rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Sociedade brasileira está cansada moralmente", diz autor de livro de ficção sobre extrema direita no poder

Por Elcio Ramalho

O avanço da candidatura de Jair Bolsonaro no período que antecedeu a campanha para as eleições de outubro de 2018 motivou o professor de Direito Nitish Monebhurrun a escrever um livro para expressar sua preocupação com a nova orientação política que conquistou o país.

Nascido nas Ilhas Maurício, ex-colônia francesa e britânica, Nitish se instalou na França onde se formou e seguiu carreira acadêmica na Universidade Sorbonne e também na Holanda, antes de se radicar no Brasil, em 2011.

Atualmente professor de Direito no Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Nitish Monebhurrun publicou vários livros na área jurídica, mas se enveredou pela ficção para revelar sua percepção do momento crítico para o país com a proximidade das eleições.

“O livro nasceu de uma preocupação minha, em 2017, de ver a sociedade brasileira caminhando para as eleições, e de ver uma elite desconectada com a realidade, e de não prever a chegada do movimento de extrema direita”, explicou. Ele se surpreendia com as reações de muitos colegas que rejeitavam a hipótese da chegada ao poder de um um candidato que representava posturas extremistas.

“Primeiro pensei em escrever um ensaio para tentar entender o início desse movimento, que queria chamar de ‘os fracassos do Brasil”, mas não teria tanto impacto. Decidi então retraçar minhas ideias de maneira mais suave, em forma de romance”, justificou.

Com um título provocador – “O assassinato do presidente do Brasil” (Ed. CataLivros) –, a ficção foi escrita antes do início da campanha eleitoral, mas com o enredo que projeta o país em 2024, com os reflexos da vitória de um projeto de governo propalado pelo candidato do PSL.

Nitish optou pela distopia, termo literário para situar uma história que se passa no tempo futuro, para extrapolar uma realidade que julga preocupante. O livro é narrado por uma jornalista com experiência na França e em coberturas de guerra que decide se instalar no Brasil para aceitar um novo desafio na carreira.

Entre os protagonistas da trama está um professor de Direito que decide matar o presidente da República, argumento central da obra. “Entre as motivações parciais deste professor está a observação de uma negligência sobre a educação, de que investimentos na educação e na cultura ficaram restritos à periferia e não é importante investir nos recursos intelectuais do país”, argumenta.

Críticas à sociedade brasileira

No livro, Nitish expõe seu olhar de estrangeiro sobre a sociedade brasileira e não poupa muitas críticas sobre anomalias que identifica no sistema como, por exemplo, os excessos de privilégios que observa no Poder Judiciário.

“Eu não entendo como a Corte Suprema do Brasil, o STF, cujo objetivo é proteger a Constituição e manter os princípios de igualdade, estabelece como prioridade correr atrás do auxílio-moradia, e colocar isso como o cerne de sua atuação. Eles não querem ver que compõem a corporação que mais ganha no Brasil e ainda querem ganhar um auxílio-moradia cujo valor é quatro vezes mais alto do que o salário mínimo. Eles não veem que isso é uma demonstração flagrante da desigualdade que caracteriza a sociedade brasileira”, afirma.

Sem se referir explicitamente no livro à vitória de Bolsonaro, para não configurar uma propaganda ao então candidato, Nitish optou por apresentá-lo como alguém “que abre as comportas da extrema direita, que se sente mais confortável, mais segurança e mais dominante” ao assumir o poder. “Minha ideia foi mostrar que o que aconteceu em 2018 foi liberar a verdadeira extrema direita, se posso falar assim, para 2024.”

Em mais de oito anos no Brasil, o professor de Direito admite ter utilizado a obra para expor sua visão do país e sua opinião sobre os valores que caracterizam essa sociedade. “O Brasil é um país rico, com muitos recursos, de maneira geral, e humanos, antes de tudo. Muitas vezes esses recursos são negligenciados e mal utilizados”, declarou.

“As pessoas são muito trabalhadoras, muito produtivas quando querem, mas as políticas públicas falham”, afirma.

O professor e escritor tentou fazer dos personagens do livro e de suas interações um reflexo da sociedade brasileira, que segundo ele, anda muito desgastada com a situação do país.

“Acho que essa sociedade está um pouco cansada, não no sentido físico, mas intelectual, moral. Isso foi muito palpável nas últimas eleições. As pessoas não tinham tempo nem paciência para discutir, pesquisar para discutir com argumentos e serenamente. Preferiam mostrar o lado negativo que têm, da raiva, da birra, de querer conflitos, mas não querer solucioná-los”, concluiu.

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação