rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Oxfam: aumento da desigualdade leva à instabilidade política e econômica no Brasil

A diretora-executiva da afiliada brasileira da Oxfam, Kátia Maia, foi uma das painelistas na Conferência Internacional sobre desigualdades rurais promovida entre 2 e 3 de maio pelo Fundo Internacional das Nações Unidas para o Desenvolvimento Agrário (FIDA), em Roma.

Rafael Belincanta, correspondente da RFI em Roma

Em entrevista exclusiva à RFI, a diretora assegurou que a instabilidade política e econômica vivida pelo Brasil está diretamente ligada ao crescimento da desigualdade social.

“Quando você vê um país em que os jovens negros estão sendo exterminados – os números são terríveis – você fala, mas que sociedade é essa? O que você espera dos moradores, das moradoras de periferia, quando estão sendo exterminados? Há uma relação muito grande entre o aprofundamento das desigualdades e a instabilidade política e econômica do país”, afirmou.
 
Maia assegurou que é preciso pôr fim à discriminação de “cidadão de primeira e segunda categoria” para superar as polarizações que agravam ainda mais os desequilíbrios sociais.
 
“A desigualdade sempre vai existir. Não existe como você ter um mundo totalmente igual. Não é disso que nós estamos falando. Mas nós estamos falando de desigualdade que nega direitos. A desigualdade que nega direitos, que nega a possibilidade das pessoas progredirem, essa desigualdade é cruel, é inaceitável, e a sociedade tem que enfrentá-la”.
 
Concentração de renda
 
O Brasil faz parte da lista de países onde a concentração das riquezas está na mãos de poucos. Mas é possível reverter um quadro em que 10 pessoas detêm a mesma riqueza da metade da população mais pobre?
 
“Não é utopia. Nós não estamos falando que o mundo tem que ser totalmente igual. Estamos falando que existem políticas concretas, decisões políticas, decisões econômicas, escolhas, que podem sim reduzir o tamanho da desigualdade que a gente enfrenta hoje”, afirmou.
 
Agricultura sustentável

 
Dentre as Metas de Desenvolvimento Sustentável definidas pelas Nações Unidas até 2030 está o desafio de alimentar 9 bilhões de pessoas – estimativa da população mundial dentro de 12 anos. Atualmente, de acordo com o último relatório sobre a Fome no Mundo da FAO, mais de 815 milhões de pessoas passam fome. Será possível alimentar tantas pessoas sem uma agricultura em escala industrial?
 
“O desafio de alimentar 9 bilhões de pessoas não passa só pela produtividade e pela eficiência, mas pela redistribuição de bens e pela distribuição de recursos naturais e financeiros. Se você pensa no futuro, é claro que você tem que aumentar a produção, mas não é o modelo de concentração que vai solucionar o problema da fome porque hoje o mundo produz alimento suficiente, acontece que existem pessoas que não têm como ter acesso a esse alimento”, explicou.
 
Novo modelo agrário no Brasil
 
Em 2016, a Oxfam publicou um relatório intitulado “Terrenos de Desigualdade” no qual faz série de recomendações para diminuir a desigualdade e cita os principais motivos de desigualdade e conflito no campo no Brasil. Ao recordar que a “Reforma Agrária é uma pendência histórica e precisa ser politicamente e economicamente enfrentada”, Maia afirmou que na atual conjuntura política “a questão da Reforma Agrária já foi jogada ao último plano”.
 
Ainda assim, a diretora da Oxfam Brasil recordou que uma das principais recomendações do relatório foi que se aumentassem os incentivos à agricultura familiar. “Isso depende de um Congresso que entenda mais o papel da agricultura familiar, da produção da agricultura familiar. O Brasil é um país onde a agricultura familiar tem uma grande responsabilidade no alimento que vai para a mesa dos brasileiros. A nossa grande produção agrícola, do chamado grande agronegócio, ou é para a exportação ou é para alimentar gado, ela não é para alimentar o povo”.
 
Conflito e discriminação

 
Por fim, Maia recordou que “o Brasil é um dos países que mais mata por conflito agrário” e que “a discriminação de gênero é muito grande no campo. O número de mulheres proprietárias de terras é irrisório. É fundamental o empoderamento das mulheres ao que lhes é de direito”. E concluiu: “A importância de cuidar desse mundo rural está colocada para qualquer um que venha a assumir a Presidência”.
 
Clique na foto acima para ouvir a entrevista completa.

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país