rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Por Márcia Bechara

 “Desde a literatura romântica, existe o índio bom. Mas, bom ou não, ele sempre morre. O índio bom é o índio morto no Brasil”, analisou Eduardo Rosse, professor de música e etnologia da Universidade de Minas Gerais (UFMG), especialista em música indígena. Ele esteve em Paris ministrando uma conferência sobre saberes e conhecimentos ameríndios e afro-americanos na prestigiosa Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS), nesta terça-feira (8).

Sobre odecreto do presidente Jair Bolsonaro, que transferiu para o Ministério da Agricultura a demarcação de terras indígenas e quilombolas, Eduardo Rosse disse que se trata de “algo extremamente inquietante”. “Nosso novo presidente nitidamente desconhece a causa indígena, e ao mesmo tempo propõe medidas muito radicais. Dar a responsabilidade de decidir sobre demarcação de terras indígenas e quilombolas a um órgão claramente ligado à agroindústria equivale à visão de Bolsonaro em relação à causa indígena: torná-la branca o quanto antes”, avaliou.

O especialista acredita que o Brasil vive um “retrocesso de 60 anos”. “É um discurso que acreditávamos ultrapassado, que entende os índios como uma população que ainda não se tornou civilizada, urbana, brasileira”, disse o professor. Para Rosse, os avisos do antropólogo francês Claude Lévy-Strauss, de meio século atrás, em relação à proteção dos índios brasileiros, continuam mais do que nunca valendo em 2019.

“Há 60 anos, mesmo aqueles engajados no movimento indigenista acreditavam que, aos poucos, a população indígena seria absorvida pela população hegemônica. O que não aconteceu. A população indígena cresceu, há fortes indícios de ressurgências, com populações se retransformando em índios”, afirmou Rosse. Segundo ele, é “uma pena” que no meio de “um Brasil tão plural”, ressurjam políticas “unilaterais”. “Não é à tôa que os produtores rurais são monocultores, eles prezam uma cultura única, uma monosociedade”, comparou o especialista.

Sinal verde para a agressão aos indígenas

No dia 29 de outubro de 2018 os jornais brasileiros noticiaram um grupo de posseiros que, após, a eleição do novo presidente, e antes mesmo de sua posse, invadiram terras indígenas em Pernambuco, com o objetivo de amedrontar as populações locais, sob o argumento de que Bolsonaro havia sido eleito. Em Santa Catarina, uma liderança indígena assassinada no primeiro dia do ano. Há cinco dias, um grupo de madeireiros avançou sobre a terra indígena Arara, no Pará. Para o professor, a falta de respeito do Brasil em relação a suas culturas indígenas ancestrais é antiga, e se multiplica.

“O que nos inquieta também não são apenas os atos que vêm diretamente de políticas oficiais, mas a liberdade que esse tipo de política dá aos atos que não são oficiais, mas localizados, de posseiros, violências, existe um sinal verde para essas agressões”, analisa o especialista. “Realmente o Brasil, desde a literatura romântica, pensa o índio bom como o índio morto. Temos um jeito diferente da América do Norte de contar essa história, mas o nosso índio sempre foi anônimo, ele nunca teve nome, nunca teve cara, então a nossa ancestralidade indígena é apagada. Temos uma cultura de apagamento, de não querer lembrar esse passado”, afirmou Rosse.

O professor falou ainda sobre a conferência que o trouxe a Paris: “é um projeto em curso hoje em dia em algumas universidades diferentes, chamado Encontro de Saberes e começou no ano de 2010 na Universidade de Brasília e hoje já se espalhou por Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Convidamos mestres de tradições negras, ameríndias e de outras tradições que trazem novos conteúdos e novas epistemologias para virem falar de sua experiência, biografias e saberes na UFMG”, contou Rosse.

Governo ataca liberdade de expressão no Brasil e o povo não se dá conta, diz Leandro Demori, do Intercept

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

"Quero viver de arte", diz jovem pintora maranhense que expôs na França

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato