rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

Por Elcio Ramalho

O RFI Convida nesta sexta-feira (1°) um dos principais mestres capoeiristas do Brasil, Reginaldo Maia. Também conhecido como "Véio", ele passou por Paris para participar do I Encontro Internacional da Cultura Ancestral Brasileira, que acontece dentro da programação da SALC, a Semana da América Latina e do Caribe. Além disso, Maia realiza uma conferência sobre sua associação, a Lenço de Seda, no Centro Cultural do Brasil, na capital francesa.

Reginaldo Maia é fundador e presidente há 40 anos da associação de capoeira Lenço de Seda, no Vale do Aço, em Minas Gerais. Ele é membro do Conselho de Mestres da Associação Brasileira de Capoeira Angola.

"Teremos atividades com capoeira e de reflexão", diz Maia, sobre a agenda do encontro. "Realizaremos oficinas de dança e movimento, de afoxé, além das rodas de capoeira recebendo os mestres que estão em Paris. Fazemos uma saída de afoxé neste domingo (3)", conta.

"É uma programação que envolve várias manifestações de origem afro-brasileira, e que vão preencher este final de semana como um todo", completa.

Interesse por parte dos estrangeiros

Segundo ele, a população francesa e europeia demonstra grande interesse por estas manifestações e ritmos. "O que diz respeito ao Brasil traz sempre um atrativo especial. A capoeira, e especialmente a capoeira de Angola, ganhou muito espaço. Uma escola de conhecimento muito completa, muito profunda. Países estrangeiros têm muita curiosidade em entender estas raízes", diz.

"Encontramos aqui na Europa algumas frentes de trabalho com uma seriedade muito grande. A capoeira de Angola tem neste momento muita aceitação, é muito sedutora, isso acontece no mundo inteiro", contextualiza o Mestre. Ele revela que já existe uma proposta de fazer desta modalidade de capoeira uma prática olímpica, uma vez que ela se encontra hoje em 160 países de todo o mundo.

Maia, ou "Mestre Véio", coordena grupos de capoeira em Curitiba, no Chile, na Itália, na Sardenha e na França, onde desenvolve projetos de inclusão educacional e social. Ele é terapeuta holístico e também desenvolve um trabalho de memória de valores ancestrais com populações indígenas, favorecendo encontros de etnias da Amazônia com universidades e escolas regionais.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo:

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris