rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Revista L’Obs traz matéria sobre o “Fascismo Tropical” de Bolsonaro

Por Márcia Bechara

A revista francesa L’Obs desta semana dedicou três páginas às agressões racistas e homofóbicas que “se multiplicaram no Brasil, nas vésperas do segundo turno das eleições onde Jair Bolsonaro “é o grande favorito”.

A revista L’Obs traz em sua reportagem o relato de um “pequeno grupo de homens que, após assassinar um travesti, urrava slogans como “Bolsonaro presidente, a caça aos veados será legalizada”, no dia 17 de outubro. “Alguns dias antes, um mestre de capoeira que defendia o PT foi morto com 12 facadas na Bahia”, diz o periódico.

“Além desses dois assassinatos”, continua a revista, “pelo menos outras 80 agressões de caráter político perpetradas por seus apoiadores mostram que o discurso violento, racista, homofóbicos e sexista do candidato de extrema direita liberou as piores pulsões de seu eleitorado.

“Os grandes veículos de comunicação brasileiros não o designam como tal”, diz a revista L’Obs, “mas Jair Bolsonaro é sim um líder de extrema direita”.

O periódico lembra o episódio da votação do impeachment de Dilma Rousseff no Congresso, em 17 de abril de 2016, quando Bolsonaro “mostrou a que veio” e fez “apologia da tortura, do Exército e da ditadura”. “Toda sua ideologia se encontra resumida nesta breve intervenção”, diz o L’Obs.

Movimento não organizado e sem ideologia clara

Segundo a revista, a “adesão massiva a Bolsonaro não foi causada apenas por pequenos grupos organizados”, mas pelo “naufrágio dos partidos tradicionais, marcados por escândalos de corrupção”, um fenômeno que teria deixado o “campo livre para se impor como a principal figura antipetista”.

A revista L’Obs enumera ainda uma série de fatores que teriam contribuído para o “fascismo tropical” no Brasil, como um “conjunto de eleitores pouco politizados e cheios de medo”, uma “espécie de anticomunismo” que engloba todos os possíveis “inimigos”, mesmo os imaginários, e a “influência incontestável do militarismo” nas eleições brasileiras de 2018.

Segundo o periódico, face a uma democracia apresentada como "inteiramente corrompida, o Exército é percebido como a última proteção.

"A falta de trabalho de memória em torno da ditadura militar brasileira permitiu a esse passado de reaparecer, favorecendo os problemas recentes", diz L'Obs, que termina como a afirmação do "possível ministro da Educação de Bolsonaro": "os livros de História que não relatam a verdade sobre 1964 devem ser eliminados". "A batalha pela memória está longe de terminar", conclui a revista francesa.

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo

A alguns dias das eleições europeias, imprensa francesa analisa "epidemia populista" no Velho Continente

O ministério da "incultura" do Brasil deve alimentar debates no Festival de Cannes

Evangélicos concorrem com muçulmanos em busca de novos fiéis nas periferias francesas

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"

‘Anti-Bolsonaro’, presidente mexicano encarna uma ‘renovação da esquerda’, diz revista francesa

Porta-voz negra e feminista de Macron quebra códigos da política francesa

Jovens franceses vivem com naturalidade ruptura da binaridade homem-mulher

Primeiro trimestre do governo Bolsonaro é uma “bagunça”, diz revista francesa

Polícia francesa adota regras para abordagem e prisão de transgêneros