rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

Por Elcio Ramalho

Ilustradora e cartunista, Luli Penna esteve em Paris para falar e divulgar seu livro “Sem Dó” (Ed. Todavia), lançado em 2017 e já apresentado em outros países.

Ela vibra ao comentar como sua “graphic novel” em preto e branco foi alçada à categoria de literatura para os estudantes de pós-graduação da Universidade Sorbonne, no programa acadêmico sob orientação do professor e escritor Leonardo Tônus. 

“É sintomático deste momento em que os quadrinhos são elevados à qualidade de literatura. É um indício de como os quadrinhos estão em uma maré de aceitação e produção, pois em uma época eram considerados uma arte menor”, diz Luli.

Formada em Letras, ela deixou o universo acadêmico para investir na carreira de cartunista, iniciada com tiras e cartuns em jornais e revistas brasileiras. Mas a carreira tomou um novo rumo depois de ver Persépolis.

O livro da iraniana Marjane Sartropi provocou grande sensação mundial ao relatar em quadrinhos a saga de sua família de pais marxistas durante a revolução islâmica, em 1979. “Fiquei impressionada com a força da narrativa e como a história foi contada de maneira tão simples e em preto e branco. Fiquei tão impactada que também pensei em contar uma história mais longa”, recordou. 

No seu primeiro romance em quadrinhos, Luli Penna se debruçou sobre uma história familiar com foco no seu avô e tio-avô anarquistas espanhóis desembarcados no Brasil. Como se tornaram arquitetos famosos e se envolveram em muitas polêmicas, seria um prato cheio para o projeto. No entanto, durante sua pesquisa biográfica, a descoberta de fatos e vivência das mulheres da família fez o enredo ganhar outros contornos e deu voz a uma história de amor trágica, e de vidas marcadas pela opressão.

“Fiquei mais apaixonada por elas, foi importante ter passado para o mundo das mulheres e a história fluiu com mais facilidade, tanto no texto quando nas imagens”, destacou.

A história é ambientada na década de 1920 em São Paulo, período marcado pelo forte desenvolvimento industrial da cidade.

O romance também tem contornos de ficção e ganhou o estilo típico do cinema mudo, com os quadrinhos todos em preto e branco, sem a presença de balões típicos. A opção foi por uma linguagem como “as histórias eram contadas na época”, segundo a ilustradora.

Momento forte e especial

A recepção de “Sem Dٕó” tem sido muito positiva no Brasil, onde foi lançado em outubro de 2017, e nos países onde foram apresentados, como nos Estados Unidos, onde a publicação fez parte de um programa com escritores brasileiros em Chicago.

Ela credita a esse interesse ao momento em que esse gênero literário atravessa. “Apesar de não estarmos em um momento muito bom no Brasil, o quadrinho está em um momento interessante. Muita gente está produzindo, mulheres, autores importantes”, diz, lembrando de nomes como Marcelo D’Salete, autor de Angola Janga.

“Essas graphic novels, estão em um momento forte e especial no Brasil”, diz Luli que confessou ter novos projetos, entre eles um outro longo romance de quadrinhos, mas desta vez ambientado em uma atmosfera contemporânea.

 

 

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa