rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Eleição de Bolsonaro: a oposição vai poder se opor?

Por Alfredo Valladão

No frigir dos ovos e apesar da extrema polarização, quem ganhou foi o processo democrático. O vencedor venceu bem, como anunciavam as sondagens. O perdedor perdeu bem, mas não foi humilhado. A democracia falou. Só que o país continua dividido e sem rumo. A questão agora é saber se o governo vai poder governar e se a oposição vai poder se opor.

Não houve adesão dos brasileiros. A maioria dos eleitores de Bolsonaro votaram contra Lula e o PT. E boa parte dos que escolheram Fernando Haddad, inclusive antipetistas convictos, votaram contra Bolsonaro.

Cada um votou com medo de um regime autoritário: Venezuela versus ditadura militar de 1964. Como se o poder executivo federal fosse todo poderoso. Pura fantasmagoria num país com um Legislativo e um Judiciário bastante independentes, um apego muito forte da população aos valores democráticos, grupos de interesse influentes e diversificados (de direita e de esquerda) e uma população urbana, hiperconectada, mobilizada e informada.

E as Forças Armadas que deixaram claro que não tinham a mínima intenção de apoiar aventuras deste tipo. Mas com tanto voto contra, governo e oposição vão ter pouca legitimidade para se sustentar se não houver um esforço de reconciliação honesto dos dois lados.         

Ainda por cima, os programas dos dois candidatos – quando existiam – não convenciam. Como enfrentar os desafios imediatos da falência do Estado, da explosão do desemprego, da obsolescência e falta de competitividade da indústria e da crônica falta de investimentos nas infraestruturas? Sem falar nas catástrofes que são a educação, a saúde e a segurança públicas. E nas reformas urgentes como a da Previdência e do regime eleitoral.

Acabou a farra

O PT defendeu seu programa de sempre, só que mais radical. Esquecendo a sua responsabilidade pela maior crise moral, econômica e política da história do país: um Estado todo poderoso distribuindo subsídios para pobres e ricos, e comprando a pequena classe média com consumo financiado pelos cofres públicos. O problema é que acabou o dinheiro, e que a dívida do Estado bateu no fundo do poço.

Acabou a farra do endividamento sem limites e a ilusão de viver só de exportação de matérias-primas. A credibilidade desse programa é zero. Do outro lado, Bolsonaro não apresentou nenhuma fórmula coerente – fora alguns ajustes de cunho liberal aqui e acolá.

Na verdade, esta eleição é só o último episódio da crise de civilização que o Brasil atravessa. O velho sistema social clientelista, rentista e corporativista, fundado numa imensa desigualdade social e na exploração de poucas “commodities”, não tem mais condições de sobreviver.

A ojeriza ao mercado – da esquerda e da direita – bate de frente com a revolução mundial das novas tecnologias e maneiras de produzir. A nossa democracia vai ter que aprender a se virar num ambiente muito mais competitivo e aberto. E Haddad e Bolsonaro ainda são avatares populistas do mundo de ontem. Porém há boas notícias.

Negociação com os fisiologistas e a oposição

A renovação do Congresso e dos governos estaduais foram espetaculares. Para governar, o novo presidente vai ter que negociar permanentemente com um Legislativo novo e extremamente fragmentado. Não vai conseguir funcionar sem acordos pontuais com o fisiologismo e a oposição. Esta por sua vez, vai ter que sair do “Nós contra Eles” e aprender a propor soluções responsáveis. Criticar e fiscalizar o governo é seu papel, mas também apoiá-lo quando acerta.

Mas nada será possível sem muita autocrítica dos dirigentes petistas e muita concertação com os outros partidos de oposição. Não pode haver oposição democrática responsável se o PT insistir em ser dono da bola. Prepotências autoritárias, tanto do novo presidente quanto do petismo, seriam prolongar a nossa crise civilizatória, mergulhando o país no atraso.

Num rasgo de lucidez, Michel Temer definiu perfeitamente o funcionamento de uma democracia: “O eleito hoje é uma autoridade constituída, não um titular do poder”. É melhor ser otimista: os otimistas só sofrem no fim, os pessimistas sofrem o tempo inteiro.

 

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade