rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Governo brasileiro precisa facilitar exportação para pequenos empresários", afirma designer de joias

Por Elcio Ramalho

A designer de joias Maria Oiticica, nascida na região da Amazônia, veio à Paris para desbravar novos mercados para seus produtos. Ela, que já tem um público sólido em Portugal, afirma que o Brasil precisa facilitar a exportação para os pequenos e médios empresários.

Uma das particularidades do trabalho de Maria Oiticica é a proposta de “biojoias”, objetos feitos com matéria-prima natural, como ela explica. “São palhas, sementes, madeira reciclada. É um trabalho baseado na sustentabilidade, com o conceito ético e com preços de comércio justos”, diz.

Maria Oiticica afirma que falta mais investimento do governo brasileiro em medidas que facilitem a exportação. “Nosso país está em crise. Então a porta de saída agora é a exportação. Não tem mais jeito, ou exporta, ou exporta”. Mas ela lembra que, uma vez superada a dificuldade de exportar, os produtos brasileiros fazem sucesso na Europa.

“Em Lisboa, tem a casa Pau Brasil, que representa marcas brasileiras, e a aceitação é enorme. Eles estão muito satisfeitos. Estou com uma proposta para abrir uma loja em Cascais e o parceiro seria também o distribuidor”, conta. “Isso facilitaria o mercado para Paris e toda a Europa”.

Entre os entraves ligados à exportação, Maria Oiticica cita a qualidade dos transportes e de armazenamento e os altos custos. “É preciso exportar em grupo. O governo devia olhar para micro e médias empresas. Nossa exportação [a brasileira] é muito setorial, para os grandes setores. E como meu material é pequeno, encarece ainda mais”. Ela também ressalta que o comércio online é desencorajado pelo fato de que o preço do frete, em muitos casos, supera o dos produtos.

Bijuterias que mudam vidas

Maria Oiticica conta que trabalha com um importante projeto social no Rio de Janeiro, que ajuda mães de filhos hospitalizados. “Chama-se Projetos Novos Caminhos. As mães ficavam sem ter o que fazer, porque precisavam passar o dia nos hospitais com as crianças, que têm problemas crônicos. Esse projeto leva trabalho para essas mães que, ao invés de ficarem sem ter o que fazer, passam a trabalhar”.

A designer de joias afirma que o material de seus produtos chamou logo a atenção das mulheres que fazem parte do projeto. “É uma coisa muito viva, quem trabalha com semente se apaixona, na mesma hora. É amor à primeira vista. Elas passaram a levar e trabalhar com aquilo na condução. São duas horas para chegar em casa, até as crianças brincam com as bolinhas, ajudam”.

O contato com um meio de produção, com rendimento financeiro, mudou a realidade das mães, segundo Maria Oticica. “Aquela mãe que não tinha um ‘tostão’, que era maltratada pela família porque pensavam que ela não fazia nada, ganharam um protagonismo social familiar, porque passaram a produzir”.

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris