rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

Por Daniella Franco

Apesar da grande midiatização, a violência contra a mulher continua banalizada no Brasil. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2017, uma média de 606 agressões foram registradas por dia, mesmo ano em que 1.133 brasileiras foram vítimas de feminicídio. Para a diretora-presidente da ONG feminista Artemis, Raquel Marques, a questão é cultural e reflete uma condição imposta desde a época colonial.

Os casos de violência e assassinatos de mulheres no Brasil estampam capas de jornais e são manchetes de noticiários diariamente. A crueldade da morte da advogada Tatiane Spitzner pelo marido, o biólogo Luís Felipe Manvailer, em julho, em Guarapuava (PR), chegou a ganhar repercussão internacional. Mas o intenso debate sobre as agressões domésticas contra as brasileiras e o feminicídio traz poucos resultados concretos ao problema.

“As mulheres sempre foram vistas como posse e extensão do patrimônio e do domínio do homem”, afirma Raquel Marques à RFI. Segundo ela, a questão data de décadas. “Apesar de tanto avanço e desconstrução em muitas áreas da sociedade, esse aspecto doméstico mostra que as mulheres de hoje são como as do período colonial: uma propriedade do senhor, do dono daquela casa”, diz.

A tolerância à violência contra a mulher começa pela própria justiça, avalia a ativista, com os juízes utilizando a lei com parcimônia para não interferir na liberdade do agressor. A principal consequência da falta de rigor ao aplicar leis como a Maria da Penha e a Lei do Feminicídio é a normalização da violência doméstica.

Ciclo de violências

“É preciso lembrar que a violência tem um ciclo: começa com agressões verbais e ameaças, parte para as agressões físicas leves, depois as pesadas, até chegar ao feminicídio. Por isso, qualquer pessoa que é tolerante às mínimas violências que podem acontecer no âmbito doméstico contra uma mulher está sendo tolerante também a um ciclo de violência que tende a culminar no feminicídio”, ressalta.

Os ciclos das agressões contra a mulher demoram anos para evoluir, alerta a diretora-presidente da ONG Artemis, tornando-as reféns dessa situação. “Espera-se que a mulher sofra extremamente para que alguma medida seja tomada. Mas é necessário que essa violência seja discutida antes de ela acontecer”, diz.

De acordo com a militante, o problema se torna mais grave devido a uma incompreensão geral e muitas vezes machista no Brasil. “As mulheres estão sujeitas às violências do mundo, como os homens, mas centenas são mortas simplesmente por serem mulheres. Essas agressões são cometidas por homens e não há uma simetria - como muitos tentam justificar quando dizem que as mulheres também matam seus companheiros. Não é possível continuar achando normal ou aceitável assassinar mulheres.”

Por isso, para Raquel Marques, é preciso sobretudo investir em educação e prevenção dessas violências. “Tanto para as mulheres saberem como buscar ajuda, quanto para os homens, de forma que possam rever esses padrões de masculinidade que são aprendidos e replicados”, conclui.

“Modo de exercer o governo é inspirado no pior da ditadura”, diz professor brasileiro na França

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury