rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Holanda : Polícia prende suspeito do ataque em Utrecht
  • Ciclone pode ter matado mais de mil pessoas, afirma presidente de Moçambique
RFI CONVIDA
rss itunes

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Por Silvano Mendes

Jair Bolsonaro começou sua primeira semana como presidente do Brasil confirmando algumas das promessas feitas durante a campanha. Uma delas foi retirar da Funai a demarcação das terras indígenas, que passa agora a ser uma atribuição do ministério da Agricultura. A decisão, criticada por associações e ONGs dentro e fora do país, dá o tom da política ambiental do novo governo. Para falar sobre o assunto, a RFI conversou com o pesquisador francês François-Michel Le Tourneau, do Centro Nacional de Pesquisas Científicas (CNRS) da França, que tem entre seus temas de estudo a Amazônia brasileira.

O governo só está começando. No entanto, temos ideias de onde ele quer chegar. Tem duas direções principais, a primeira é a promoção do agronegócio e o afrouxamento de todas as regras ambientais, com uma inspiração clara nos EUA”, afirma François-Michel Le Tourneau. “Esse governo vai tentar responder uma outra reivindicação da bancada ruralista, que é abrir as terras indígenas à exploração, limitar a demarcação ou até reduzir as áreas já existentes.”

De acordo com o pesquisador francês, não querer sediar a COP25 demonstra a ruptura, em termos de pauta ambiental, do novo governo. “É um símbolo muito claro da mudança de política. Ao não sediar essa nova conferência internacional, o governo quer mostrar que, a partir de agora, ele vai fazer uma política ambiental mais focada na exploração do que na proteção do meio ambiente”, analisa Le Tourneau.

Paradoxalmente, a Guiana Francesa, vizinha do Brasil, pode se beneficiar com a nova vertente ambiental do governo Bolsonaro, como explica o especialista. “Um dos grandes problemas da Guiana Francesa é a imigração de garimpeiros brasileiros para explorar suas jazidas de ouro. Parte da motivação é o fato de que a Polícia Federal brasileira é mais rigorosa do que a francesa. Se o governo do Brasil afrouxar a fiscalização, pode ser que isso ajude a Guiana Francesa, porque os garimpeiros vão passar a explorar os recursos de seu país.”

Relações diplomáticas com a França devem ficar escassas

Com relação ao impacto da política ambiental de Bolsonaro no elo do Brasil com a França, Le Tourneau acredita que o presidente Emmanuel Macron não reconhecerá como “justas e legítimas” as ideias e intenções do governo para o setor do meio ambiente. “Com certeza, vai haver um esfriamento das relações diplomáticas e de pesquisas científicas. (…) O que vai sobrar são as relações culturais, de turismo e de proximidade entre brasileiros e franceses, e espero que essa permaneça.”

François-Michel Le Tourneau diz que, entre os intelectuais franceses, há uma preocupação quanto aos prováveis cortes nos investimentos em pesquisa no Brasil, sobretudo em áreas como as ciências sociais ou ambientais. “A preocupação já era grande desde o governo Temer e provavelmente só vai aumentar. Mas outra coisa que preocupa é a visão do novo governo do que é a academia e para quê serve a universidade. A orientação que será tomada será provavelmente muito diferente daquela que domina as grandes instituições internacionais, dificultando ainda mais as relações com a França”, conclui o pesquisador.

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja

"Ataques a povos indígenas é suicídio cultural”, diz geógrafo francês

Dependência brasileira ao minério de ferro é um dos disfuncionamentos que explicam catástrofe ambiental, diz especialista

Após sucesso na estreia, Grupo Sociedade Recreativa lança segundo álbum na França

“Lagerfeld era o camaleão da moda”, lembra estilista brasileiro Gustavo Lins

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano