rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

Por Elcio Ramalho

Dinho Nogueira e Zé Barbeiro Silva, dois grandes expoentes do choro brasileiro, estão em turnê na Europa com espetáculos e oficinas de música em diversas capitais e cidades de três países da Europa.

A agenda de shows começou em Londres no dia 16 de maio e terminará em Paris com um sarau em 4 de junho.

É a primeira vez que a dupla reunindo o compositor Zé Barbeiro e o músico e pedagogo Dinho Nogueira traz para os palcos fora do Brasil a experiência iniciada com o projeto Oficina do Choro.

“Nosso trabalho consiste em uma parceria. Nós exploramos composições minhas e principalmente do Zé Barbeiro, que tem mais de 200 canções e até uma tese de doutorado na USP sobre seu trabalho”, ressalta Dinho. “Quando eu o conheci, via a possibilidade de unir esses dois aspectos: o Zé Barbeiro que é um 'chorão', sambista, e eu, com meu trabalho. Era possível combinar o saber prático, da rua, com o saber pedagógico e acadêmico”, acrescenta Dinho, que tem mais de 20 anos de experiência com ensino musical.

Além de shows com composições próprias e de grandes mestres do choro brasileiro como Jacob do Bandolim e Pixinguinha, a dupla tem programada uma série de aulas e Master Class para iniciantes ou músicos que pretendem aprimorar as técnicas e também conhecer um pouco mais da história do choro. "Contamos a história do choro a partir do século 19 até os dias de hoje, com os violões de seis e sete cordas, mas aplicado para todos os instrumentos. O choro pode ser um caminho para o aprendizado da música brasileira”, diz.

Zé Barbeiro, que já tocou com nomes consagrados do choro como Altamiro Carrilho, descobriu um “mundo novo” ao lidar com o ambiente pedagógico das salas de aula.

“Minha formação é totalmente popular. Meu modo de tocar sempre foi à base do ouvido, à moda antiga, no fundo de quintal, como se dizia”, afirmou.

Zé Barbeiro diz ter aproveitado a teoria apreendida com amigos, livros e até pela internet para aprimorar suas composições. Já são quatro álbuns já gravados em sua carreira.

Mais divulgação

Nesta turnê, a dupla constata que o choro ainda precisa ser melhor desenvolvido fora do país. O público ainda é pequeno, formado principalmente por brasileiros fãs do estilo musical, mas o potencial de divulgação é grande. “Minha impressão é que mesmo vindo muitos artistas para cá, ainda é fraco”, constata Zé Barbeiro.

No entanto, pondera Dinho, a qualidade da plateia demonstra que o público aprecia o estilo. “O choro é uma música complexa, um pouco para especialistas, porque a harmonia e a melodia são muito ricas”, explica.

“Para gostar de choro, é preciso ter atenção. Não é apenas para ouvir como fundo musical. Ela tem essa especificidade. Se não prestar atenção, não vai ver a beleza”, garante. A qualidade do público é excepcional. Em Haia, na Holanda, tocamos em um lugar que parecia um teatro e o público depois comprou nossos discos”, contou.

Paris, que se tornou uma referência do choro na Europa, com a realização de festivais, é parada obrigatória para a dupla. A capital francesa se tornou nos últimos anos um importante polo de difusão e referência do estilo musical. “Tem muitos músicos brasileiros e franceses também tocando choro muito bem”, garante Zé Barbeiro.

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa

Especialista da FAO alerta para contaminação do Aquífero Guarani no Brasil

Militares são os maiores defensores da Amazônia, diz novo embaixador do Brasil na França

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor