rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

Por Márcia Bechara

Em época de eleições no Brasil, o RFI Convida desta quinta-feira (13) discute um tema importante: o populismo. Para falar sobre o tema, o programa entrevistou Thomás de Barros, economista, doutorando em Teoria Política da Sciences Po, em Paris.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

A etimologia da palavra populismo tem raiz latina: popularis, uma referência ao povo. O sufixo “ismo”, fala de tendência, ideologia. Populismo, uma ideologia do povo? Segundo o professor e economista Thomás de Barros, o termo é muito mais complicado do que se pensa. “Há quem diga que, se este conceito não existisse, se não usássemos esse termo no dia-a-dia, nenhum teórico político deveria criar essa palavra, que não é consensual”, diz.

“Em geral, populismo vai fazer uma referência difusa ao povo, mas, o que vemos ao longo da História, são muitas teorias diferentes. O maior problema no uso que fazemos do populismo no dia-a-dia é que se trata de um termo pejorativo”, explica o economista. “Praticamente nunca encontramos líderes políticos que se afirmem populistas, ou que representam um projeto populista. O populista é sempre o nosso adversário, sempre o outro”, avalia.

O pesquisador lembra que o termo “populista” sempre será essencialmente ligado a tudo o que “existe de ruim na política”. A designação do populismo nasce no pós-guerra, segundo explica o especialista. “As primeiras duas expressões do populismo aconteceram no final do século XIX, por dois grupos que, aí sim, se reivindicavam populistas. Primeiro o People’s Party, nos Estados Unidos, e, quase na mesma época, na Rússia, os famosos Narodnaja, os populistas russos”, aponta ele. “Mas é a partir de 1950, com a literatura acadêmica norte-americana, que o populismo ganha um viés pejorativo”, afirma.

Para a Europa, o populismo é a extrema-direita. Na América Latina, os governos de esquerda

“Existem duas leituras isoladas. Uma é a abordagem eurocêntrica. Em geral, na Europa, quando falamos de populismo, falamos de extrema-direita. Marine Le Pen, Gert Wilders, nos Países Baixos, mesmo o Jeremy Corbyn no Reino Unido, Victor Orban na Hungria, Andrzej Duda na Polônia, líderes em geral autoritários, anti-imigrantes, racistas”, lembra Thomás de Barros.

No entanto, na América Latina é diferente. “O populismo neste continente é geralmente associado à esquerda, ao chavismo, ao peronismo, ao varguismo, há até quem diga que o Lula seria populista”, compara.

Como identificar um discurso populista

O especialista conta que utiliza uma abordagem da teoria do discurso que afirma que o populismo simplifica o campo político em duas partes: “nós e eles”. Num momento de grande polarização política no Brasil, quais seriam os efeitos? “O ‘nós contra eles’ não é necessariamente ruim. É até necessário e fundamental na política. A política é feita de confrontos porque na democracia ninguém tem uma resposta certa. Temos opiniões diferentes e isso precisa ser distinguido. A questão é como esse antagonismo é estruturado”, diz. “Podemos tratar o outros como um inimigo a abater, então ‘eu sou o único puro, bom, virtuoso, incorruptível’ e do outro lado tenho o ‘degenerado, o corrupto, o ‘coxinha’, o ‘petralha’, o ‘meu inimigo’ que não tem nenhum tipo de mérito, e que precisa ser eliminado”, detalha o especialista.

“Ou podemos tratar o Outro como um adversário a se respeitar. Existem regras do jogo, o Outro tem uma opinião diferente da minha, mas, no nosso conflito, vamos nos respeitar e aceitar que nenhuma de nossas respostas é necessariamente a correta para sempre”, afirma Thomás.

A solução seria trazer um pouco de racionalidade para esse discurso? “Não sei se concordo com isso”, diz o economista. “Concordo em parte, mas acho que uma das críticas comuns ao populismo é que ele seria irracional, que ele apelaria para as emoções. Isso é um critério ruim, porque toda a política é feita de emoção. Vamos nos mobilizar politicamente pelo medo, pelo amor, pela adoração a um líder, não podemos ignorar o lado afetivo e emocional que está presente sempre na política”, conclui o pesquisador.

“Favela é o maior resumo do Brasil”, afirma ativista do Complexo do Alemão

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna