rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Rio recebe em Paris título de primeira Capital Mundial da Arquitetura

Por Márcia Bechara

O anúncio oficial será feito nesta sexta-feira (18) na sede da Unesco, em Paris, numa cerimônia que será presidida pela diretora-geral da instituição, Audrey Azoulay. Verena Andreatta, secretária municipal de Urbanismo do Rio de Janeiro, veio à capital francesa para acompanhar a assinatura do acordo entre a cidade brasileira e a União Internacional dos Arquitetos, representando o prefeito carioca, Marcelo Crivella.

O Rio já seria sede do Congresso Mundial de Arquitetura em 2020. Segundo Verena Andreatta, a escolha para capital mundial da arquitetura se deve a uma parceria entre a União Internacional de Arquitetos e a Unesco. “Estamos muito honrados com a escolha, a cidade do Rio de Janeiro está de portas abertas para o debate sobre arquitetura e paisagem para o século 21. O planeta precisa deste debate sobre cidades globais”, afirmou.

Violência, milícias, corrupção e má gestão de recursos públicos são temas atuais na pauta da cidade maravilhosa. Segundo a secretária, no entanto, eles não devem atrapalhar o brilho do título carioca recém-conquistado. “O Rio de Janeiro é uma cidade com uma diversidade cultural social e arquitetônica. O Rio é uma jovem cidade de 454 anos e, desde o período colonial, deixou belos exemplares arquitetônicos, coloniais, neoclássicos, barrocos. Até o movimento moderno deixou rastros com seu ícone, o Palácio Capanema”, lembra.

Desafios

“Esse título nos dará condições e maiores esperanças para discutir inclusive as nossas mazelas. Nesse confronto de ideias é que a gente vai tentar, com a sociedade global que vai nos visitar, buscar soluções”, diz Andreatta. Segundo ela, os grandes desafios urbanísticos da capital carioca são a urbanização das áreas informais das favelas, a compactação da cidade, e a estruturação da rede de transportes para a sustentabilidade.

“A cidade do Rio de Janeiro foi muito planejada, durante toda sua existência. Um plano de desenvolvimento sustentável está sendo debatido pela própria sociedade carioca. São questões relevantes”, diz a secretária. Em termos de patrimônio, Verena revelou que o Rio tem hoje “10 mil imóveis preservados e 2 mil imóveis tombados”. “Muitos deles estão recuperados e acabamos de aprovar um Código de Obras na última segunda-feira (14) que permite a reconversão de imóveis em estado de deterioração, para melhorar as condições destas edificações. É um código que simplifica e que vai melhorar e facilitar a reconstrução desses imóveis”, concluiu Andreatta.

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil