rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Por Silvano Mendes

O cartunista brasileiro Adão Iturrusgarai participa de uma série de eventos em Paris, como parte do festival Jours du Pantanal (Dias de Pantanal). Conhecido por seus personagens irreverentes, ele falou nos estúdios da RFI sobre os limites do humor e a recente polêmica envolvendo um personagem de histórias em quadrinhos europeu, que acabou entrando na corrida presidencial brasileira.

Além de animar ateliês de criação no instituto franco-brasileiro Alter-Brasilis, Iturrusgarai participa na sexta-feira (28) de uma noite de autógrafos na Livraria Portuguesa e Brasileira de Paris, onde expõe trabalhos inéditos na França. “Trago um livro de cartoons que foi traduzido em francês, que eu apresentei em um festival na Bélgica no ano passado, além de livros em português, do Rocky & Hudson, da Aline e um terceiro, de tira autobiográficas, chamado ‘Momentos brilhantes de minha vida ridícula’”, conta o cartunista.

Aline e Rocky & Hudson foram escolhidos pois estão entre os personagens mais famosos do cartunista, conhecido por histórias marcadas por sua conotação sexual. A primeira, uma jovem feminista à sua maneira, que mantinha um relacionamento amoroso com dois homens ao mesmo tempo, fez sucesso durante anos nas páginas do jornal Folha de S. Paulo. Já o casal de cowboys gays foi precursor, sendo criado bem antes do mundo se emocionar com o filme “O segredo de Brokeback Mountain”.

"Poliamor ficou comum"

“Tem sempre pessoas que ficam chocadas como esse tipo de assunto, como a homossexualidade ou as drogas. Afinal, o Brasil é um país católico. Mas sempre dá para trabalhar esses temas”, comenta Iturrusgarai. Além disso, ele lembra que o ineditismo desses assuntos já passou, e que as problemáticas abordadas antes causam menos polêmica nos dias atuais. “O poliamor ficou tão comum que acabou a transgressão”, avalia o cartunista, em alusão ao personagem de Aline.

No entanto, mesmo se mora na Argentina, Iturrusgarai não ficou alheio à recente polêmica envolvendo uma história em quadrinhos europeia criticada por sua conotação sexual. Questionado sobre as denúncias lançadas pelo candidato da extrema direita à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, que acusou o personagem Titeuf, do franco-suíço Zep, de promover a homossexualidade entre as crianças nas escolas brasileiras, o cartunista é categórico: “Bolsonaro representa a banda podre do país. O Brasil sempre teve uma banda podre, com pouca cultura, só que agora parece que esses caras conseguiram se unir”, sentencia. “Estou um pouco afastado do Brasil, mas vejo o que está acontecendo. Parece uma coisa bem assustadora”, diz.

Iturrusgarai tem vários novos projetos em andamento. Além dos livros na gaveta, prontos para serem publicados, ele trabalha na criação de uma revista e em adaptações audiovisuais. “Estamos fazendo 13 episódios dos cowbois Rocky & Hudson em desenho animado”, afirma. Aline também deve ganhar vida em breve e até uma versão na televisão está nos planos do cartunista.

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris