rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Grupo franco-brasileiro Bel Air de Forró é finalista em concurso internacional

Por Maria Paula Carvalho

O grupo franco-brasileiro Bel Air de Forró vem conquistando o público da França com uma mistura de ritmos do nordeste brasileiro e da região francesa da Bretanha. O trio está entre os finalistas do Festival Villes des Musiques du Monde.

O grupo é formado por Mariana Caetano, nos vocais, Marcelo Costa, na percussão, e o acordeonista bretão Yann Lecorre. Eles participam do evento, que vai até o dia 11 de novembro, e estão entre os seis finalistas de um concurso de músicos do mundo todo, que teve participação de artistas de diversos países.

“A expectativa é muito grande, a gente está muito feliz de estar entre os finalistas, de poder levar a música brasileira à final desse concurso de músicas do mundo, em Paris”, diz Mariana.

O grupo mergulha nas influências da música brasileira, como o forró, o maracatu, o coco, numa mistura temperada com a cultura do oeste da França.

“Yann chegou no grupo tocando acordeão. Ele tem uma visão bem moderna da música bretã e trouxe essa maneira de tocar, que é um suíngue um pouco diferente, e a gente tenta adaptar ao que fazemos. Por enquanto estamos numa eterna busca de quais são as melhores maneiras de fazer isso, mas é muito gostoso justamente essa pesquisa musical”, explica Marcelo.

“Eu gosto muito da música popular do Brasil e tem uma mistura muito fácil com a música da Bretanha”, conta Yann.

Nascida no Rio de Janeiro, com um trabalho anterior no teatro, Mariana Caetano vive na França desde 2004. Ela costuma dizer que o contato com o patrimônio musical extremamente vivo da Bretanha lhe transformou como pessoa. O mais curioso é entender porque essa carioca não apostou no samba, mas sim na música do nordeste brasileiro.

“Apesar de ser carioca e amar muito o Rio de Janeiro, meu coração bate forte pelo estado de Pernambuco. Eu morei na cidade histórica de Olinda, onde cheguei com minha mala, um acordeão de 32 baixos e fiz aula com Arlindo dos oito baixos. Então para mim foi sempre uma evidência que fazer música seria misturar a ciranda, o maracatu, o forró”, conta. “E quando eu encontrei o Marcelo aqui, já tem mais de dez anos, havia coisas similares entre nós, pesquisávamos as mesmas coisas, essa busca de valorizar um outro olhar sobre o Brasil, ainda mais que estávamos morando fora do país, e de levar algo além do samba, que já tem um lugar conquistado na história da música”, completa.

O grupo lançou o primeiro álbum, chamado na Estrada, em 2016, e está preparando outro para 2019, intitulado Sertão do Mar.

“O título nasceu de uma música que o Yann compôs, com essa influência um pouco bretã, e eu acho que representa a busca que tínhamos por compor. No primeiro disco fizemos muitos covers de músicas que já existiam e agora nesse segundo disco estamos animados para colocar cada vez mais coisas que nós criamos juntos”, diz o percussionista Marcelo. 

Forró em francês

Na hora de compor, o grupo trabalha nas duas línguas. “Nós gravamos uma música em francês no primeiro disco que todo mundo adorou e estamos animados para compor mais em francês. Estamos testando coisas nas músicas tradicionais, em transformar as letras e adaptar um pouco, porque sempre as pessoas ficam muito curiosas aqui na França para saber do que a gente está falando. Queremos abrir para eles conhecerem as temáticas da música do sertão” completa Marcelo.

“A gente fala sempre muito de amor, como fala o forró, da condição do nordestino, como no início do forró, com Luiz Gonzaga, que era mostrar como é o cotidiano desse povo do sertão, da seca, da dificuldade da vida cotidiana. É claro que nós não moramos no sertão, mas estamos defendendo essa música e acredito que esses temas, da vida dessas pessoas, vão sempre vir nas nossas letras”, afirma Mariana.

“Uma coisa que é muito difícil para gente aqui na França é o estereótipo do que é o brasileiro, porque tem essa ideia da festa, do futebol, do carnaval. A gente tem a intenção de mostrar esse outro lado do Brasil que seria um pouco o nordeste e a condição desse povo”, conclui Marcelo Costa.

 

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris