rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza

Eleições 2018 Portugal Lisboa Brasil

Publicado em • Modificado em

Depois das agressões no 1° turno, brasileiros votam em clima de calma em Lisboa

media
Eleitora exibe a bandeira nacional na Faculdade de Direito de Lisboa, onde brasileiros puderam votar para presidente neste domingo (28). Adriana Niemeyer/RFI

Apesar de ser o primeiro dia de frio e de mudança de horário de inverno, os brasileiros levantaram cedo para votar na Faculdade de Direito de Lisboa. Diferentemente do primeiro turno, quando foram registradas agressões verbais entre eleitores, a votação na capital portuguesa está sendo tranquila neste domingo (28).


Adriana Niemeyer, correspondente da RFI em Lisboa

O cônsul do Brasil em Lisboa, José Roberto de Almeida Pinto, pediu à Polícia de Segurança Pública (PSP) uma “presença mais contínua como medida de precaução”. Mas, para ele, “os brasileiros saberão votar com espírito cívico, como sempre fizeram. Quanto à segurança não terão problemas”, assegura.

Lidiane de Carvalho do Movimento “Coletivo Andorinha”, que está seguindo a votação como observadora, diz estar contente com o andamento deste 2º turno depois dos "constrangimentos, violência verbal e do clima ruim e de desorganização no 1º turno”. 

"Nós nos preocupamos muito com os fatos ocorridos aqui no primeiro turno das eleições, quando houve muita violência verbal, psicológica, símbolo nazista - um clima ruim e de muita desorganização, devido ao aumento do colégio eleitoral. Nos preocupamos muito, como cidadãos brasileiros deste movimento de luta contra o ódio e pela democracia", diz. 

A brasileira diz que contatou diversas autoridades para que fossem melhoradas a organização e a segurança do segundo turno na capital portuguesa. "Escrevemos cartas ao consulado do Brasil, ao cônsul-geral do Brasil em Lisboa, com o governo e a PSP. E hoje tudo ocorre de uma maneira muito mais tranquila e organizada. Estamos muito contentes", reitera.

Para a fiscal Êvones Santos, que participou de várias eleições em Portugal, a diferença entre esses dois turnos é bem clara: no primeiro, houve muitos protestos dentro e fora da faculdade, bem como agressões verbais. Neste segundo, a votação é tranquila e os eleitores estão mais contidos: nenhum incidente grave foi registrado. 

"No primeiro turno, houve muita agitação e manifestações de preferências partidárias dentro e fora do local de votação. Houve também agressões verbais entre cidadãos e falta de policiamento. Mas, para o segundo turno, foram tomadas todas as medidas possíveis", salienta. 

40 mil brasileiros votam em Portugal

A participação de quase 35% dos eleitores incritos, no dia 7 de outubro, deve ser superada neste domingo. Desde as últimas eleições para presidente, em 2014, dez mil novos eleitores foram registrados. Dos 40 mil brasileiros que podem votar em Portugal, mais de metade (21.195) vota em Lisboa. Os demais no Porto e Faro.