rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Diferença entre PT e Bolsonaro diminui e Haddad cobra apoio de Ciro

Por RFI

Declarações polêmicas e tom agressivo da campanha do militar pesaram para crescimento do petista e deixa disputa no segundo turno mais acirrada.

Raquel Miura, correspondente da RFI em Brasília

O PT fala em virada na reta final e espera apoio formal de Ciro Gomes, embora reconheça que a diferença entre os dois candidatos seja muito grande. O PSL fez um apelo para que os políticos do partido continuem focados e evitem surpresas de última hora.

O que mexeu com os ânimos das duas equipes foi a pesquisa Datafolha divulgada na noite dessa quinta-feira (25) que, ao menos, garantiu um segundo turno um pouco mais emocionante do que muitos imaginavam. Jair Bolsonaro aparece com 56% dos votos válidos e Fernando Haddad, com 44%. Em uma semana, a diferença entre eles caiu de 18 para 12 pontos.

O candidato petista quer a militância na rua e ainda espera um posicionamento mais firme de alguns aliados. "Há um clima de virada, isso está acontecendo. Aqui na capital paulista já aconteceu. Liguei para o presidente do PDT, o Carlos Lupi e falei disso. E acho que com apoio do Ciro Gomes fica mais fácil. Já insisti nisso e vou continuar insistindo nesse apoio", afirmou Haddad.

Já o candidato Jair Bolsonaro cobrou dos deputados e senadores eleitos pelo PSL mais engajamento. "Os políticos da esquerda estão mobilizados. Já os que foram eleitos pelo PSL, muitos deles com minha ajuda, eu vejo que o engajamento deles está muito fraco. A eleição não terminou", disse o candidato. A equipe de Bolsonaro avalia que em SP, por exemplo, o PSL se dividiu entre João Dória e Márcio França e acabou deixando a briga presidencial em segundo plano.

Declarações polêmicas

Os últimos dias foram marcados por polêmicas envolvendo a candidatura Bolsonaro. O jornal Folha de S. Paulo trouxe reportagem sobre uma suposta compra, por empresas, de serviço de envio em massa de mensagens. Como as doações de empresa jurídica são proibidas, a prática é ilegal. O PSL diz que não há provas, mas apenas ilações. O TSE abriu processo para apurar o caso e vai contar com as investigações da Polícia Federal.

Também vieram à tona declarações do filho de Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro. Num vídeo gravado antes do primeiro turno, ele responde a uma pergunta sobre uma eventual vitória do pai anulada pela justiça por fatores secundários, sugerindo que, num caso assim, um soldado e um cabo seriam suficientes para fechar o Supremo Tribunal Federal. A frase provocou inúmeras reações do judiciário.

O próprio Jair Bolsonaro usou no fim de semana expressões agressivas contra adversários, ao falar até em faxina contra os vermelhos, em referência a eleitores do PT, o que levou Fernando Henrique Cardoso a condenar a postura nas redes sociais e Marina Silva a declarar apoio crítico a Haddad. A Rede já havia indicado voto contra Bolsonaro, mas deixou seus membros livres para escolher entre o PT e o voto nulo.

O cientista político Paulo Baía, da UFRJ, diz que tudo isso pesou contra Bolsonaro, ainda que tenha ele tenha amenizado o tom depois. "Essa postura mais agressiva acaba afastando eleitores ainda indecisos ou não tão convictos. A campanha do PT soube explorar isso. Acho que isso refletiu na pesquisa Datafolha, embora a diferença continua muito alta. Ou seja, Bolsonaro entra na reta final como favorito. É muito difícil reverter", acrescentou.

Rejeição

A pesquisa Datafolha mostrou que a rejeição de Bolsonaro cresceu três pontos e hoje é de 44%. A rejeição a Haddad caiu dois pontos, dentro da margem de erro, mas continua mais alta: 52%. O petista cresceu entre os que ganham acima de dez salários mínimos, mas Bolsonaro continua liderando com folga nesse seguimento, 62% a 32%. Na outra ponta, entre os que ganham até dois salários mínimos, Haddad está na frente com 47% contra 37% do militar.

O Datafolha ouviu 9.173 eleitores feita em 341 municípios nos dias 24 e 25 de outubro de 2018. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

Reino Unido: imbróglio do Brexit e crise com Irã à espera do novo primeiro-ministro

Escândalo de corrupção envolvendo partido de Salvini e Rússia balança governo da Itália

Venezuela: crise econômica faz homicídios caírem porque armas custam caro demais

Nova presidente da Comissão Europeia quer continente neutro em carbono até 2050

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país