rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Tudo indica que Bolsonaro terá governo de milícias”, afirma professora da USP

Por Marcos Lúcio Fernandes

A violência foi um dos temas mais debatidos durante a campanha eleitoral para a presidência do Brasil em 2018. Todos os candidatos propuseram soluções para o problema crescente no país – e venceu aquele que tinha em seu programa a “flexibilização do porte de armas”. A professora de Sociologia Urbana do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP, Cibele Rizek, e docente convidada do Instituto de Pesquisas para o Desenvolvimento de Paris, participa nesta sexta-feira (19) da conferência “Sociabilidades e violências: a paz partilhada no Estado de São Paulo”, na Maison de Sciences de L’homme. Em entrevista à RFI, a especialista disse que a presença do Primeiro Comando da Capital, o PCC, foi responsável pela queda da taxa de homicídios em São Paulo, demonstrando que a situação é mais complexa do que afirmam os governantes.

Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima.

Com relação ao novo governo de Jair Bolsonaro, Cibele Rizek alerta para um possível aumento da violência. “Se a gente pega alguns analistas brasileiros pós-eleição, percebemos que parece estar se desenhando no Brasil um governo de milícias. Eu acredito que haverá um reforço da ação e da violência policial, o que pode fazer com que o ‘pacto’ [com o PCC] se rompa. Isso pode elevar o número de homicídios enormemente”, alerta.

“O que alguns analistas indicam é que esse será um governo onde as pessoas terão permissão para matar. O slogan e o símbolo do Bolsonaro, com uma arma o tempo todo, aponta nessa direção”, afirma Cibele Rizek. “Então você tem duas ramificações da violência. A policial, que provavelmente vai aumentar, contra todos os supostos inimigos, e a privada, que também pode crescer, como o próprio Bolsonaro anuncia, dizendo que as mulheres podem se defender da violência doméstica se estiverem armadas. Ou seja, matando ou ameaçando quem estiver atacando. É isso que sugere a possibilidade de um governo de milícias, com a violência privada explodindo em todo canto.”

A pesquisadora aponta que houve um aumento nas ações da Taurus Armas quando Bolsonaro começou a ganhar popularidade durante a campanha eleitoral. “Existe muito visivelmente um vínculo entre as empresas que produzem armas e a vitória de Bolsonaro”, analisa.

PCC está por trás de diminuição de homicídios

De acordo com Cibele Rizek, houve uma diminuição de cerca de 73% dos assassinatos a partir dos anos 2000 na cidade de São Paulo. Isso ocorreu “a partir, exatamente, de uma hegemonia do PCC”, afirma a estudiosa. “Na verdade, se a gente comparar com o Rio, a diferença é que [na capital paulista] nós temos somente uma facção criminal, e não três, e ela se territorializa de uma maneira muito diferente das facções do Rio.”

Ela lembra que o PCC nasceu nos anos 1990, com o massacre do Carandiru. Mas, saindo das prisões, a facção “se enraizou nos bairros” – e é nesse momento que ocorreu o que Cibele Rizek e outros pesquisadores chamam de “pacificação partilhada”. “O PCC pacifica porque morte e violência não é bom para ninguém, muito menos para os negócios ilegais. Existe inclusive a construção de um código moral da violência, como aponta Gabriel Feltran”, declara, em referência ao autor do livro “Irmãos: Uma história do PCC”. “É uma sociedade secreta, de natureza criminosa, sem dúvida, mas com seu próprio código moral.”

Para Cibele Rizek, o PCC não é resultado de uma falta de ação do Estado, mas funciona como um “reforço” a certos serviços públicos. “Há uma capilaridade do PCC. Por exemplo, eles apoiam o futebol de Várzea. Eles estão muito próximos de todo o transporte da cidade clandestina de São Paulo. Eles fazem mediações muito importantes com relação à vida da prisão. Toda a violência que os familiares dos presos sofrem, eles acompanham e têm advogados”, ressalta a professora da USP.

O PCC atinge atualmente uma parte dos países da América Latina, África, Europa e até Oriente Médio. E, apesar do termo “pacificação partilhada” sugerir um acordo, Cibele aponta que existe ainda uma forte oposição às forças da ordem. E, como o Brasil é o terceiro país no mundo em número de prisioneiros que aguardam julgamento na prisão, isso alimenta ainda mais o estômago da facção criminosa.

Veja o vídeo da entrevista abaixo:

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci