rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Por Silvano Mendes

O cartunista brasileiro Adão Iturrusgarai participa de uma série de eventos em Paris, como parte do festival Jours du Pantanal (Dias de Pantanal). Conhecido por seus personagens irreverentes, ele falou nos estúdios da RFI sobre os limites do humor e a recente polêmica envolvendo um personagem de histórias em quadrinhos europeu, que acabou entrando na corrida presidencial brasileira.

Além de animar ateliês de criação no instituto franco-brasileiro Alter-Brasilis, Iturrusgarai participa na sexta-feira (28) de uma noite de autógrafos na Livraria Portuguesa e Brasileira de Paris, onde expõe trabalhos inéditos na França. “Trago um livro de cartoons que foi traduzido em francês, que eu apresentei em um festival na Bélgica no ano passado, além de livros em português, do Rocky & Hudson, da Aline e um terceiro, de tira autobiográficas, chamado ‘Momentos brilhantes de minha vida ridícula’”, conta o cartunista.

Aline e Rocky & Hudson foram escolhidos pois estão entre os personagens mais famosos do cartunista, conhecido por histórias marcadas por sua conotação sexual. A primeira, uma jovem feminista à sua maneira, que mantinha um relacionamento amoroso com dois homens ao mesmo tempo, fez sucesso durante anos nas páginas do jornal Folha de S. Paulo. Já o casal de cowboys gays foi precursor, sendo criado bem antes do mundo se emocionar com o filme “O segredo de Brokeback Mountain”.

"Poliamor ficou comum"

“Tem sempre pessoas que ficam chocadas como esse tipo de assunto, como a homossexualidade ou as drogas. Afinal, o Brasil é um país católico. Mas sempre dá para trabalhar esses temas”, comenta Iturrusgarai. Além disso, ele lembra que o ineditismo desses assuntos já passou, e que as problemáticas abordadas antes causam menos polêmica nos dias atuais. “O poliamor ficou tão comum que acabou a transgressão”, avalia o cartunista, em alusão ao personagem de Aline.

No entanto, mesmo se mora na Argentina, Iturrusgarai não ficou alheio à recente polêmica envolvendo uma história em quadrinhos europeia criticada por sua conotação sexual. Questionado sobre as denúncias lançadas pelo candidato da extrema direita à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, que acusou o personagem Titeuf, do franco-suíço Zep, de promover a homossexualidade entre as crianças nas escolas brasileiras, o cartunista é categórico: “Bolsonaro representa a banda podre do país. O Brasil sempre teve uma banda podre, com pouca cultura, só que agora parece que esses caras conseguiram se unir”, sentencia. “Estou um pouco afastado do Brasil, mas vejo o que está acontecendo. Parece uma coisa bem assustadora”, diz.

Iturrusgarai tem vários novos projetos em andamento. Além dos livros na gaveta, prontos para serem publicados, ele trabalha na criação de uma revista e em adaptações audiovisuais. “Estamos fazendo 13 episódios dos cowbois Rocky & Hudson em desenho animado”, afirma. Aline também deve ganhar vida em breve e até uma versão na televisão está nos planos do cartunista.

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto