rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

Por Daniella Franco

Apesar da grande midiatização, a violência contra a mulher continua banalizada no Brasil. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2017, uma média de 606 agressões foram registradas por dia, mesmo ano em que 1.133 brasileiras foram vítimas de feminicídio. Para a diretora-presidente da ONG feminista Artemis, Raquel Marques, a questão é cultural e reflete uma condição imposta desde a época colonial.

Os casos de violência e assassinatos de mulheres no Brasil estampam capas de jornais e são manchetes de noticiários diariamente. A crueldade da morte da advogada Tatiane Spitzner pelo marido, o biólogo Luís Felipe Manvailer, em julho, em Guarapuava (PR), chegou a ganhar repercussão internacional. Mas o intenso debate sobre as agressões domésticas contra as brasileiras e o feminicídio traz poucos resultados concretos ao problema.

“As mulheres sempre foram vistas como posse e extensão do patrimônio e do domínio do homem”, afirma Raquel Marques à RFI. Segundo ela, a questão data de décadas. “Apesar de tanto avanço e desconstrução em muitas áreas da sociedade, esse aspecto doméstico mostra que as mulheres de hoje são como as do período colonial: uma propriedade do senhor, do dono daquela casa”, diz.

A tolerância à violência contra a mulher começa pela própria justiça, avalia a ativista, com os juízes utilizando a lei com parcimônia para não interferir na liberdade do agressor. A principal consequência da falta de rigor ao aplicar leis como a Maria da Penha e a Lei do Feminicídio é a normalização da violência doméstica.

Ciclo de violências

“É preciso lembrar que a violência tem um ciclo: começa com agressões verbais e ameaças, parte para as agressões físicas leves, depois as pesadas, até chegar ao feminicídio. Por isso, qualquer pessoa que é tolerante às mínimas violências que podem acontecer no âmbito doméstico contra uma mulher está sendo tolerante também a um ciclo de violência que tende a culminar no feminicídio”, ressalta.

Os ciclos das agressões contra a mulher demoram anos para evoluir, alerta a diretora-presidente da ONG Artemis, tornando-as reféns dessa situação. “Espera-se que a mulher sofra extremamente para que alguma medida seja tomada. Mas é necessário que essa violência seja discutida antes de ela acontecer”, diz.

De acordo com a militante, o problema se torna mais grave devido a uma incompreensão geral e muitas vezes machista no Brasil. “As mulheres estão sujeitas às violências do mundo, como os homens, mas centenas são mortas simplesmente por serem mulheres. Essas agressões são cometidas por homens e não há uma simetria - como muitos tentam justificar quando dizem que as mulheres também matam seus companheiros. Não é possível continuar achando normal ou aceitável assassinar mulheres.”

Por isso, para Raquel Marques, é preciso sobretudo investir em educação e prevenção dessas violências. “Tanto para as mulheres saberem como buscar ajuda, quanto para os homens, de forma que possam rever esses padrões de masculinidade que são aprendidos e replicados”, conclui.

"Brasil vive época propícia para arte subversiva", diz autor de livro sobre cena musical psicodélica

Livro sobre Dandara, líder do movimento negro do Quilombo dos Palmares, é lançado na França

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai