rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

Por Elcio Ramalho

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) lançou na terça-feira (26) uma campanha para os estudantes filmarem problemas de suas escolas e encaminharem as imagens para o Ministério da Educação (MEC). A iniciativa é uma resposta à carta do ministro Ricardo Vélez Rodriguez, que orientava diretores de escolas a gravarem e enviarem ao governo imagens de alunos cantando o hino nacional nas escolas.

“Convocamos os estudantes para mostrarem os reais problemas das escolas brasileiras”, explica Pedro Lucas Gorki, presidente da Ubes.

Segundo ele, a carta do ministro é “absurda” e mais do que atentar contra o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), à laicidade do Estado e promover o slogan de campanha de Jair Bolsonaro, traz como risco maior desviar das verdadeiras prioridades das escolas do país.

“O que as escolas no Brasil, principalmente as públicas, estão pedindo e precisando é de mais investimentos. As prioridades são muitas outras”, afirma, ao citar como exemplo a renovação Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

No primeiro dia da campanha, que foi lançada por meio de um vídeo na internet acompanhado da hashtag #MinhaEscoladeVerdade, cerca de 50 vídeos já foram filmados e enviados ao ministério. Alguns deles mostram problemas nas estruturas das escolas, como rachaduras no teto e goteiras.

“Queremos que os estudantes gravem problemas reais de escolas reais”, reafirmou. A campanha vai ser atemporal porque, de acordo com Gorki, os problemas não vão ser resolvidos a curto prazo. “A questão da Educação não é apenas de governo, mas de projeto de país. Existe há muito tempo um projeto de sucateamento da escola pública”, denuncia o estudante.

Com a repercussão da campanha, o presidente da Ubes observa que os objetivos de mobilizar a base da entidade e dos estudantes secundaristas já começam a ser atingidos, assim como a sensibilização de uma parcela da população.

Como parte da pressão contra o governo Bolsonaro, do qual a Ubes já se posicionou como oposição, membros da entidade estiveram em Brasília para acompanhar a audiência do ministro Vélez Rodrigues na comissão do Senado sobre Educação.

“Fizemos um protesto e o movimento estudantil fará uma onda de pressões para colocar o ministro Ricardo Vélez no eixo, no lugar dele, que é o de pensar uma educação gratuita, universal e de qualidade”, afirmou.

“Vamos continuar a pressão através dessa campanha e de outras mobilizações”, garante.

A Ubes e outras entidades estudantis convocaram para o dia 28 de março uma Jornada de Luta para lembrar os 51 anos da morte de Edson Luís, estudante secundarista morto no Rio de Janeiro pela ditadura militar. “A data é muito especial. Nossa pauta de mobilização em muitas cidades vai centralizar na defesa da educação, da liberdade e do Brasil”, afirma.

Presidente da UBES desde dezembro de 2017, Gorki integra um grupo de estudantes processados pelo então candidato Jair Bolsonaro por terem feito campanha política no segundo turno para o candidato petista Fernando Haddad.

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa

Especialista da FAO alerta para contaminação do Aquífero Guarani no Brasil

Militares são os maiores defensores da Amazônia, diz novo embaixador do Brasil na França

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor