rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Documentário sobre dançarina Helenita Sá Earp é destaque em Paris

Por Marcos Lúcio Fernandes

O documentário “Dançar”, que conta a história de Helenita Sá Earp, é apresentado nesta terça-feira (27) na Maison d’Amérique Latina, em Paris, numa parceria com o Centro Cultural do Brasil. Ela foi uma das dançarinas mais importantes do último século no Brasil, com uma técnica revolucionária que deixou um enorme legado para os estudos dessa arte no país.

“Helenita é uma figura chave para o processo de desenvolvimento da dança no Brasil. Ela entra na Universidade e começa a desenvolver uma série de pesquisas, de ensino e criação, para que as práticas corporais e a pesquisa do movimento, pudessem estar sempre num processo de transformação, de renovação”, afirma André Meyer, professor da UFRJ e roteirista de "Dançar". “Junto com isso, ela desenvolve uma intensa produção coreográfica, alicerçando as bases para a criação e a inseminação da dança no ensino superior em nosso país”.

“Ela faz isso num momento histórico, quando a Universidade de Educação Física era militarizada. É muito pioneirismo colocar arte onde existe esses limites rígidos do corpo, onde não se pode ter muito espaço para fazer o que está fora do que foi determinado”, explica Eloa Chaignet, pesquisadora em dança especializada na técnica de Helenita Sá Earp.

De acordo com André Meyer, em 1941, Helenita criou um curso de especialização e, já em 1943, um grupo de dança na então Universidade do Brasil. “Todo esse processo de investigação da dança foi intensificado por ela e foi se criando uma espécie de ilha de resistência, até que isso explodiu com uma força e seu trabalho foi se disseminando no país”, diz.

Qualquer corpo pode dançar

Para Eloa, na metodologia da Helenita existe um diálogo com outras disciplinas, como a ciência e a biologia. Além disso, “o que é interessante é que qualquer corpo pode dançar, não tem uma estrutura física específica. Só é preciso fazer movimento e ele pode ser feito de inúmeras formas”, ressalta. “A metodologia que ela criou não limita, não é uma dança que tem passos, é uma dança onde tem movimentos.”

Encontrar os arquivos para produzir o documentário “Dançar” foi um desafio, segundo André Meyer, mas também uma benção. “Nós praticamente não tínhamos registros em imagem. Isso, por outro lado, foi muito interessante para a roteirização do filme, porque nos levou a reconstruir os temas coreográficos em várias locações externas”, justifica.

“Ataques contra universidades estimularam criação do Observatório do Conhecimento”, diz professora da UFRJ

“Eu sou uma mistura, então minha música é mestiça”, diz violonista pernambucana Fernanda Primo

“Em tempos de segregação no Brasil, jovens são os mais atacados”, diz professor em Paris

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa