rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Carlos Ghosn deixa centro de detenção em Tóquio após pagamento de fiança
RFI CONVIDA
rss itunes

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Por Márcia Bechara

Em tempos de email e aplicativos de conversas como Whatsapp, Messenger e Telegram, ele lança um livro dedicado a um dos gêneros mais antigos, peculiares e ricos da arte de escrever - a literatura epistolar. O RFI Convida Rodrigo Dias, autor de "Cartas para Irene em tempos de email". 

Grandes autores navegaram neste gênero literário, a literatura epistolar, como Carlos Drummond de Andrade, José Saramago, Jorge Amado, Clarice Lispector e, na França, Antonín Artaud. O autor brasileiro Rodrigo Dias conta que se inspira nestes modelos, mas que sua principal referência para a criação de "Cartas para Irene", seu terceiro livro, foi sua própria família.

"Parto do princípio que essas minhas cartas, essa experiência epistolar, tudo nasceu do meu convívio familiar. Venho de uma cidade pequena no sul da Bahia e o único meio de comunicação que nós tínhamos, e eu venho de família pobre, eram as cartas", explica o autor. 

"As cartas não nasceram apenas como estudo acadêmico, mas da necessidade e da vontade de se comunicar com as pessoas", continua. Entre religiosidade e literatura, Rodrigo, que estudou Teologia e Hermenêutica Bíblica, resolve a equação - literatura epistolar vem do latim epistoláris, que quer dizer carta, epístola. "As cartas do apóstolo Paulo serviram, sem dúvida, para expandir o Cristianismo para o mundo. Além da espiritualidade, havia também o sentimento. O cineasta brasileiro Walter Salles disse que existem coisas que só podem ser ditas por cartas. Paulo sabiamente utilizou este método para falar da Revelação na qual acreditava", pontua o escritor.

Email, whatsapp e Sagrada Escritura

"Em tempos de email, de whatsapp, de instantaneidade, só as cartas conseguem produzir nas pessoas uma eternidade", diz Rodrigo Dias. "As pessoas me dizem que acham interessante resgatar a possibilidade das cartas. A carta guarda a alma das pessoas, é por isso que a gente guarda as cartas, os cartões das pessoas queridas", diz. "Paulo conseguiu com suas cartas não só tocar a vida das pessoas, durante o anúncio do Evangelho, mas também tocá-las do ponto de vista literário, porque as pessoas guardaram esses extratos que se encontram até hoje na Sagrada Escritura", completa Dias.

O autor, baiano, se diz também influenciado pelas cartas e sermões de seu ilustre conterrâneo da literatura epistolar, o Padre Antônio Vieira. "Como estudante de Teologia, a produção dele tocou a minha vida. Mas, sobretudo, para nós na Bahia, que temos essa relação com o sagrado e o profano, as duas coisas caminham juntas na Bahia, a gente não consegue separar. Essa realidade das cartas de Antônio Vieira tocaram minha produção", afirma o escritor.

*Para ouvir a entrevista completa, clique na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

“Ataques contra universidades estimularam criação do Observatório do Conhecimento”, diz professora da UFRJ

“Eu sou uma mistura, então minha música é mestiça”, diz violonista pernambucana Fernanda Primo

“Em tempos de segregação no Brasil, jovens são os mais atacados”, diz professor em Paris

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa