rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

Por Daniella Franco

Apesar da grande midiatização, a violência contra a mulher continua banalizada no Brasil. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2017, uma média de 606 agressões foram registradas por dia, mesmo ano em que 1.133 brasileiras foram vítimas de feminicídio. Para a diretora-presidente da ONG feminista Artemis, Raquel Marques, a questão é cultural e reflete uma condição imposta desde a época colonial.

Os casos de violência e assassinatos de mulheres no Brasil estampam capas de jornais e são manchetes de noticiários diariamente. A crueldade da morte da advogada Tatiane Spitzner pelo marido, o biólogo Luís Felipe Manvailer, em julho, em Guarapuava (PR), chegou a ganhar repercussão internacional. Mas o intenso debate sobre as agressões domésticas contra as brasileiras e o feminicídio traz poucos resultados concretos ao problema.

“As mulheres sempre foram vistas como posse e extensão do patrimônio e do domínio do homem”, afirma Raquel Marques à RFI. Segundo ela, a questão data de décadas. “Apesar de tanto avanço e desconstrução em muitas áreas da sociedade, esse aspecto doméstico mostra que as mulheres de hoje são como as do período colonial: uma propriedade do senhor, do dono daquela casa”, diz.

A tolerância à violência contra a mulher começa pela própria justiça, avalia a ativista, com os juízes utilizando a lei com parcimônia para não interferir na liberdade do agressor. A principal consequência da falta de rigor ao aplicar leis como a Maria da Penha e a Lei do Feminicídio é a normalização da violência doméstica.

Ciclo de violências

“É preciso lembrar que a violência tem um ciclo: começa com agressões verbais e ameaças, parte para as agressões físicas leves, depois as pesadas, até chegar ao feminicídio. Por isso, qualquer pessoa que é tolerante às mínimas violências que podem acontecer no âmbito doméstico contra uma mulher está sendo tolerante também a um ciclo de violência que tende a culminar no feminicídio”, ressalta.

Os ciclos das agressões contra a mulher demoram anos para evoluir, alerta a diretora-presidente da ONG Artemis, tornando-as reféns dessa situação. “Espera-se que a mulher sofra extremamente para que alguma medida seja tomada. Mas é necessário que essa violência seja discutida antes de ela acontecer”, diz.

De acordo com a militante, o problema se torna mais grave devido a uma incompreensão geral e muitas vezes machista no Brasil. “As mulheres estão sujeitas às violências do mundo, como os homens, mas centenas são mortas simplesmente por serem mulheres. Essas agressões são cometidas por homens e não há uma simetria - como muitos tentam justificar quando dizem que as mulheres também matam seus companheiros. Não é possível continuar achando normal ou aceitável assassinar mulheres.”

Por isso, para Raquel Marques, é preciso sobretudo investir em educação e prevenção dessas violências. “Tanto para as mulheres saberem como buscar ajuda, quanto para os homens, de forma que possam rever esses padrões de masculinidade que são aprendidos e replicados”, conclui.

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista