rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

Por Elcio Ramalho

As inovações públicas criadas e desenvolvidas por diferentes níveis de governo no Brasil despertaram nos últimos anos um interessente crescente em muitos países, instituições e organizações não-governamentais por todo o mundo.

A constatação é do professor do departamento de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp),  Osmany Porto de Oliveira, autor de um estudo dedicado à internacionalização das políticas públicas brasileiras.

“Desde o período de pós-democratização, o Brasil produziu uma série de políticas públicas inovadoras a nível local, estadual e nacional. Essas invocações foram importantes para solucionar problemas e deram resultado”, diz Osmany. O especialista proferiu palestras e participou em Paris de um debate intitulado “Difusão de políticas públicas brasileiras: entre importação e exportação”, no Instituto de Altos Estudos da América Latina, vinculado à Universidade Sorbonne.

Segundo ele, a difusão internacional dessas práticas ganhou maior dimensão nos últimos anos, com amplo destaque para uma iniciativa desenvolvida na capital gaúcha a partir do final dos anos 1980: “O orçamento participativo, que permite a inclusão da participação dos cidadãos no debate da aplicação dos recursos públicos, desenvolvido em Porto Alegre foi precursor”, afirma.

O trabalhou resultou na publicação do livro Embaixadores da participação : a difusão internacional do orçamento participativo (Ed. Annablume). A obra detalha a aplicação e adaptações feitas por governos de diferentes orientações políticas e até por instituições internacionais da prática.

Segundo Osmany, essa política começou a ser disseminada a partir de meados dos anos 1990 e vem sendo adotado em diferentes contextos políticos, com início na América Latina, mas depois expandindo-se pela pela Europa, Ásia e outros continentes. “O último levantamento de orçamento participativo encontrou mais de 7.600 casos em várias partes do mundo”, revela Osmany, citando Paris, Nova York, Chicago, Maputo e cidades da Rússia e até da China.

“A experiência brasileira serviu de fonte de inspiração durante esse processo de difusão internacional, mas que foi adaptada pelos cidadãos e instituições. Hoje, por exemplo, o orçamento participativo é muito utilizado pelo banco Mundial em países em desenvolvimento e até organizações não-governamentais. A origem é brasileira, mas foi ele foi adaptado”, explica o professor, que também coordena um laboratório de políticas públicas Internacionais na Unifesp.  

Nesse processo de adaptação de uma experiência concebida como uma radicalização democrática, os ajustes e adaptações podem incluir mudanças em reuniões e formatos de assembleias participativas, tipos de recursos e escopo do orçamento, e o projeto político que é levado a cabo.

“Antes era uma experiência de radicalização da democracia, hoje o orçamento participativo também está associado com o controle social e a transparência das contas públicas. Sempre que as políticas viajam de um lado para outro, sofrem adaptações e traduções de quem as importa”, diz.

Bolsa Família também desperta interesse

Além do orçamento participativo, a Bolsa Família e outros programas de segurança alimentar e políticas na área de saúde e educação também despertaram o interesse e foram adotados por governos de muitos países e instituições internacionais.

“Apenas dois ou três países na América Latina não têm programas de transferência de renda condicionada, que é o tipo de programa do Bolsa Família. Há partidos de direita e de esquerda que adaptaram esse tipo de política às suas realidades e interesses locais”, afirma. Segundo Osmany, o Banco Mundial contabiliza pelo menos 50 países que já se inspiraram no Bolsa Família.

Historicamente, o Brasil e outras nações do hemisfério sul sempre importaram políticas implantadas nos países do Norte. Osmany lembra, por exemplo, a construção por parte do governo Getúlio Vargas de um processo de burocratização do Estado a partir de experiências de países do Norte.  

“Essa era a regra até recentemente, quando o país começou a ter um papel mais ativo em difundir suas políticas e inovações para os problemas públicos. O Brasil agora tem um processo pró-ativo para difundir a internacionalização de suas políticas”, conclui.

 

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna