rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Por Silvano Mendes

O cartunista brasileiro Adão Iturrusgarai participa de uma série de eventos em Paris, como parte do festival Jours du Pantanal (Dias de Pantanal). Conhecido por seus personagens irreverentes, ele falou nos estúdios da RFI sobre os limites do humor e a recente polêmica envolvendo um personagem de histórias em quadrinhos europeu, que acabou entrando na corrida presidencial brasileira.

Além de animar ateliês de criação no instituto franco-brasileiro Alter-Brasilis, Iturrusgarai participa na sexta-feira (28) de uma noite de autógrafos na Livraria Portuguesa e Brasileira de Paris, onde expõe trabalhos inéditos na França. “Trago um livro de cartoons que foi traduzido em francês, que eu apresentei em um festival na Bélgica no ano passado, além de livros em português, do Rocky & Hudson, da Aline e um terceiro, de tira autobiográficas, chamado ‘Momentos brilhantes de minha vida ridícula’”, conta o cartunista.

Aline e Rocky & Hudson foram escolhidos pois estão entre os personagens mais famosos do cartunista, conhecido por histórias marcadas por sua conotação sexual. A primeira, uma jovem feminista à sua maneira, que mantinha um relacionamento amoroso com dois homens ao mesmo tempo, fez sucesso durante anos nas páginas do jornal Folha de S. Paulo. Já o casal de cowboys gays foi precursor, sendo criado bem antes do mundo se emocionar com o filme “O segredo de Brokeback Mountain”.

"Poliamor ficou comum"

“Tem sempre pessoas que ficam chocadas como esse tipo de assunto, como a homossexualidade ou as drogas. Afinal, o Brasil é um país católico. Mas sempre dá para trabalhar esses temas”, comenta Iturrusgarai. Além disso, ele lembra que o ineditismo desses assuntos já passou, e que as problemáticas abordadas antes causam menos polêmica nos dias atuais. “O poliamor ficou tão comum que acabou a transgressão”, avalia o cartunista, em alusão ao personagem de Aline.

No entanto, mesmo se mora na Argentina, Iturrusgarai não ficou alheio à recente polêmica envolvendo uma história em quadrinhos europeia criticada por sua conotação sexual. Questionado sobre as denúncias lançadas pelo candidato da extrema direita à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, que acusou o personagem Titeuf, do franco-suíço Zep, de promover a homossexualidade entre as crianças nas escolas brasileiras, o cartunista é categórico: “Bolsonaro representa a banda podre do país. O Brasil sempre teve uma banda podre, com pouca cultura, só que agora parece que esses caras conseguiram se unir”, sentencia. “Estou um pouco afastado do Brasil, mas vejo o que está acontecendo. Parece uma coisa bem assustadora”, diz.

Iturrusgarai tem vários novos projetos em andamento. Além dos livros na gaveta, prontos para serem publicados, ele trabalha na criação de uma revista e em adaptações audiovisuais. “Estamos fazendo 13 episódios dos cowbois Rocky & Hudson em desenho animado”, afirma. Aline também deve ganhar vida em breve e até uma versão na televisão está nos planos do cartunista.

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França