rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Declarações de Bolsonaro não devem atrapalhar comércio com a China, dizem especialistas

Por Paloma Varón

As declarações sobre a China feitas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e pelo futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, não devem impactar o comércio entre os dois países a partir de 2019, segundo os especialistas em comércio exterior Rubens Barbosa e Primo Roberto Segatto. Já para Charles Tang, presidente da Câmara de Comércio Brasil-China, o Brasil deveria tratar melhor o seu maior parceiro.

O ex-embaixador do Brasil em Washington (1999-2004) e atualmente presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e do Conselho Superior de Comércio Exterior da Fiesp, Rubens Barbosa, não acredita que haverá diminuição de importações nem de exportações sob Bolsonaro.

“Tem que aguardar começar o governo. Uma coisa é fazer declaração durante a campanha, outra é quando começar o governo. A China é o nosso principal mercado, é o principal mercado importador e exportador do Brasil. Vai continuar a (ser) prioridade, não se pode realocar a exportação de produtos alimentícios e agrícolas da China para outro lugar, assim como não é possível deixar de exportar carros para a Argentina", avalia o ex-embaixador.

A China é o principal parceiro comercial do Brasil e representa mais de 26% das exportações e quase 20% das importações. De janeiro a setembro de 2018, a balança comercial entre os dois países deu um saldo positivo de US$ 20 bilhões para o Brasil, segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

“Os principais produtos que o Brasil exporta para a China são produtos alimentícios, soja, milho, grãos. E o Brasil importa muito equipamento, tecnologia. Nós temos que fazer um esforço para a ampliação e diversificação da nossa pauta comercial para a China, uma pauta que seja mais substantiva", defende Barbosa.

"O Brasil participou com mais de 110 empresas, agora em novembro, de uma grande feira de compras que houve em Xangai. A China fez esta feira com o objetivo de ampliar as suas importações", completa.

Manter a balança favorável

Para o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (Abracex), Primo Roberto Segatto, é importante manter a balança comercial favorável com a China e se abrir para outros países.

"A China é um bom mercado, embora eles importem só produtos primários do Brasil, minérios de ferro, soja. Mas é um grande importador, então eu acho que com a China deveria haver um entendimento. E também atingir outros países", diz Segatto.

A relação de Brasília com Pequim não passa só por importações e exportações, mas por um investimento maciço do país asiático no Brasil, que é de interesse nacional, como explica o presidente da Câmara de Comércio Brasil-China, Charles Tang.

"A China é o maior parceiro comercial do Brasil e normalmente você deveria tratar bem seus clientes, principalmente quando é o melhor cliente que você tem. Eu acredito que tanto o presidente Bolsonaro, que já modificou um pouquinho a fala dele depois da visita do embaixador da China, quanto o novo ministro das Relações Exteriores vão entender que o interesse nacional do Brasil é o que vai comandar as relações comerciais", analisa Tang.

Charles Tang lembra que, durante a crise econômica brasileira, a China foi o maior investidor no país, mesmo quando o risco era grande.

"A China investiu maciçamente no país, além de ser o maior parceiro comercial, dando um superávit gigantesco todo ano para o Brasil, que ajudou o Brasil a ter os quase 400 bilhões [de dólares] de reservas em divisas", destaca o presidente da Câmara de Comércio Brasil-China.

"Se não fosse pelo comércio e pelos investimentos dos chineses, certamente o Brasil demoraria muito mais para sair da crise. Na verdade, eu acho que o Brasil tem que dar uma medalha para a China, porque, na pior crise econômica pela qual o país passou, os chineses tiveram a coragem de investir num país cujo rating estava desabando. E de fazer gigantescos empréstimos, necessários para um país nesta crise e com o rating desabando", conclui Tang.

Movimento de "coletes amarelos" faz vendas de final de ano despencarem na França

Empresários franceses esperam ações concretas de Bolsonaro sobre dívida e crescimento

Comércio entre Brasil e Irã ainda não foi impactado pelas sanções americanas a Teerã

Privatizações previstas por Bolsonaro agradam investidores estrangeiros

"Inteligência artificial vai mais criar do que destruir empregos no século XXI", diz especialista

França: Plano com mais de 100 medidas visa integrar refugiados em mercado de trabalho

Nacionalismo ambíguo de Bolsonaro entrará em conflito com visão de Guedes, dizem economistas

Destaque do Salão do Automóvel de Paris, carro elétrico ainda enfrenta obstáculos para emplacar

Lehman Brothers: dez anos depois, profissionais das finanças relembram falência do banco

“Sem forte ajuste fiscal e reforma da Previdência, próximo presidente não terminará seu mandato”, afirma economista Octavio de Barros

Medidas econômicas de Maduro são incoerentes e explosivas, dizem analistas

Superoferta mundial de açúcar faz produtores brasileiros direcionarem safra para etanol