rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Por Silvano Mendes

O compositor, arranjador e pianista André Mehmari fez seu primeiro concerto em Paris neste fim de semana. Conhecido por misturar referências eruditas e populares, além de uma vasta produção, marcada por parcerias com grandes nomes da música e indicações para o Grammy, ele se apresentou com a Orquestra Regional da Normandia, antes de falar com a RFI.

Mehmari já havia se apresentado em outras cidades da França, além de já ter gravado discos na capital francesa. No entanto, o concerto deste sábado (9) na sala Gaveau, ao lado da também pianista Cristina Ortiz, foi especial. “Tocar na sala onde Villa-Lobos estreou suas obras em Paris é algo muito significativo”, conta o compositor, que trouxe ao público uma obra comissionada pela Orquestra francesa.

Músico precoce, que aos 10 anos de idade já improvisava e compunha, Mehmari sempre gostou das misturas. “A música sem fronteiras entrou muito cedo na minha vida”, relata o compositor, que desde a infância ouvia todas as sonoridades, graças a uma mãe que tocava piano antes mesmo dele nascer. Talvez por essa razão ele consiga passear tão bem entre os clássicos, seu trio de jazz e incursões no repertório popular brasileiro.

Sério e preciso na exposição de seu trabalho e sua carreira, que, aliás, ele afirma não planejar, Mehmari fala às vezes como alguém muito mais idoso que os seus 41 anos. Mas se engana quem pensa que o pianista parou nos tempos dos discos de vinil. “O músico de hoje tem que se interessar pelo aspecto da difusão da arte na era digital. O mundo mudou de uma forma muito veloz e radical. O músico tem que ser muito ágil para se adaptar a esses novos cenários que se impõem muito rapidamente. Não é mais uma escolha você participar ou não do Facebook ou do Youtube. Você tem que participar, senão você não existe”, afirma.

“Sociedade brasileira acha cultura algo superficial”

Talvez esse pragmatismo explique uma carreira tão diversificada. “Essa versatilidade é algo positivo no momento que vivemos no Brasil”, aponta o compositor, que constata “uma crise econômica, institucional e de identidade” no país. Mas para ele, essa fase também pode ser positiva, para “nos reinventarmos como brasileiros, lembrando do que nos honra, como a nossa música, valorizada no mundo inteiro”.

Apesar disso, Mehmari chama a atenção para o fato de a música brasileira “não estar conectada com seu povo como outrora. A música popular brasileira de grande qualidade já não é mais a música ‘popular’. Ela é uma música de nicho”, analisa.

“Espero que a gente saia mais maduro desse momento, que é uma fase difícil, principalmente para os artistas. Pois a cultura e a educação são as primeiras coisas que se corta quando há uma crise no Brasil. A própria sociedade acha a cultura algo superficial, o que é fruto de má educação, que não se corrige em uma geração”, finaliza o compositor.

Assista a entrevista completa no vídeo abaixo ou clique na foto acima para ouvir. 

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha