rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

Por Elcio Ramalho

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) lançou na terça-feira (26) uma campanha para os estudantes filmarem problemas de suas escolas e encaminharem as imagens para o Ministério da Educação (MEC). A iniciativa é uma resposta à carta do ministro Ricardo Vélez Rodriguez, que orientava diretores de escolas a gravarem e enviarem ao governo imagens de alunos cantando o hino nacional nas escolas.

“Convocamos os estudantes para mostrarem os reais problemas das escolas brasileiras”, explica Pedro Lucas Gorki, presidente da Ubes.

Segundo ele, a carta do ministro é “absurda” e mais do que atentar contra o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), à laicidade do Estado e promover o slogan de campanha de Jair Bolsonaro, traz como risco maior desviar das verdadeiras prioridades das escolas do país.

“O que as escolas no Brasil, principalmente as públicas, estão pedindo e precisando é de mais investimentos. As prioridades são muitas outras”, afirma, ao citar como exemplo a renovação Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

No primeiro dia da campanha, que foi lançada por meio de um vídeo na internet acompanhado da hashtag #MinhaEscoladeVerdade, cerca de 50 vídeos já foram filmados e enviados ao ministério. Alguns deles mostram problemas nas estruturas das escolas, como rachaduras no teto e goteiras.

“Queremos que os estudantes gravem problemas reais de escolas reais”, reafirmou. A campanha vai ser atemporal porque, de acordo com Gorki, os problemas não vão ser resolvidos a curto prazo. “A questão da Educação não é apenas de governo, mas de projeto de país. Existe há muito tempo um projeto de sucateamento da escola pública”, denuncia o estudante.

Com a repercussão da campanha, o presidente da Ubes observa que os objetivos de mobilizar a base da entidade e dos estudantes secundaristas já começam a ser atingidos, assim como a sensibilização de uma parcela da população.

Como parte da pressão contra o governo Bolsonaro, do qual a Ubes já se posicionou como oposição, membros da entidade estiveram em Brasília para acompanhar a audiência do ministro Vélez Rodrigues na comissão do Senado sobre Educação.

“Fizemos um protesto e o movimento estudantil fará uma onda de pressões para colocar o ministro Ricardo Vélez no eixo, no lugar dele, que é o de pensar uma educação gratuita, universal e de qualidade”, afirmou.

“Vamos continuar a pressão através dessa campanha e de outras mobilizações”, garante.

A Ubes e outras entidades estudantis convocaram para o dia 28 de março uma Jornada de Luta para lembrar os 51 anos da morte de Edson Luís, estudante secundarista morto no Rio de Janeiro pela ditadura militar. “A data é muito especial. Nossa pauta de mobilização em muitas cidades vai centralizar na defesa da educação, da liberdade e do Brasil”, afirma.

Presidente da UBES desde dezembro de 2017, Gorki integra um grupo de estudantes processados pelo então candidato Jair Bolsonaro por terem feito campanha política no segundo turno para o candidato petista Fernando Haddad.

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco