rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Por Márcia Bechara

A Pipa Social, um projeto de empoderamento de mulheres de favelas do Rio de Janeiro, oferece pela primeira vez ao público francês produtos desenvolvidos por estas artesãs cariocas. Paris recebe até o dia 7 de dezembro um bazar de Natal especial, com peças criadas fora do mercado formal de trabalho, a partir de diretivas que respeitam a tríade formação, inclusão e integração.

O projeto Pipa Social trabalha com o desenvolvimento de talentos de forma criativa, inclusiva, integrada e comprometida com o bem estar das artesãs das favelas cariocas. Segundo sua diretora, Helena Rocha, o terceiro setor capacita muito bem esta mão-de-obra no Brasil. “Tanto Ongs quanto o Senai oferecem cursos de capacitação excelentes, mas a entrada no mercado não acontece, principalmente no Rio de Janeiro, uma cidade que está quebrada e com muitos problemas, como o tráfico de drogas, milícias e muita violência”, conta.

“Uma mulher de uma favela carioca não tem oportunidade de mostrar seus talentos. Ela fica muito frustrada quando ganha o diploma e sabe que tem esse talento, mas não consegue mostrá-lo por falta de oportunidade”, diz Helena. Segundo ela, a Pipa Social existe para qualificar essas pessoas e colocá-las no mercado. “Ninguém contrata uma pessoa que sabe jazer bijuteria ou bordado. Então as preparamos profissionalmente para entrar neste mercado de forma autônoma. Temos parcerias fantásticas com o mundo acadêmico e corporativo, com resultados financeiros concretos para estas mulheres”, relata.

Profissão valoriza a mulher dentro de casa

“A partir do momento em que elas têm uma informação adequada de o que é a profissão, elas passam a ter consciência de que têm uma profissão de fato, e de que elas podem realmente viver disso. E isso faz uma diferença enorme”, afirma Helena Rocha.

“Essas mulheres passam a ser matriarcas de suas famílias. Passam a conviver numa briga frequente com o tráfico e com as milícias para segurar seus filhos dentro de casa, para que eles não sejam cooptados”, conta Rocha. Ela diz ainda que com a falta de emprego de seus maridos e com a ausência do homem dentro do mercado formal de trabalho, elas passam a ter mais orgulho dentro de casa, porque possuem um trabalho. “Toda a família, incluindo filhos e maridos, passam a respeitar muito mais essa mulher, que consegue aglutinar essa família”, diz.

O Bazar de Natal do projeto Pipa Social acontece no Atelier Bridaine, no número 8 da rua Bridaine, no 17° distrito de Paris, até o dia 7 de dezembro.

“Em tempos de segregação no Brasil, jovens são os mais atacados”, diz professor em Paris

Crise na Igreja Católica brasileira é uma das razões da diminuição de fiéis, explica sociólogo

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris