rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Psicóloga lança em Paris livro sobre práticas medicinais e cultura de etnia da Amazônia

Por Márcia Bechara

A psicóloga e doutora em Antropologia Social Aparecida Gourevitch lança em Paris o livro "Au-delà de la biomédecine - Mythes, maladie et guérison chez les Indiens Baré en Amazonie" ("Além da biomedicina - Mitos, doença e cura com os Índios Baré na Amazônia", em português). A publicação aborda as práticas sanitárias e os rituais da tribo do norte do Brasil, além de seu rico imaginário ancestral.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

Com prefácio da antropóloga francesa Marion Aubrée, o livro retraça as práticas da pajelança na tribo dos Baré, na Amazônia, e sua especial topologia de doenças. "Eu fiz um mestrado em Psicologia Social na USP, e a pesquisa foi feita no estado do Amazonas, onde encontrei várias etnias. Em seguida, quando lecionei Medicina Preventiva e Social na Universidade Federal do Amazonas, fizemos um trabalho com as comunidades. Os alunos tinham aula e depois faziam estágio com as comunidades, e nós, uma equipe multidisciplinar de professores, fazíamos a supervisão", conta Aparecida Gourevitch.

"Lá eu entrei em contato com os índios baré. O que me chamou a atenção é que se trata de uma etnia mestiça com o [homem] branco. Quando comecei a fazer o doutorado na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS na sigla em francês), em Paris, escolhi trabalhar sobre os mitos, a doença e a cura nessa etnia", diz a psicóloga.

A pesquisadora considera importante a classificação que os índios fazem das doenças. "A categoria das doenças, para os baré, está ligada à mitologia deles, à cosmologia, à história da Criação, então existem as doenças ligadas aos seres sobrenaturais. Seriam os seres 'do fundo', como se debaixo da água houvessem vilas encantadas. Mas  é preciso imaginar uma outra geografia, com seres encantados que vêm para a Terra encantar pessoas e, às vezes, levá-las para o fundo, onde existiriam cidades parecidas com as nossas, mas muito mais bonitas e ricas", relata.

O eco dos rituais da etnia Amazônica na França

"Encontrei os Baré no momento em que eles estavam reconstruindo a sua história e seus mitos, então foi um momento importante para ajudá-los nesta recuperação", afirma a Gourevitch.

"Outra categoria de doenças catalogada no livro são aquelas provocadas por outra pessoa, como a bruxaria, o mau-olhado", completa. "Tem também as doenças do [homem] branco. São as doenças ligadas à colonização, como a gripe. Essa categoria existe também para outros índios do Rio Negro", diz a psicóloga. 

"A pesquisa foi muito bem vista pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais e pelos meus diretores de tese, como Marion Aubrée. Essa questão do encantamento, das doenças além da Medicina interessam a todas as culturas. Mesmo na França, existem doenças onde o paciente vai procurar o curandeiro", afirma.

O livro, "Au-delà de la biomédecine - Mythes, maladie et guérison chez les Indiens Baré en Amazonie", distribuído na França pela editora L'Harmattan, deve ser em breve traduzido para o português.

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Romain Vicari, artista plástico franco-brasileiro, expõe "bumerangue cultural" em Paris

“Aquecimento global é desafio do presente e do futuro para a produção de vinho”, diz enóloga brasileira à frente da OIV

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Avignon: “As crianças entendem tudo”, diz Miguel Fragata, diretor de peça infantil sobre refugiados

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Sonho, rito e alteridade: ritual xavante inspira solo de brasileira em Montpellier Danse

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

"A seleção da França é quase toda afro-francesa", diz Gilberto Gil em Paris

Eleição presidencial no México tem semelhanças com Brasil, diz embaixador Rubens Barbosa

Vencedor do Prêmio Icatu, maestro brasileiro estreia em Paris novo sistema musical que homenageia Bach

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth