rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza
RFI CONVIDA
rss itunes

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Por Silvano Mendes

O cartunista brasileiro Adão Iturrusgarai participa de uma série de eventos em Paris, como parte do festival Jours du Pantanal (Dias de Pantanal). Conhecido por seus personagens irreverentes, ele falou nos estúdios da RFI sobre os limites do humor e a recente polêmica envolvendo um personagem de histórias em quadrinhos europeu, que acabou entrando na corrida presidencial brasileira.

Além de animar ateliês de criação no instituto franco-brasileiro Alter-Brasilis, Iturrusgarai participa na sexta-feira (28) de uma noite de autógrafos na Livraria Portuguesa e Brasileira de Paris, onde expõe trabalhos inéditos na França. “Trago um livro de cartoons que foi traduzido em francês, que eu apresentei em um festival na Bélgica no ano passado, além de livros em português, do Rocky & Hudson, da Aline e um terceiro, de tira autobiográficas, chamado ‘Momentos brilhantes de minha vida ridícula’”, conta o cartunista.

Aline e Rocky & Hudson foram escolhidos pois estão entre os personagens mais famosos do cartunista, conhecido por histórias marcadas por sua conotação sexual. A primeira, uma jovem feminista à sua maneira, que mantinha um relacionamento amoroso com dois homens ao mesmo tempo, fez sucesso durante anos nas páginas do jornal Folha de S. Paulo. Já o casal de cowboys gays foi precursor, sendo criado bem antes do mundo se emocionar com o filme “O segredo de Brokeback Mountain”.

"Poliamor ficou comum"

“Tem sempre pessoas que ficam chocadas como esse tipo de assunto, como a homossexualidade ou as drogas. Afinal, o Brasil é um país católico. Mas sempre dá para trabalhar esses temas”, comenta Iturrusgarai. Além disso, ele lembra que o ineditismo desses assuntos já passou, e que as problemáticas abordadas antes causam menos polêmica nos dias atuais. “O poliamor ficou tão comum que acabou a transgressão”, avalia o cartunista, em alusão ao personagem de Aline.

No entanto, mesmo se mora na Argentina, Iturrusgarai não ficou alheio à recente polêmica envolvendo uma história em quadrinhos europeia criticada por sua conotação sexual. Questionado sobre as denúncias lançadas pelo candidato da extrema direita à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, que acusou o personagem Titeuf, do franco-suíço Zep, de promover a homossexualidade entre as crianças nas escolas brasileiras, o cartunista é categórico: “Bolsonaro representa a banda podre do país. O Brasil sempre teve uma banda podre, com pouca cultura, só que agora parece que esses caras conseguiram se unir”, sentencia. “Estou um pouco afastado do Brasil, mas vejo o que está acontecendo. Parece uma coisa bem assustadora”, diz.

Iturrusgarai tem vários novos projetos em andamento. Além dos livros na gaveta, prontos para serem publicados, ele trabalha na criação de uma revista e em adaptações audiovisuais. “Estamos fazendo 13 episódios dos cowbois Rocky & Hudson em desenho animado”, afirma. Aline também deve ganhar vida em breve e até uma versão na televisão está nos planos do cartunista.

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras