rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Primeiro trimestre do governo Bolsonaro é uma “bagunça”, diz revista francesa

Por RFI

A revista francesa L’Obs desta semana traz uma reportagem de quatro páginas sobre o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Com o título “o preocupante capitão Bolsonaro”, a reportagem faz um balanço dos primeiros meses do mandato do chefe de Estado e tenta traçar o seu perfil.

“Presidente do maior país da América Latina há quase cem dias, o ex-militar saudosista da ditadura ataca gays negros e jornalistas e governa sem rumo com o seu clã”, lança a revista já na chamada do texto, assinado por Philippe Boulet-Gercourt, correspondente da revista nos Estados Unidos, por onde o líder brasileiro passou essa semana. Para o jornalista, Bolsonaro “continua sendo um mistério”.

L’Obs explica que ao ser eleito por uma população com aspirações e motivações diferentes – que muitas vezes não votou nele, e sim contra o Partido dos Trabalhadores –, Bolsonaro tenta responder à todas as expectativas. Resultado: ele acabou formando uma equipe disparate, misturando economistas ultraliberais, como Paulo Guedes, tecnocratas, como Sergio Moro, e ideólogos, como Olavo de Carvalho. Além de seus filhos, dos militares e dos evangélicos, “que tiveram um papel crucial na eleição”, continua a texto, que qualifica a gestão atual de “bagunça, onde se atira para todo lado”.

“O verdadeiro poder de Bolsonaro é seu clã”, avança a revista. “Mas a situação está mudando, principalmente após as acusações visando seu filho Flávio. “Com isso fica difícil continuar se proclamando ‘senhor certinho’, como ele fez durante a campanha”, afirma L’Obs.  

Negros e gays com um alvo nas costas

A reportagem lista ainda as diversas declarações polêmicas do atual presidente, e se mostra preocupada com a situação dos jornalistas brasileiros, que se sentem cada vez mais atacados, e dos povos indígenas, que veem seus direitos sendo feridos. Sem contar com “os gays e os negros, que têm o sentimento de andar pela rua com um alvo nas costas”, afirma a revista francesa.

Já do ponto de vista político, o texto comenta que, ao contrário das reformas esperadas, o mandato começa bem devagar. “Ele concretizou pouca coisa e temos uma sensação de ver alguém à deriva”, analisa Brian Winter, ex-correspondente da Reuters no Brasil, ouvido pela reportagem.

“Trump não sabe governar, mas pelo menos ele é respaldado por um partido potente”, compara o texto, lembrando que Bolsonaro não se dobra aos acordos indispensáveis em um Congresso no qual sua legenda conta com pouco mais de 10%. O que torna ainda mais difícil a aprovação da esperada reforma da aposentadoria, analisa L’Obs. No entanto, pondera a revista, apesar das críticas e da falta de rumo definido, no final do segundo mês de presidência Bolsonaro contava com 57,7% de popularidade. “Um índice de dar inveja a Emmanuel Macron”, avalia a reportagem.

Surfar no metrô de Paris diante da Torre Eiffel virou moda entre jovens aventureiros

Papa Francisco trava batalha contra grupo de milionários americanos que bloqueiam reformas na Igreja

Mais ecológico e disposto a rever lei do asilo, “novo Macron” mira eleitores de Le Pen

TV e rádio públicas francesas ampliam tempo de programação para meio ambiente

Amazônia: especialistas franceses debatem princípios de justiça climática

Equipamento "revolucionário" de radioterapia entusiasma oncologistas franceses

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo