rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

Por Silvano Mendes

O cineasta Filipe Galvon lançou na França, onde vive, o documentário “Encantado”. O filme, co-produzido pelo canal público francês Public Sénat, se interessa por uma parte da história do Brasil, relatada por personalidades políticas, filósofos, mas também brasileiros que vivem ou viveram na França e acompanharam de longe a transformação do país.

O documentário, apresentado como uma leitura histórica e ao mesmo tempo poética da crise brasileira dos últimos anos, tem como ponto de partida a escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. “Aquele momento foi o clímax de um certo encantamento que o Brasil provocava para o mundo, como um país que finalmente se afirmava, com grandes perspectivas de crescimento e inclusão social”, lembra o cineasta. Para contar sua história, ele usa como metáfora da crise brasileira atual o Encantado, bairro onde nasceu, que foi transformado pelas obras das Olimpíadas e abandonado em seguida.

Galvón, que estudou cinema em Paris, diz ser fruto desse momento histórico, como parte do que chama de primeira geração de classe popular a estudar fora do Brasil. “Sou a primeira pessoa da minha família a poder ter feito isso e tem a ver com essa época de ouro dos anos Lula e Dilma, que permitiram não só a prosperidade econômica, mas também a inclusão de uma certa classe média baixa”, analisa.

Dilma, Haddad, Ciro e Boulos analisam situação política

O jovem cineasta completa seu ponto de vista em comentários de outros brasileiros, também residentes na França. “A perspectiva de estar distante nos permite enxergar de maneira mais panorâmica e sem estar contaminado pelo dia a dia da crise e do medo da violência que cresceu nos últimos três anos”, argumenta. No entanto, o filme, cuja narrativa termina no momento da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também traz depoimentos de personalidades políticas, como Ciro Gomes, Guilherme Boulos, Fernando Haddad, e até a ex-presidente Dilma Rousseff, além do filósofo francês Alain Badiou, que tentam, cada um com seu prisma, avaliar a instabilidade recente do Brasil.

“É muito difícil explicar o que deu errado. O distanciamento histórico vai nos permitir”, pondera o diretor. “A gente vive um momento de extremos no mundo todo. E talvez a esquerda, que num certo momento deveria assumir uma agenda popular para a qual ela tinha sido eleita, tenha perdido o momento de colocar isso em prática”, continua. “Acho que isso gerou um desencanto à esquerda, que facilitou esse movimento da direita de se reivindicar algumas bandeiras de revolta para eles e ocupar a rua”.

Assista a entrevista completa no vídeo abaixo.

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci