 

Raquel Miura correspondente da RFI em Brasília.

O Supremo Tribunal Federal marcou o julgamento do novo pedido de soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O caso deve ser analisado entre 4 e 10 de maio. O petista reclama que o Tribunal Regional de Porto Alegre determinou a expedição de sua prisão sem que todos os recursos tivessem sido analisados e ao fim da ação pede que lhe seja concedido um habeas corpus.

Quem vai julgá-lo é a Segunda Turma do Supremo, que tem cinco ministros. Três deles têm votado a favor de Lula, inclusive na questão da prisão após segunda condenação em segunda instância: Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski.

A informação de que a data para esse julgamento foi marcado e será nesse colegiado menor, não no plenário, gerou comentários nos corredores do Congresso e certa esperança em alguns petistas: "Todo e qualquer cidadão tem que ser julgado com todos os pressupostos constitucionais, como presunção de inocência, direito de defesa. E isso não aconteceu com o Lula. Então nós achamos que, à medida que o STF se recomponha numa maioria garantista, vai assegurar a liberdade do Lula e de todos os outros que, por ventura, estão nessa situação" disse o senador Paulo Rocha (PT/PA).

O relator Edson Fachin encaminhou esse pedido para a chamada sessão virtual - os ministros vão votar pelo sistema eletrônico interno, sem a presença física no plenário.

Delação Odebrecht

Foi exatamente a Segunda Turma do STF que esta semana garantiu uma vitória ao ex-presidente Lula, ao entender que não há ligação direta de parte da delação da Odebrecht que atinge Lula com a Petrobras.

Advogados, políticos e juristas ainda analisam o alcance dessa decisão que provocou várias reações. A defesa de Lula já pediu ao juiz Sérgio Moro, de Curitiba, que ele envie para a Justiça Federal de São Paulo os processos nos quais o ex-presidente é réu. O petista é acusado de ter recebido vantagem de empreiteiras também no caso do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, e da sede do Instituto Lula.

Ele nega que tenha cometido crime e acusa o juiz de atuação política, por isso a defesa considerou a decisão do STF uma importante vitória. De outro lado, os investigadores ficaram de cabelo em pé e não pouparam críticas ao Supremo Tribunal Federal. Procuradores da Lava Jato disseram que não há sentido lógico nessa decisão.

Muitos dizem que isso pode ajudar Lula no mínimo a arrastar esses dois processos, um deles já bem adiantado nas mãos de Sérgio Moro e isso pode abrir margem para que outros políticos também saiam da esfera jurídica de Curitiba.

O senador Ronaldo Caiado (Democratas/GO) considerou a decisão um retrocesso: "A impressão que se tem é que isso realmente vai prejudicar de forma muito grande a justiça, que perde celeridade nos julgamentos e na condenação dos acusados. Foi mais um processo que procrastina essa ação específica e pode abrir um caminho enorme para que outras ações, onde a justiça diga que não há vínculo com a Petrobras tenham o mesmo destino. Isso dá margem a toda uma chicana jurídica interminável."

Caso tríplex

Lula foi condenado a doze anos no caso do apartamento no Guarujá porque a justiça de primeiro e segundo graus consideraram que ele se beneficiou de favores da OAS que, por sua vez, tinha contratos com Petrobras. Petistas dizem que o caso é parecido com a da delação da Odebrecht e, assim, pode ser contestado também no STF.

Mas apoiadores de Lula admitem também que isso é muito difícil já que o ex-presidente foi condenado em duas instâncias e a anulação do resultado pelo STF provocaria uma reação grande da opinião pública e do Ministério Público.

Já a aposta do PT de que o STF poderia no curto prazo reavaliar as prisões após a condenação em segunda instância é considerada hoje no partido incerta. Numa das ações, a legenda que contestava esse entendimento, o PEN, retirou o pedido de liminar. Hoje o assunto depende da pauta definida pela ministra Cármen Lúcia, presidente da corte. Muitos acham que o tema pode voltar à tona quando Dias Toffoli assumir o posto, em setembro.

Itália recusa cortar gastos contra déficit, mas quer evitar multa da UE

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém

Senado italiano aprova projeto para reduzir proteção humanitária a imigrantes

Lisboa recebe Web Summit, conferência de inovação digital que reúne estrelas do setor

Moro deixa a posição de quase semideus e passa a ser ministro em cenário conturbado, diz cientista político

Para Turquia, morte de Khashoggi não poderia ter ocorrido sem ordem do alto escalão saudita

Republicanos e democratas rejeitam veto de Trump para cidadania por nascimento

Tensões geopolíticas com morte de jornalista geram incertezas à economia saudita e da região

Em meio à onda militarista de Bolsonaro, Chile e Uruguai punem insubordinações de militares

Reino Unido: movimento para novo referendo sobre Brexit cresce, mas premiê nega nova consulta

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas