rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

Ele foi o líder da primeira grande greve contra a ditadura militar no Brasil (1964-1985). Preso e torturado durante os anos de chumbo, ele foi exilado e entrou para a história do sindicalismo e da política, ao participar da fundação de várias centrais sindicais, além do Partido dos Trabalhadores (PT). Trata-se de José Ibrahim, que dá nome à biografia "José Ibrahim, a primeira grande greve que afrontou a ditadura", da jornalista e escritora Mazé Torquato Chotil, convidada desta sexta-feira (8) do RFI Convida.

Mazé Torquato Chotil explica que a motivação para escrever o livro veio do fato de José Ibrahim ser um grande líder sindicalista conhecido quando foi banido do país. "Mas as pessoas hoje não conhecem mais o José Ibrahim. Ele faz parte de uma certa história do sindicalismo brasileiro que deveria ser colocada em evidência", diz.

O trabalho foi, segundo a autora, "um resgate dessa memória muito importante para o sindicalismo atual". A escritora lembra que o mercado literário possui muitas biografias, mas não de personalidades ligadas ao sindicato. "Quando os militares usurpam o poder em 1964, a gente acha que vai demorar pouco, mas continua. Osasco era o grande centro industrial da época, uma industrialização que começou no início do século e, nesse período, tinha mais de cinco mil trabalhadores", conta Chotil.

Operário altamente capacitado

A escritora lembra que José Ibrahim, caçula de 11 filhos, fez parte da geração de "trabalhadores-estudantes" do primeiro liceu de Osasco, local de formação importante para o meio sindical. "Ele era também um operário altamente capacitado, fez o Senai. Mas era também um líder natural. O Ibrahim militava no sindicalismo pelas bases. Era preciso que o trabalhador se formasse e soubesse do que se fala", afirma.

Mazé conta que, preocupado com a redemocratização do Brasil em plena ditadura, José Ibrahim chega ao sindicato já falando em greve. Sobre o episódio onde o sindicalista é um dos nomes trocados pelo embaixador Charles Elbrick, a jornalista conta que "não podendo mais se manifestar livremente, Ibrahim aderiu à VPR, onde era responsável pela organização urbana. Mas ele é preso quatro ou cinco meses depois, e, após ser muito torturado, ele é finalmente trocado pelo embaixador. Ele vai viver o período do exílio em Cuba, depois segue para o Chile de Allende. Em seguida, se instala para continuar o trabalho numa região francesa da Bélgica". 

Mazé Chotil diz que um dos trabalhos mais importantes de José Ibrahim no exílio foi conseguir reagrupar os sindicalistas que estavam na Europa. "Foi uma aprendizado com as várias centrais sindicais, francesas, europeias e do mundo inteiro. Isso vira um grande encontro que acontece finalmente em 1° de maio de 1979", relata. 

Somar juntos

"Quando ele chegou ao Brasil", conta a autora, "a ideia era somar juntos. A gente precisava acabar com a ditadura e, neste momento, o Ibrahim ajudou a criar o PT, onde vai fazer parte da direção nacional, e a CUT, a Central Única dos Trabalhadores. Quando ele se candidata à presidência do partido e ganha 30% dos votos, acontece um mal estar em relação a Lula. Mas ele reconhece Lula como o grande líder dos operários. Ele deixou o PT, finalmente, porque acabou achando que não foi valorizado quando a CUT o rejeitou para o departamento de Relações Internacionais", diz Chotil.

Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo:

 

“Em tempos de segregação no Brasil, jovens são os mais atacados”, diz professor em Paris

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris