rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil- América Latina
rss itunes

Empresária brasileira vê o Caribe como porta de entrada para mercado europeu

Após morar por 16 anos na Venezuela, onde investia no segmento de vinhos, a empresária Waleska Schumaker decidiu buscar novos horizontes, fugindo da crise no país socialista. A brasileira não precisou ir muito longe e se instalou em Curaçao, a ilha do Caribe a apenas 64 km de distância da costa venezuelana. Waleska teve a chance de ampliar sua carteira de produtos e, em meados do ano passado, começou a expandir seus negócios.

Elianah Jorge, correspondente da RFI em Caracas

Para começar a desbravar este cenário paradisíaco que é referência no turismo internacional, Waleska, gaúcha de Bento Gonçalves, abriu uma importadora e distribuidora de bebidas. Ela explica que seu principal artigo continua sendo o vinho argentino, mas viu a necessidade de trabalhar com mais vigor bebidas brasileiras.

Segundo a empresária, “o Brasil tem produtos fantásticos para ser serem explorados na região do Caribe”. “A gente também está importando para Curaçao a cerveja artesanal brasileira, e estamos apresentando ao mercado local o suco de uva, que é outro grande produto que o Brasil tem e que poderia ser de Denominação de Origem Controlada”. A gaúcha garante que o suco de uva consumido pelo brasileiro “é único e não é comum encontrá-lo em outros países”.

Escala em Curaçao e rumo à Europa

Começar por Curaçao foi estratégico após um estudo determinar que, além de ser um mercado promissor, a ilha é uma porta de entrada para a Europa. Por ser um território ultramarino holandês, “Curaçao tem uma conexão com a Holanda bastante importante e isso significa um passo de abertura para fortalecer a presença do Brasil em mercados como o daquele país”, explica.

A forma de consumo em Curaçao também é propícia aos planos de médio prazo desta desbravadora brasileira em terras caribenhas. “O turista que vem para cá é diferente daquele que viaja para Aruba. Ele se hospeda pelo sistema Airbnb, que facilita o aluguel de casas e apartamentos, ou fica em resorts. Eles compram nos supermercados, fazendo com que a economia (de Curaçao) seja um pouco mais sólida e diversificada, se comparada com a do turismo de Aruba, que é mais de hotéis”, conta Waleska.

Além de mirar no mercado holandês, Waleska quer levar, ainda este ano, os produtos brasileiros para as ilhas que compõem o chamado ABC do Caribe – Aruba, Bonaire e Curacao. A meta da empresária é buscar parceiros e dar continuidade à expansão nas ilhas que sejam das Antilhas Holandesas, pela relação com Curaçao, e depois conquistar outros mercados.

De acordo com Waleska, em Curaçao estão presentes outras mercadorias brasileiras, como, por exemplo, sapatos e produtos de limpeza, além daquelas com as quais ela trabalha. “Este é um bom sinal porque mostra que aqui há aceitação do que é feito no Brasil”, explica.

Outro fator propício ao investimento é a retomada das exportações brasileiras, sinaliza a empresária. "Esperamos que a moeda continue favorável para exportar", porque se a moeda não acompanha, isso também é um problema para o Brasil.

De acordo com dados do governo de Curaçao, cerca de 111 brasileiros moram nesta ilha de apenas 444 quilômetros quadrados. Mas este número pode chegar a 200, segundo Waleska, “porque alguns brasileiros têm dupla nacionalidade e ao chegar apresentam apenas o outro passaporte”.

Curaçao abre suas portas ao Brasil

A brasileira afirma que os moradores de Curaçao são bastante receptivos a tudo o que se refere ao Brasil, tanto em produtos como no setor de turismo. Segundo estimativas, este ano cerca de 25 mil turistas brasileiros devem visitar a ilha, um aumento significativo sobretudo após a abertura, em dezembro passado, de um voo que sai do Aeroporto de Guarulhos (SP) direto para ‎Willemstad, a capital deste pedacinho da fria Holanda no caloroso Caribe. Outros 75 mil brasileiros visitam a ilha durante os cruzeiros, conta a gaúcha.

Representação diplomática

O trabalho de Waleska, iniciado por ela na Venezuela e agora desenvolvido na ilha, ganhou o reconhecimento do Itamaraty. Por não ser um país independente, não há embaixada ou Consulado Geral do Brasil em Curaçao. A única representação diplomática do Brasil na ilha é feita agora por Waleska através do cargo, “não remunerado”, explica ela, de cônsul honorária.

"Não existe espaço para um Bolsonaro na Argentina", diz autor de livro sobre o brasileiro

Brasileira investe em "Parada Inteligente", rede de lojas de conveniência na Venezuela

Jovem da Baixada Fluminense realiza sonho de estudar na universidade Sorbonne em Paris

Insegurança, penúria, inflação galopante: brasileira relata o cotidiano em um bairro popular de Caracas

Mendoza, capital do vinho argentino, vive 'boom' de turistas brasileiros

Brasil pega onda no surfe para conquistar público jovem da América do Sul

Policiais argentinos voltam às praias de Santa Catarina para atender turistas

Brasil quer tirar do Caribe os turistas argentinos que viajarem no verão

Brasil faz primeira ação coordenada de turismo LGBT no mercado internacional

Cruzamento de dados da Lava Jato e da Cadernos da Corrupção pode revelar novos crimes

Na história da seleção argentina, a grande co-protagonista é a brasileira

“Se saísse um empate, eu ficaria feliz”: sem rivalidade, brasileiros torcem pela Argentina

Degustação de vinhos em bairro inteiro de Buenos Aires atrai brasileiros

“Argentina combate corrupção com menos eficácia que o Brasil, mas também com menos crise”, diz secretário de Macri