rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Por Márcia Bechara

Em tempos de email e aplicativos de conversas como Whatsapp, Messenger e Telegram, ele lança um livro dedicado a um dos gêneros mais antigos, peculiares e ricos da arte de escrever - a literatura epistolar. O RFI Convida Rodrigo Dias, autor de "Cartas para Irene em tempos de email". 

Grandes autores navegaram neste gênero literário, a literatura epistolar, como Carlos Drummond de Andrade, José Saramago, Jorge Amado, Clarice Lispector e, na França, Antonín Artaud. O autor brasileiro Rodrigo Dias conta que se inspira nestes modelos, mas que sua principal referência para a criação de "Cartas para Irene", seu terceiro livro, foi sua própria família.

"Parto do princípio que essas minhas cartas, essa experiência epistolar, tudo nasceu do meu convívio familiar. Venho de uma cidade pequena no sul da Bahia e o único meio de comunicação que nós tínhamos, e eu venho de família pobre, eram as cartas", explica o autor. 

"As cartas não nasceram apenas como estudo acadêmico, mas da necessidade e da vontade de se comunicar com as pessoas", continua. Entre religiosidade e literatura, Rodrigo, que estudou Teologia e Hermenêutica Bíblica, resolve a equação - literatura epistolar vem do latim epistoláris, que quer dizer carta, epístola. "As cartas do apóstolo Paulo serviram, sem dúvida, para expandir o Cristianismo para o mundo. Além da espiritualidade, havia também o sentimento. O cineasta brasileiro Walter Salles disse que existem coisas que só podem ser ditas por cartas. Paulo sabiamente utilizou este método para falar da Revelação na qual acreditava", pontua o escritor.

Email, whatsapp e Sagrada Escritura

"Em tempos de email, de whatsapp, de instantaneidade, só as cartas conseguem produzir nas pessoas uma eternidade", diz Rodrigo Dias. "As pessoas me dizem que acham interessante resgatar a possibilidade das cartas. A carta guarda a alma das pessoas, é por isso que a gente guarda as cartas, os cartões das pessoas queridas", diz. "Paulo conseguiu com suas cartas não só tocar a vida das pessoas, durante o anúncio do Evangelho, mas também tocá-las do ponto de vista literário, porque as pessoas guardaram esses extratos que se encontram até hoje na Sagrada Escritura", completa Dias.

O autor, baiano, se diz também influenciado pelas cartas e sermões de seu ilustre conterrâneo da literatura epistolar, o Padre Antônio Vieira. "Como estudante de Teologia, a produção dele tocou a minha vida. Mas, sobretudo, para nós na Bahia, que temos essa relação com o sagrado e o profano, as duas coisas caminham juntas na Bahia, a gente não consegue separar. Essa realidade das cartas de Antônio Vieira tocaram minha produção", afirma o escritor.

*Para ouvir a entrevista completa, clique na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa