rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Por Márcia Bechara

O romance "Gaia: A Roda da Vida", da escritora brasileira Telma Brites Alves, traz uma narrativa entre o suspense e a fantasia. A autora passou por Paris para o lançamento de sua obra e falou com a RFI sobre o enredo que envolve mitologia e descobertas da adolescência.

“Eu chamo de fantasia romanceada. É um romance que tem como pano de fundo a mitologia grega, que é o lado ‘fantasiado’, mas o resto é um romance normal”, explica Telma Brites Alves. “É a história de uma jovem de 16 anos que perdeu a mãe com 6 anos de idade e, depois, também o pai. Após a morte do pai, foi enviada diretamente à Alemanha, para viver sob a tutela da tia.”

Ao chegar na casa de sua nova responsável, a protagonista de “Gaia” vai, de acordo com a autora, “viver uma história mirabolante”. “Ela vai se encontrar com o personagem principal de uma história fantástica, que seria uma profecia. (…) Teoricamente, ela é descendente de um personagem mitológico”, revela Telma Brites Alves. “O resto é só lendo para saber.”

“Viver é como escrever”

A história de "Gaia" será dividida em três livros, que Telma Brites Alves pretende publicar em Paris. “O segundo já foi lançado na bienal de São Paulo, no ano passado. O terceiro eu espero terminar para ser lançado no Rio de Janeiro”, diz. No último volume, a heroína aceitará finalmente sua “profecia” e será “puxada” para um mundo mitológico.

Na entrevista à RFI, a escritora também abordou seu processo criativo. “Viver é também escrever, as duas coisas para mim se fundem. Eu vivo intensamente e ainda mais intensamente a partir do momento que escrevo”, conta. Foi assim que ela acabou se inspirando para a história de sua trilogia durante uma viagem a Creta, na Grécia.

“No último dia, estava super triste de voltar para a Alemanha, estava numa montanha meditando. Quando terminei, vi um rochedo, e parecia um gigante deitado com as mãos sobre a barriga. Quando vi aqui, pensei ‘É o gigante adormecido’”, revela. Assim nasceu a ideia para a personagem Gaia, cujo sobrenome, em alemão, quer dizer “A pedra de Deus”.

Veja abaixo a entrevista completa:

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura