rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Documentário sobre dançarina Helenita Sá Earp é destaque em Paris

Por Marcos Lúcio Fernandes

O documentário “Dançar”, que conta a história de Helenita Sá Earp, é apresentado nesta terça-feira (27) na Maison d’Amérique Latina, em Paris, numa parceria com o Centro Cultural do Brasil. Ela foi uma das dançarinas mais importantes do último século no Brasil, com uma técnica revolucionária que deixou um enorme legado para os estudos dessa arte no país.

“Helenita é uma figura chave para o processo de desenvolvimento da dança no Brasil. Ela entra na Universidade e começa a desenvolver uma série de pesquisas, de ensino e criação, para que as práticas corporais e a pesquisa do movimento, pudessem estar sempre num processo de transformação, de renovação”, afirma André Meyer, professor da UFRJ e roteirista de "Dançar". “Junto com isso, ela desenvolve uma intensa produção coreográfica, alicerçando as bases para a criação e a inseminação da dança no ensino superior em nosso país”.

“Ela faz isso num momento histórico, quando a Universidade de Educação Física era militarizada. É muito pioneirismo colocar arte onde existe esses limites rígidos do corpo, onde não se pode ter muito espaço para fazer o que está fora do que foi determinado”, explica Eloa Chaignet, pesquisadora em dança especializada na técnica de Helenita Sá Earp.

De acordo com André Meyer, em 1941, Helenita criou um curso de especialização e, já em 1943, um grupo de dança na então Universidade do Brasil. “Todo esse processo de investigação da dança foi intensificado por ela e foi se criando uma espécie de ilha de resistência, até que isso explodiu com uma força e seu trabalho foi se disseminando no país”, diz.

Qualquer corpo pode dançar

Para Eloa, na metodologia da Helenita existe um diálogo com outras disciplinas, como a ciência e a biologia. Além disso, “o que é interessante é que qualquer corpo pode dançar, não tem uma estrutura física específica. Só é preciso fazer movimento e ele pode ser feito de inúmeras formas”, ressalta. “A metodologia que ela criou não limita, não é uma dança que tem passos, é uma dança onde tem movimentos.”

Encontrar os arquivos para produzir o documentário “Dançar” foi um desafio, segundo André Meyer, mas também uma benção. “Nós praticamente não tínhamos registros em imagem. Isso, por outro lado, foi muito interessante para a roteirização do filme, porque nos levou a reconstruir os temas coreográficos em várias locações externas”, justifica.

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna