rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

Por Elcio Ramalho

Rio 2016. Aos olhos do mundo inteiro, a Cidade Maravilhosa era uma festa, anfitriã do maior evento esportivo do planeta. Mas nem todos os cariocas viram e conviveram com o espetáculo da mesma maneira. Um olhar focado em uma população marginalizada instalada nas proximidades do estádio Maracanã durante a realização das Olimpíadas resultou no documentário “L’Autre Rio” (Um Outro Rio, em tradução livre), da cineasta canadense Emilie Beaulieu Guérette.

Lançado neste dia 10 de outubro na França e na Bélgica, o trabalho mergulha no cotidiano de uma comunidade que ocupava o antigo prédio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), demolido tempos depois.

Localizado perto do mítico estádio de futebol, palco das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos, o prédio se tornou um símbolo emblemático ideal para o objetivo da documentarista canadense de mostrar algumas contradições da cidade.  

 “Na época, no prédio abandonado do IBGE viviam cerca de 100 famílias. Era bem em frente ao estádio do Maracanã, achei esse contraste interessante para fazer um documentário para mostrar essa população marginalizada do Rio de Janeiro e, por outro lado, a beleza, a fartura das Olimpíadas”, explicou na entrevista à RFI Brasil.  

Cineasta com formação em antropologia, Emilie dividiu nos últimos anos seu tempo entre Montreal e o Rio de Janeiro, onde desenvolveu interesse crescente pela questão do direito de moradias.

“Minha intenção é registrar o modo de vida de pessoas que estão à margem da sociedade e como elas se organizam para ocupar espaços urbanos”, diz sobre a temática de seu trabalho.  

O processo de pesquisa de “L’Autre Rio” durou cerca de quatro anos. No início, Emilie e sua equipe de produção buscaram primeiramente as 22 mil famílias diretamente afetadas pelo projeto das autoridades locais de remover moradias nas proximidades dos locais que abrigariam megaeventos esportivos, como os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo. Mas como elas já haviam sido deslocadas quando chegou ao local, a cineasta chegou ao antigo prédio do IBGE.  “Era um local que me atraía, mas me dava um certo medo. Dava para ver que era fechado e extremamente precário”, lembrou.

Sinal verde dos traficantes de drogas

Para poder entrar e filmar no prédio, que faz parte da favela da Mangueira, ela comentou que precisou negociar com os traficantes de drogas que controlavam o local.

Um dos moradores do local, Carlos Alexandre, conhecido como Paulista, adorou e abraçou a proposta e a apresentou aos controladores do tráfico. “O acordo desde o início é que eu poderia falar de tudo menos do tráfico. Na verdade poderia falar, mas não filmá-los até porque tinha uma ‘boca de fumo’ dentro do IBGE. A condição era de nunca filmar a ‘boca’. Respeitamos também porque não era a proposta do filme”, justificou.  

No início, as filmagens foram feitas com a presença de um “acompanhante”, mas com o tempo, a cineasta e sua equipe de gravação puderam andar tranquilamente pelo local.  

“Teve um momento ou outro, quando a câmera apontava para a (favela) Mangueira. O prédio era muito alto e eles achavam que uma outra ‘boca de fumo’ podia entrar no quadro. Eles avisavam sutilmente, por meio de alguém, nem se dirigiam diretamente a mim”, contou.

Com mais de uma hora e meia de duração, o trabalho  relata o cotidiano dos moradores durante o período olímpico alinhavado com muitos depoimentos, sendo a maioria de mulheres.

A opção de dar mais voz a personagens femininas foi assumida pela cineasta canadense: “Minha intenção não era mostrar de clichês, imagens estereotipadas das mulheres. Na mídia, muitas vezes, a imagem das favelas é de extremos: de homens armados que gostam de violência e mulheres ou hipersexualizadas ou reduzidas ao papel de mãe, geralmente. Acho isso redutor”.

A cineasta Emilie Guérette com a equipe do filme "L'Autre Rio". Foto: Arquivo Pessoal

Proximidade com os personagens

A opção estética do filme por cenas longas e entrevistas em quadro fixo, com boa iluminação,  reforça a intenção da cineasta de ressaltar a beleza das pessoas do local.

A escolha narrativa vem, segundo Emilie, da escola canadense de documentário, qualificada de “cinema direto” ou “cinema verdade”, que consiste em tomadas  muitas vezes em ritmo lento, retratando o cotidiano e a proximidade com as pessoas com o intuito de revelar o lado mais espontâneo dos personagens.

Gravado durante a realização das Olimpíadas, o documentário é pontuado por raras cenas que mostram a interação dos moradores com o evento esportivo. Tanto crianças como adultos geralmente acompanham algumas competições pela televisão.

Mas em determinado momento, a cineasta acompanha uma moradora do prédio do IBGE que tenta vendar balas nos arredores do Maracanã, mas logo é afastada pelos seguranças do local. Outra diz em seu depoimento que foi impedida de trabalhar como limpadora de vidros em um cruzamento do bairro durante os dias do evento.

“Na época das Olimpíadas essas pessoas se tornaram ainda mais invisíveis, não podiam trabalhar porque davam uma imagem não tão limpa, não tão linda da cidade. Na época dos Olimpíadas elas foram deixadas ainda mais de fora. Quis dar visibilidade a elas”, afirmou.  

 “Não chega a ser um filme de denúncia, para mim é um retrato dessas pessoas que estão perto dos Jogos Olímpicos e, ao mesmo tempo, longe. Elas estão do lado do Maracanã mas não tem condições de pagar um ingresso para entrar. O filme enfoca essas pessoas, quem elas são, o que pensam para o futuro”,  acrescentou.

“A proposta era não esconder essa distância social, claro, sou branca, canadense, privilegiada… tem esse encontro. A curiosidade é mútua também dos moradores com uma equipe que passou filmando várias semanas lá. O documentário também é um relato desse encontro”, destacou.   

O documentário "L’Autre Rio" será lançado no dia 26 de outubro em Quebec e é finalista do prêmio Pierre Verger, concedido todos os anos pela Associação Brasileira de Antropologia.   

 

 

 

 

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris