rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Por Márcia Bechara

Acontece entre os dias 21 e 23 de setembro a Fête de la Culture Brésilienne, a Festa da Cultura Brasileira de Paris, trazendo a segunda edição do evento Saveurs du Brésil (Sabores do Brasil, em português). Para falar sobre este festival que destaca a diversidade gastronômica e cultural brasileira, o RFI Convida nesta quinta-feira (20) Carla Daher, criadora do projeto, e o chef Rafael Gomes, do restaurante Itacoa, convidado especial desta edição.

O festival Saveurs du Brésil realiza, nesta segunda edição, uma viagem aos sabores dos antepassados indígenas, africanos, europeus e árabes, presentes na cozinha brasileira. Segundo Carla Daher, o evento deseja resgatar “a real brasilidade”. “Nós somos mais do que os clichês que criaram a nossa fama”, explica. Para a organizadora, o evento começa a ganhar uma cara mais definida em 2018: “Por isso aumentamos um pouco o conceito. Ao invés de ser uma festa da gastronomia brasileira, agora é a festa da cultura brasileira”, diz.

O chef brasileiro Rafael Gomes, que já comandou a cozinha do restaurante Grandcoeur, em Paris [dono de duas estrelas no famoso Guia Michelin], e que hoje está à frente de seu próprio bistrot, o Itacoa, na capital francesa, é uma das atrações do Saveurs du Brésil.  Segundo ele, mais do que apostar nos ingredientes, é importante “manter a cultura brasileira, não mudar nossa comida”. No entanto, Gomes admite que é possível “abaixar um pouco a pimenta, se for um prato baiano”, mas “sem perder a identidade”.

Lembrando do episódio com o chef britânico Jamie Oliver no Brasil, que causou polêmica ao dizer que “brigadeiro é um horror”, Rafael Gomes disse que muda a preparação de doces brasileiros quando cozinha na França. “Para franceses e norte-americanos, o brigadeiro é muito doce. A gente cresceu comendo isso. Doce de leite, brigadeiro. Por isso evito fazer coisas assim aqui exatamente por esse tipo de retorno. Leite condensando com chocolate, doce com doce. E a sobremesa aqui não é doce, ou é um pouco menos açucarada”, lembra o chef.

“Mas existem outras sobremesas, como as mousses, que são bastante apreciadas aqui. Podemos manter nossa identidade, mas se adaptando ao gosto deles. Acho que isso funciona muito bem”, afirma Gomes.

Geografia de sabores

A organizadora do festival, Carla Daher, conta que vários estados brasileiros estarão representados. “Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins, Goiás, Pernambuco e Paraíba fazem parte desta edição”, diz. Estarão presentes os cardápios de 30 expositores, oferecendo quitutes brasileiros “inevitáveis” como o acarajé, o pão-de-queijo, feijoada e a coxinha de galinha, mas também pratos menos conhecidos e sucos de frutas exóticas da região amazônica e do Centro-Oeste brasileiro.

“Muitos expositores, quando se inscreveram, foram ao Brasil e trouxeram muitos ingredientes de lá. O importante é que eles estão mostrando a brasilidade, as nossas diversas cozinhas. O importante é sair do clichê e mostrar a qualidade da comida brasileira”, conta Daher.

“O público francês é bem aberto”, completa o chef Rafael Gomes. “Eles gostam de experimentar, francês é um povo que adora comer, e comer bem. Eu já fiz bobó, moqueca, pão-de-queijo, casquinha de siri, que aqui é com caranguejo, vendo demais, eles adoram”, diz. Segundo Carla Daher, o evento recebe a visita não só do público gourmand, mas também de profissionais do mercado na França. “Temos 30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos”, conta.

O festival Saveurs du Brésil tem o selo da Prefeitura de Paris e do Ministério da Economia da França, e conta com uma parceria com a subprefeitura do 12° distrito da capital francesa, onde acontece o evento.

Após sucesso na estreia, Grupo Sociedade Recreativa lança segundo álbum na França

“Lagerfeld era o camaleão da moda”, lembra estilista brasileiro Gustavo Lins

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp